Voar é um desejo que começa em criança!

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Bonanza A36

Atendendo ao pedido do Especial de Domingo de ontem, 29/9/13, o Comandante José Adolfo Queiroz gentilmente nos encaminhou os vídeos abaixo, que já compartilharemos com os nossos Ninjas. A coordenação do Núcleo Infantojuvenil de Aviação agradece a colaboração!!!

Muito bom dia.
Estivemos presentes na sexta e no sábado no aeroporto de Ubatuba. Vi  o "Blog do Ninja" e seguem 03 videos gravados no meu Bonanza A 36 prefixo PP JAQ . O primeiro vídeo foi gravado na chegada da sexta-feira (27/9) e saída do sábado (28/9) aí de Ubatuba. O segundo foi gravado em Campinas e região. O terceiro foi um voo noturno de Campinas para Ribeirão Preto.
Grato
Adolfo

domingo, 29 de setembro de 2013

Especial de Domingo

Bonanza Clube do Brasil em Ubatuba-SP
Ontem, 28 de setembro de 2013, foi um dia especial no Aeroporto Gastão Madeira, em Ubatuba-SP. Integrantes do Bonanza Clube do Brasil estiveram na cidade para uma confraternização dos associados.
Sabendo disso, o Núcleo Infantojuvenil de Aviação - NINJA - promoveu um dia de atividades no aeroporto, com simulação de voo em computador, visitas monitoradas às aeronaves, exposição de aeromodelos, sempre com a intenção de deixar a garotada mais próxima deste fantástico ambiente. O comandante Luiz Gustavo Figueiredo, que pela segunda vez visitou Ubatuba, conversou com crianças e seus familiares, comentando características do avião Bonanza G36, orientando àqueles que queiram se dedicar a aviação o quanto é importante estudar, seguir todas as recomendações para a segurança do voo, zelar pela manutenção da aeronave e se capacitar sempre, tornando esta prática segura e prazerosa. Velhas águias também marcaram presença como Polé Lafer e o Comandante Badu, que aproveitou para experimentar o Simulador de Voo dos Ninjas. Das aeronaves visitantes, algumas curiosidades chamaram a atenção dos alunos, como a cauda em V do Bonanza V35 e a possibilidade de deslocar rapidamente o manche da esquerda para a direita, mediante o destrave de um botão autoblocante, eliminando o manche duplo, o que deixa sempre um dos pilotos com a atenção focada nos equipamentos e instrumentos. Luiz Stocco, colaborador do Ninja de todas as horas, expôs diversos aeromodelos, aguçando a vontade de crianças e adultos. O prefeito Maurício Moromizato, o vereador Silvinho Brandão e Secretários Municipais de Ubatuba marcaram presença, prestigiando a iniciativa. Confira algumas fotos do encontro e, se possível, encaminhe para ninja.aero@gmail.com mais informações e curiosidades sobre as aeronaves Bonanza para compartilharmos com nossos Ninjas.
Vamos em frente... 
Bom domingo!

sábado, 28 de setembro de 2013

Videoteca Ninja

“Aviões” em corridas eletrizantes
A primeira tentação do espectador é dizer que já viu esse filme. Estamos falando de Aviões da Disney. Afinal, a história do aviãozinho fumigador de plantações que sonha virar campeão numa disputa mundial parece um pouco a de Carros transposta para outro meio. Mas o diretor Klay Hall descarta. — A única coisa comum entre os filmes é John Lasseter, que ajudou a escrever a história de ambos, mas ele nunca sugeriu nenhuma filiação nossa com o conceito de Carros — esclarece ele. Por nossa entenda-se a parceria de Hall com a produtora Traci Balthazor-Flynn, tão boa que Lasseter já deu carta branca aos dois para um próximo projeto, que ainda não foi decidido. — Criamos um personagem fofo para ser querido por todas as audiências. O medo das alturas surgiu como signo de uma debilidade inconcebível para as aspirações de Dusty. Era até óbvio. E imaginamos que, como todo mundo em busca de superação, ele tem de encontrar dentro de si uma energia que nem sabe que possui — explica ainda o diretor. Como a corrida é mundial, outros pilotos — outros aviões — representam diversas nacionalidades. Há uma aeronave brasileira (dublada por Ivete Sangalo), uma oriental, um aviãozinho brega feito galã mexicano, etc. E há um avião veterano da Segunda Guerra Mundial que se isolou do mundo em seu hangar. Imagine se ele não será decisivo para que Dusty alcance o que deseja... As personagens parecem saídas das flybys da Airventure (Oshkosh. — Criamos um programa avançado, e não foi nada fácil. Além da velocidade, existe sempre o problema da perspectiva aérea. Foi o nosso desafio e nenhum filme sobre competição, sem desafio, tem graça — explica Traci.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Tecnologia

Voo das abelhas inspira projeto de microaviões
Cientistas da universidade de Harvard, nos Estados Unidos, tentam descobrir como as abelhas conseguem se manter no ar com condições meteorológicas adversas para aplicar seus resultados no projeto de "microaviões", informou uma revista britânica. A pesquisa, divulgada no Journal of Experimental Biology, analisa o voo de certas abelhas e besouros para descobrir como conseguem se manter suspensas no ar enquanto colhem o pólen, inclusive com fortes ventos. Segundo os cientistas, os resultados de sua pesquisa poderão ser aplicados posteriormente no setor da aerodinâmica, uma vez que aviões de microdimensões podem imitar a técnica destes insetos para também se manterem estáveis em condições adversas. A equipe, liderada por Sridhan Ravi, gravou o voo das abelhas enquanto entravam em um túnel de vento, cuja intensidade e velocidade podiam ser controlada pelos cientistas. "Como todos já comprovamos, tanto a velocidade como a direção do vento são muito variáveis, por isso se manter estável no ar pode ser um desafio", disse o chefe do projeto em entrevista à rede britânica BBC. "Os melhores 'microaviões' disponíveis atualmente, de menos de 25 centímetros, lutam para se manter no ar inclusive quando só existe uma leve brisa. No entanto, estes insetos parecem ser capazes de voar inclusive em condições extremas", acrescentou. Após filmar as abelhas com câmaras de alta tecnologia, os cientistas reproduziram seu voo em velocidade lenta e descobriram como sua energia e seus movimentos se ajustavam segundo o fluxo de ar ao qual enfrentavam. Estas gravações revelaram que as abelhas reduziam sua velocidade quanto mais instável era o vento, o que lhes permitia dedicar a energia à correção da direção de seu voo. "As abelhas se movimentavam bastante para os lados antes de mudar de rumo e poder corrigir as turbulências do vento", explicou Sridhan Ravi. Os cientistas concluíram que uma melhor compreensão de como os insetos enfrentam estas turbulências ajudaria bastante a melhorar a estabilidade dos pequenos aviões. Além disso, a equipe de Harvard planeja realizar mais pesquisas com diferentes insetos para identificar como a carga de pólen ou de mel influi sobre a estabilidade do voo das abelhas.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Aeroportos

Aeroporto de Araraquara poderá ser privatizado
O governo do Estado de São Paulo incluirá o aeroporto Bartolomeu de Gusmão, em Araraquara, SP, em lote de concessão por meio de uma parceria público privada. O local, que está em fase de conclusão de reformas e receberá voos regulares da Azul a partir de novembro de 2013, também está na disputa o recebimento de aviões de carga. 

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Embraer

KC-390 será cargueiro competitivo
Em um desafio direto para o avião cargueiro Hércules, da Lockheed Martin, a Embraer promete o KC-390, um jato que voa mais alto, mais cheio e mais rápido, a um preço menor. O Brasil investe US$ 2 bilhões no desenvolvimento da aeronave, que servirá para transporte de tropas, materiais e também como avião reabastecedor em voo. A Força Aérea Brasileira, que especificou as características do aparelho, deverá comprar 28 aviões, em um contrato que deve ser assinado nos próximos seis meses. Executivos da Embraer projetam que o avião de carga será usado pela FAB para pousar em pistas improvisadas da Amazônia à Antártida. Se o avião estiver voando até o fim de 2014, como planejado, o Brasil irá ser bem sucedido em um segmento no qual os concorrentes tropeçam, ultrapassando programas lançados por Rússia, Índia e China na última década. Será o maior avião já feito na América Latina, com um corpo grande o suficiente para transportar um helicóptero Blackhawk. 

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Campeonato Paulista de Balonismo

Aconteceu nos dias 20,21 e 22 de Setembro o 10º Campeonato Paulista de Balonismo, em Ribeirão Preto-SP. Confira algumas fotos gentilmente enviadas pelo amigo Evaldo Alexandre, colaborador do Núcleo Infantojuvenil de Aviação. O Blog do Ninja agradece ao Evaldo e convida os leitores a fazer como ele: compartilhar notícias que destaquem a cultura aeronáutica. Participem, enviando conteúdo para ninja.aero@gmail.com

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Aeronaves

Boeing Dreamliner alongado faz voo inaugural
A versão alongada do jato 787-9 Dreamliner, da Boeing, fez seu voo inaugural no dia 17 de setembro de 2013, em Washington, nos Estados Unidos. Um marco importante para o avião que deve ser mais rentável tanto para a Boeing como para os clientes. O jato tem espaço para 290 passageiros, 40 a mais do que o modelo atual, e tem cerca de 300 milhas náuticas de alcance a mais. Esses fatores fazem com que a Boeing possa cobrar mais pelo avião e as companhias aéreas possam vender mais assentos nos voos longos. 

domingo, 22 de setembro de 2013

Especial de Domingo

SPITFIRES....Missão Especial

Nos momentos mais leves da Segunda Guerra Mundial, o Spitfire foi usado em um papel pouco ortodoxo: trazendo barris de cerveja para os homens na Normandia. Durante a guerra, o Heneger e Constable Brewery doou cerveja de graça para a tropa. Depois do Dia D, o abastecimento das tropas de invasão na Normandia com suprimentos vitais já era um desafio. Obviamente, não havia espaço na cadeia logística para luxos tais como a cerveja ou outros tipos de bebidas. Alguns homens, geralmente chamados ½ fornecedores, foram capazes de obter vinho ou outras sutilezas do país e dos habitantes locais. Os pilotos de Spitfire da RAF tiveram uma ideia ainda melhor. O Spitfire Mk IX era uma versão evoluída do Spitfire, com Pylons sob as asas para bombas ou tanques. Foi descoberto que os suportes para bombas poderiam também ser modificados para transportar barris de cerveja. 
De acordo com as imagens que podem ser encontradas, vários tamanhos de barris foram utilizados. Se os barris poderiam ser descartados em caso de emergência é desconhecido. Se os Spitfires voaram alto o suficiente, o ar frio em altitude gelava a cerveja, tornando-a pronta para o consumo no momento da chegada. Uma variação deste método foram os tanques de combustível para longo alcance, modificados para transportar cerveja em vez de combustível. A modificação ainda recebeu um designativo oficial “XXX”. Serviços de propaganda foram rápidos em saber disto, o que provavelmente explica o uso do designativo do projeto oficial.
Mod. XXX "abastecendo"

Como resultado, os Spitfires equipados com Mod XXX (ou barril-portadores), eram frequentemente enviados de volta para a Grã-Bretanha para manutenção ou funções de ligação. Eles, então, retornavam para a Normandia com 'tanques' de cerveja cheios montados sob as asas. Entretanto, o Ministério britânico das Receitas e Impostos Especiais de Consumo entrou em cena, notificando a cervejaria de que eles estavam violando a lei de exportação de cerveja, sem pagar os impostos correspondentes. Parece que as operações com Mod. XXX foram então encerradas, mas vários esquadrões encontraram saídas diferentes para reabastecer seus estoques. Na maioria deles, isso foi feito com a aprovação oficial dos escalões mais altos. Em seu livro, Dancing in the Skies, Tony Jonsson, o piloto islandês servindo na RAF, lembrou que o reabastecimento de cerveja era executado quando ele estava voando com o 65 Squadron.
Toda semana, um piloto era enviado de volta ao Reino Unido para encher alguns tanques com cerveja e voltar para o esquadrão. Qualquer pessoa que fizesse um pouso brusco e derrubasse o tanque seria o homem mais odiado no esquadrão, por uma semana inteira.

Encaminhado por Tiago Rizzi

sábado, 21 de setembro de 2013

Bombardier

Fabricante canadense testa avião com mais de 100 lugares
A Bombardier completou, no dia 16 de setembro de 2013, o primeiro voo da aeronave CS100, o primeiro da família CSeries, considerado pela própria empresa como um "grande marco". O voo partiu de Montreal, Canadá, do aeroporto internacional de Mirabel e retornou ao local duas horas e meia depois. Durante o voo de teste, o avião alcançou uma altitude de 3.810 metros e uma velocidade de 426 km/h. A CSeries faz parte de um programa da Bombardier para lançar uma nova família de aeronaves desenhadas para o segmento de 100 a 149 assentos. Nos próximos meses, outros cinco aviões CS100, que estão em diferentes estágios de desenvolvimento, se juntarão ao programa de testes. 

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Datas Especiais

Aniversário de Eduardo Gomes, patrono da FAB
20 de setembro é o dia de nascimento do patrono da Força Aérea Brasileira, Marechal-do-Ar Eduardo Gomes. Aviador, militar e político, nasceu em 20 de setembro de 1896 e faleceu no Rio de Janeiro em 1981. Foi ministro da Aeronáutica por duas vezes, no governo Café Filho (24 de agosto de 1954 a 11 de novembro de 1955) e no governo Castelo Branco (11 de janeiro de 1965 a 15 de março de 1967). Para lembrar a data o Comandante da Aeronáutica, expediu a seguinte mensagem: 

ORDEM DO DIA 

MARECHAL-DO-AR EDUARDO GOMES 

Brasília, 20 de setembro de 2013. 

O VALOR DO AUTÊNTICO HEROÍSMO FUNDAMENTA-SE EM PERSISTIR, MESMO QUANDO TUDO PARECE CONSPIRAR EM DESFAVOR, MANTENDO-SE EMBALADO PELA FORÇA DA FÉ, REUNINDO A FORTALEZA NECESSÁRIA PARA SUPLANTAR OBSTÁCULOS, ATÉ ENTÃO, TIDOS COMO INTRANSPONÍVEIS. CERTAMENTE, ENTRE OS REPRESENTANTES DESSA NOBRE VIRTUDE DO SER HUMANO ENCONTRA-SE O PATRONO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA – O NOSSO INESTIMÁVEL MARECHAL-DO-AR EDUARDO GOMES. HOJE, APÓS UMA LONGA E PROFÍCUA JORNADA DE 117 ANOS DESSE MÁRTIR BRASILEIRO, OS INTEGRANTES DA AERONÁUTICA MANTÊM-SE NORTEADOS PELO SEU ETERNO LEGADO, CONSCIENTES DE QUÃO SUBLIME É PALMILHAR O CAMINHO DE VALOROSAS RECORDAÇÕES. REMEMORAR OS FEITOS DE UMA LENDA-VIVA É ACERTARMOS O PASSO COM O MÉRITO, MARCHANDO, RESOLUTOS, EM BUSCA DA CONSERVAÇÃO DOS LÍDIMOS ATRIBUTOS DA JUSTIÇA E DA DEMOCRACIA, SEMPRE AMPARADOS NO SEU INCONTESTE EXEMPLO DE HUMANISMO E SIMPLICIDADE. TAL MARCHA INCORPORA, EM SEU CERNE, A PRÓPRIA HISTÓRIA DO PODER AEROESPACIAL NO BRASIL, DESDE AS FRÁGEIS ASAS DOS PIONEIROS DO CORREIO AÉREO MILITAR ÀS VIGOROSAS TRELIÇAS A SUSTENTAR O VOO DOS MODERNOS VETORES DE NOSSA PUJANTE E MODERNA INDÚSTRIA AEROESPACIAL – OS INOVADO – OS INOVADORES A-29 E KC-390. PELAS FIRMES MÃOS DESSE ÍCONE DA AVIAÇÃO, DESLINDAR-SE-IA UMA NOVA ERA NA HISTÓRIA REPUBLICANA. AO RECEBER SEU BATISMO DE FOGO, NO ALVOR DA JUVENTUDE, EDUARDO GOMES SIMBOLIZARIA O BRADO DE ALERTA CONTRA O ESTADO DE INTRANQUILIDADE REINANTE EM SUA ÉPOCA. INSPIRADOS -SE, NO SEIO DA SOCIEDADE, UM INCONTIDO CLAMOR POR JUSTIÇA E REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES. TÃO HERÓICA RESISTÊNCIA EM PROL DA DEMOCRACIA TRANSBORDARIA O CALÇADÃO DAS AREIAS DE COPACABANA, FAZENDO-SE PRESENTE, QUASE VINTE ANOS DEPOIS, NESSAS EMBLEMÁTICAS INSTALAÇÕES DO CAMPO DOS AFONSOS, PALCO DE LANCES ÉPICOS A PERMEAR O IDEÁRIO DOS AVIADORES DE TODAS AS ÉPOCAS. ESSA MESMA JOVIAL VOCAÇÃO DEMOCRÁTICA DO “BRIGADEIRO” REPRESENTARIA SUA FORÇA MOTRIZ, IMPULSIONANDO-O NA LIDERANÇA DAS INESTIMÁVEIS AÇÕES NA CONSOLIDAÇÃO DAS OPERAÇÕES AÉREAS ALIADAS NO ATLÂNTICO SUL, A PARTIR DAS BASES AÉREAS DO NORDESTE DO PAÍS, NOS IDOS DOS ANOS 40. A INQUEBRANTÁVEL FIRMEZA DE PROPÓSITOS DO LÍDER MILITAR TRANSCENDERIA SUA PESSOA, PROPORCIONANDO A VIRTUOSA SOLDA A UNIR SUPERIORES E SUBORDINADOS, EVIDENCIANDO O AUTÊNTICO ESPÍRITO AGREGADOR DE UM DOS IDEALIZADORES DO JOVEM MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA. E FOI SOB ESSE INABALÁVEL ATRIBUTO DO ETERNO AVIADOR, CARINHOSAMENTE APELIDADO DE “O VELHO”, QUE UM JOVEM GRUPO DE PILOTOS MILITARES IRIA PENETRAR NOS RECÔNDITOS DO TERRITÓRIO BRASILEIRO, IRRADIANDO-SE PELOS PONTOS CARDEAIS, A FIM DE CONSOLIDAR UM DOS MAIS ALMEJADOS OBJETIVOS NACIONAIS – A NECESSÁRIA INTEGRAÇÃO NACIONAL. TAL QUAL UM CARPINTEIRO COM A SUA LIDA DE APLAINAR A MADEIRA, CORTÁ-LA E MOLDÁ-LA, MATERIALIZANDO SEU DESMEDIDO GÊNIO CRIADOR; ASSIM ERAM OS PILOTOS DE ENTÃO, PERCORRENDO COM O AVIÃO, ROTA APÓS ROTA, A BUSCAR O MAGNO OBJETIVO DE AMALGAMAR A NOSSA POPULAÇÃO NUM TODO SINÉRGICO. NESTA INCANSÁVEL PROCURA POR UNIÃO NACIONAL, A CONVIVÊNCIA COM OS INÚMEROS DRAMAS QUE AFLIGIAM A NOSSA GENTE TOCARAM, PROFUNDAMENTE, O CORAÇÃO DO HOMEM PÚBLICO PRESENTE NO NOSSO MARECHAL. AQUELE HOMEM, COM O ESPÍRITO DE UM ESTADISTA, INTEIRAMENTE AFERRADO AO SEU DEVER, DESEJAVA EDIFICAR O PORVIR DOS SEUS SEMELHANTES. PARA UMA SIGNIFICATIVA PARCELA DE NOSSO POVO, EM DOIS PLEITOS ELEITORAIS, SUA INEQUÍVOCA CONDUTA DE OFERECIMENTO E ABNEGAÇÃO REPRESENTARIA O MAIS HERÓICO GESTO DE SOLIDARIEDADE HUMANA. HERÓIS DA FORÇA AÉREA DO TERCEIRO MILÊNIO, ESTEJAM CERTOS DE QUE PELA OBRA DE EDUARDO GOMES O BRASIL APERFEIÇOU A EMPATIA COM A SOFRIDA GENTE DOS SERTÕES, POIS EM SUAS ANDANÇAS, AO PRESENCIAR TANTAS AGRURAS E NECESSIDADES, TRANSFORMOU OS AVIÕES DO CORREIO AÉREO NACIONAL NUM PREMENTE INSTRUMENTO DE AMPARO. INSPIREM-SE NA FORÇA DE SEU EXEMPLO, MANTENDO A MESMA ROBUSTA CRENÇA NA LIBERDADE COMO CONDIÇÃO ÚNICA PARA GARANTIR TODOS OS OUTROS BENS DE UMA NAÇÃO. ASSIM, AO CULTUARMOS TÃO VIRTUOSO PREDICADO, BUSCAMOS, NO ÚLTIMO DISCURSO PÚBLICO DO NOSSO PATRONO, A SABEDORIA DE SEUS ENSINAMENTOS PARA EMBALAR ESSE SINÉRGICO DIA DE ENCONTRO DE GERAÇÕES: “ACREDITAI, MEUS JOVENS CAMARADAS, QUE ESSA MINHA GERAÇÃO, SOFRIDA E LUTADORA, FOI INTENSAMENTE FELIZ PORQUE OS QUE TIVERAM A VENTURA DE VIVER ATÉ OS NOSSOS DIAS ESTÃO VIVENDO ESTA ESPLÊNDIDA TRANSFORMAÇÃO... NÃO JUGUEIS, PORÉM QUE AS LUTAS ESTEJAM TERMINADAS. TEREIS, ESTOU CERTO, UMA VIDA DIFÍCIL, LABORIOSA E DURA; VALE A PENA CONTUDO, VIVÊ-LA... MERCÊ DE DEUS CUMPRIMOS O NOSSO DEVER, COMO ESTOU SEGURO, CUMPRIREIS O VOSSO, TODOS INSPIRADOS E SOB A ÉGIDE DA LIÇÃO MAGNÍFICA QUE NOS LEGOU SIQUEIRA CAMPOS... – À PÁTRIA TUDO SE DEVE DAR; À PÁTRIA NADA SE DEVE PEDIR, NEM MESMO COMPREENSÃO.” OBSERVAMOS QUE A ATUALIDADE DESSAS LIÇÕES MANTÉM PULSANDO NA FORÇA AÉREA BRASILEIRA, MAIS DO QUE O CORAÇÃO DE AÇO DOS SEUS MOTORES, O CORAÇÃO PATRIOTA DO MAIOR HERÓI MILITAR DE NOSSA TRADICIONAL INSTITUIÇÃO – O MARECHAL-DO-AR EDUARDO GOMES. QUE O CRIADOR NOS GUIE A UM FUTURO DIGNO DO PASSADO DE REALIZAÇÕES DESSE INESQUECÍVEL HOMEM PÚBLICO! 

Tenente-Brigadeiro do Ar JUNITI SAITO 
COMANDANTE DA AERONÁUTICA

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Aeroportos

O aeroporto mais alto do mundo
A China inaugurou, no dia 16 de setembro de 2013, o aeroporto civil mais alto do mundo, em uma região remota da província de Sichuan. O Aeroporto de Daocheng fica em Garzi, uma área com grande concentração de tibetanos. Ele fica 4.411 metros sobre o nível do mar, superando o aeroporto de Qamdo, no Tibete, que fica a 4.334 metros e detinha o título de mais alto do mundo. A agência de notícias oficial "Xinhua" afirma que os voos vão inicialmente conectar a região com Chengdu, a capital da província. A viagem de ônibus, opção disponível até agora, demorava dois dias. De avião, o tempo do percurso será de uma hora. O aeroporto foi criado para receber 280 mil passageiros por ano e deve ajudar a levar turistas para a Reserva Natural de Yading, uma área conhecida por sua beleza natural intocada. A China lançou recentemente um programa para renovar aeroportos antigos e construir novos, especialmente nas áreas remotas do oeste do país. 

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Heróis Brasileiros

Morre o último piloto da FAB que lutou na II Guerra Mundial
Faleceu no último domingo, 15 de setembro de 2013, no Rio de Janeiro, o Major-Brigadeiro José Carlos de Miranda Corrêa, aos 93 anos, no Hospital Central da Aeronáutica (HCA), onde estava internado. O Major-Brigadeiro Miranda Corrêa integrou o 1º Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA) durante a Segunda Guerra Mundial, na Itália, como Piloto de Combate e Oficial de Informações. Entre 13 de novembro de 1944 e 03 de janeiro de 1945, ele cumpriu 8 missões de guerra. Atualmente, ele era o último dos pilotos veteranos da Segundo Guerra vivo. Antes de combater na Itália, o então Tenente Aviador Miranda Corrêa realizou seu treinamento como Piloto de Combate nos Estados Unidos e no Panamá. Após regressar ao Brasil, permaneceu no 1º GAVCA, sediado na Base Aérea de Santa Cruz (BASC). Posteriormente, realizou o curso de Engenheiro Aeronáutico e atuou como Diretor de Engenharia na Diretoria do Material e na Diretoria de Rotas. Morando no Canadá, atuou na Internacional Civil Aviation Organization (ICAO), na cidade de Montreal. Entre as condecorações com as quais foi agraciado ao longo de sua carreira, destacam-se: Cruz de Aviação - Fita A, Campanha da Itália, Campanha Atlântico Sul, Ordem do Mérito Aeronáutico, Medalha Mérito Santos Dumont, Distinguished Flying Cross (por ter afundado um submarino Alemão na costas do Rio de Janeiro), Presidential Unit Citation e Bronze Star, sendo as três últimas concedidas pelo Governo Americano. 

Fonte: Agência Força Aérea

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Aeronaves

Helicóptero EC130 T2 : novo Esquilo no ar
No já sofisticado Mercado de helicópteros no Brasil, surge uma novidade. É o EC 130 T2, o novo modelo Esquilo, que é o helicóptero mais popular do mundo. Custa aproximadamente 9 milhões de reais. Possui um sistema antivibração, que diminui em até 90 por cento a trepidação. Apesar de manter praticamente a mesma fuselagem, o novo Esquilo teve cerca de 70% da estrutura interna modificada. A autonomia é de quatro horas de voo.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Aeroclube de Eldorado do Sul


O Aeroclube de Eldorado do Sul está localizado na região metropolitana de Porto Alegre (RS) e mantem parceria com a PUC-RS. Possui excelentes instalações e utiliza uma pista de 1600 x 30 metros, frequência própria para comunicação e uma frota diversificada. Devido a proximidade com o Aeroporto Internacional de Porto Alegre, os treinamentos IFR e Multimotor são realizados nesse aeroporto, proporcionando treinamento diferenciado. O aeroclube de Eldorado do Sul traz a tradição do aeroclube de São Leopoldo, mas numa nova área. O antigo aeroclube de São Leopoldo foi inaugurado em 1941. Porém, com o avanço da cidade, o aeroclube passou a operar com restrição devido a grande proximidade com a área urbana. Então, em 2003, o aeroclube se mudou para a nova cidade, Eldorado do Sul. 

domingo, 15 de setembro de 2013

Especial de Domingo

BEM ANTES DO GPS!!!

Isso realmente existe:

Gigantes setas de concreto apontando o caminho em toda a América...

De vez em quando, nos vastos desertos do sudoeste americano, um andarilho ou um mochileiro se depara com algo intrigante:   uma grande seta de concreto, com mais de 20 metros de comprimento,   no meio do nada, coberta por matagal...

O que são essas setas gigantes? Alguma marcação topográfica? Indicadores de pouso para discos voadores? Sinais para retorno à Terra?

Não, não é...

Trata-se da Rota do Correio Aéreo Transcontinental.

Em 20 de agosto de 1920 os Estados Unidos da América abriram sua primeira rota de entrega costa-a-costa pelo correio aéreo, 60 anos após a Pony Express ter encerrado suas atividades.   Não existiam boas cartas de aviação naqueles dias e, por isso, os pilotos, em voo visual, definiam o seu caminho por todo o país usando referenciais em terra.   Isso significava que voar com mau tempo era muito difícil e o voo noturno era praticamente impossível. O Serviço Postal resolveu o problema com o primeiro sistema de navegação civil em solo do mundo: uma série de faróis acesos estendendo-se desde Nova York até São Francisco. A cada 10 milhas, os pilotos passariam por uma seta de concreto em amarelo brilhante. Cada seta contava com uma torre de aço de 15,5 metros encimada por um farol rotativo de intensa luminosidade. Um gerador montado na cauda da seta mantinha o farol ligado.

Assim, o correio aéreo poderia ir do Atlântico ao Pacífico não em questão de semanas, mas em aproximadamente 30 horas.   Até o mais inexperiente dos pilotos do correio, ao que parece, poderia seguir uma série de setas, em amarelo-brilhante, como que saídas de um dos desenhos animados de Tex Avery. Em 1924 a linha de gigantes marcadores de concreto se estendia do Rock Springs, Wyoming para Cleveland, Ohio. No verão seguinte, chegou ao caminho de Nova York e, em 1929, atravessou o continente, ininterrupto, causando inveja aos sistemas postais de todo o mundo.

Rádio e radar são, é claro, infinitamente menos divertidos do que uma estrada de setas amarelas feitas de concreto, de costa a costa...mas nós sabemos como essa história termina...
Novos avanços na tecnologia de comunicação e de navegação tornaram as grandes setas obsoletas e o Departamento de Comércio "aposentou" as balizas em 1940. As torres de aço foram derrubadas e serviu para o esforço de guerra. Mas as centenas de setas permanecem. Sua tinta amarela está desaparecendo, seu concreto apresenta novas rachaduras a cada geada do inverno, e quase ninguém cruza o seu caminho, com exceção de coiotes e cardos. 
Mas ainda estão lá.

Encaminhado por Tiago Rizzi

sábado, 14 de setembro de 2013

Aeroportos

Terminal de Goianá (MG) será operado pela iniciativa privada
Três meses depois de o Aeroporto Regional Presidente Itamar Franco, em Goianá, zona da mata mineira, ficar sem voos comerciais regulares, o governo de Minas prepara licitação para concedê-lo à iniciativa privada assim que terminar o contrato com a Multiterminais Alfandegados do Brasil. A proposta é firmar uma parceria público-privada para a exploração, administração, operação e manutenção da unidade pelos próximos 25 anos. Ao todo, pelo escopo do edital, devem ser investidos R$ 188 milhões no período. Os aeroportos de Pouso Alegre e Varginha, ambos no Sul de Minas, também devem entrar no programa estadual de concessão de aeroportos.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Espaço

Seminário discute pesquisa e desenvolvimento de veículos espaciais
Termina hoje em São José dos Campos (SP) o sétimo Seminário de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento de Veículos Espaciais e Tecnologias Associadas (SEPP&D). Com mais de 100 participantes, o evento realizado no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) cumpre papel de um fórum para disseminação de alta tecnologia do setor aeroespacial por meio do intercâmbio de informações e experiências. O seminário envolve a apresentação das pesquisas concluídas no último ano e uma mostra dos avanços e dificuldades dos projetos em andamento financiados com recursos da Ação 20VB da Agência Espacial Brasileira (AEB). A organização é do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), órgão ligado ao DCTA. Na palestra de abertura, o Vice-Diretor do DCTA, Major-Brigadeiro Alvani Adão da Silva, fez uma Revisão do Programa de Lançadores e abordou, entre outros temas, o Programa Espacial Brasileiro (PEB), os Veículos Suborbitais, os Veículos Lançadores e o Programa Cruzeiro do Sul. Já o Diretor do IAE, Brigadeiro Engenheiro Carlos Antônio de Magalhães Kasemodel, ressaltou a importância da realização do evento. “Pretende-se que esta oportunidade permita a discussão, a troca de conhecimento e a identificação de ações que possam facilitar o processo de aproximação entre a pesquisa e o setor produtivo, de transpor obstáculos tecnológicos e fornecer subsídios necessários para os avanços da área no Brasil”. O sétimo Seminário de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento de Veículos Espaciais e Tecnologias Associadas (SEPP&D) conta com a presença de professores do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e diversos representantes dos órgãos do DCTA, incluindo o Diretor-Geral, Tenente-Brigadeiro do Ar Gérson Nogueira Machado de Oliveira.

Fonte: DCTA

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Navegação Aérea

Navegação satelital promove rotas mais curtas
O Brasil começa a implantar novos traçados de rotas aéreas a partir de dezembro de 2013, com mudança da tecnologia empregada na gestão do tráfego aéreo pela Aeronáutica. O novo sistema, baseado em posicionamento de aeronaves via satélites, é coordenado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea). A atualização, baseada em performance (PBN – Performance Based Navigation), encurtará distâncias, reduzirá tempo de voo e melhorará a operação do tráfego aéreo. Poderá ser alcançada economia média de 1,5% de combustível com os trajetos mais eficientes e retos. A notícia vem em boa hora, quando as empresas se desdobram para reduzir a conta do querosene de aviação, responsável por 40% dos custos operacionais e que vem sendo diretamente pressionada pela disparada recente do dólar.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Segurança de Voo

Balão sempre é perigoso para a aviação
Em relação à reportagem “Balão ecologicamente correto: 100% seguro e garantia de diversão!”, veiculada dia 09 de setembro de 2013, no programa Mais Você, da Rede Globo de Televisão, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica esclarece o seguinte: 

A soltura de balões, mesmo aqueles sem fogo, representa um real perigo para a aviação. Por voar sem controle direcional no espaço aéreo utilizado por aeronaves, os balões oferecem risco à navegação aérea devido à possibilidade de ocorrer uma colisão deste tipo de artefato com as aeronaves. Dependendo da velocidade da aeronave e da massa do balão, o choque pode ocasionar até mesmo a queda do avião. Por exemplo, se um balão de 15 kg, que é um balão pequeno, colidir com um avião que esteja voando a uma velocidade de 300 km/h, o impacto será da ordem de três toneladas e meia, o que poderá causar um acidente de grandes proporções. Segundo dados do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), órgão subordinado ao Comando da Aeronáutica, somente em 2013 foram relatadas, por pilotos e controladores de tráfego aéreo, 107 situações de risco envolvendo balões entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Cabe destacar que essa atividade pode ser enquadrada como atentado contra a segurança do transporte aéreo, conforme previsto no artigo 261 do Código Penal Brasileiro, por expor a perigo aeronave ou envolver ato que tende a impedir ou dificultar a navegação aérea. 

Brasília, 9 de setembro de 2013 

Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno 

Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica 

Fonte: CECOMSAER

Saiba mais: Blog do NINJA de 21/05/2013

terça-feira, 10 de setembro de 2013

VANT

Campinas planeja usar VANT contra crimes ambientais
Para combater crimes ambientais, a Prefeitura de Campinas (SP) planeja comprar um veículo aéreo não tripulado - VANT. De acordo com o secretário do Verde e Desenvolvimento Sustentável, Rogério Menezes, o equipamento custará até R$ 265 mil e deve estar disponível em junho de 2014, para o monitoramento da Área de Proteção Ambiental. "O processo de aquisição começa até o fim de setembro. Essa aeronave fará o mapeamento dos terrenos, a cada três meses, ao registrar imagens em alta resolução", explicou. O secretário adiantou que o trabalho começará na região considerada como patrimônio natural e que abrange 27% do terreno do município, pois a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ainda não permite operações com o miniavião nas áreas urbanas.

Fonte: http://g1.globo.com

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Frecce Tricolori

O time italiano de acrobacia aérea
 Frecce Tricolor voando aeronaves MB-339PAN 

A Frecce Tricolori (flecha tricolor) é a equipe de acrobacia aérea da Itália. Baseada em Rivolto, é a única equipe de exibição para voar até dez aviões: nove permanecem em formação, enquanto um outro voa sozinho durante a maior parte do show. Os italianos ganharam a reputação de ser uma das esquadrilhas de exibição mais extravagantes e agradáveis de se assistir na Europa. A equipe de exibição Frecce Tricolori formou-se em 1 de Março de 1961. Inicialmente usou o avião norte-americano F86E Sabre por dois anos, antes de passar para o Fiat G-91PAN. Dezoito anos depois, a equipe recebeu os atuais Aermacchi MB-339PAN.

domingo, 8 de setembro de 2013

Especial de Domingo

As condecorações da Força Aérea Brasileira

Ordem do Mérito Aeronáutico 
 As primeiras condecorações criadas na Força Aérea Brasileira foram as da ordem honorífica do “Mérito Aeronáutico”, em 1943, semelhante à “Ordem do Mérito Naval”, da Marinha, e à “Ordem do Mérito Militar”, do Exército, que existiam desde 1934. A ideia da instituição da “Ordem do Mérito Aeronáutico” nasceu no Touring Clube do Brasil, que apresentou a sugestão de criação à Comissão Nacional de Comemorações do 30º Aniversário do Primeiro Voo de Santos-Dumont. O projeto foi então encaminhado ao Congresso pelo Deputado Demétrio Xavier e, no dia 1º de novembro de 1943, por meio do Decreto-Lei nº 5.961, a condecoração foi criada. Sua mais recente regulamentação data de 4 de maio de 2000. A “Ordem do Mérito Aeronáutico” é destinada a premiar os militares da Aeronáutica que tenham prestado notáveis serviços ao País ou tenham se distinguido no exercício de sua profissão, assim como para reconhecer serviços prestados à Aeronáutica por personalidades civis e militares e por Organizações Militares e instituições civis, brasileiras ou estrangeiras. A distinção pode ser concedida em cinco graus: Grã-Cruz, Grande Oficial, Comendador, Oficial e Cavaleiro. 

Medalha de Guerra 

Cruz de Bravura 
Medalha destinada a missões de guerra, criada pelo Decreto-Lei nº 7.454, de 10 de abril de 1945, alterada pelo Decreto-Lei nº 8.901, de 24 de janeiro de 1946, e regulamentada pelo Decreto nº 20.497, de 24 de janeiro de 1946. Essa medalha é destinada a militares da ativa e da reserva da Aeronáutica que tenham se distinguido por ato excepcional de bravura. Até hoje, a "Cruz de Bravura" foi concedida a cinco Oficiais-Aviadores brasileiros que morreram na Campanha da Itália, atacando objetivos militares: Capitães-Aviadores Luiz Lopes Dorneles, Aurélio Vieira Sampaio e João Maurício Campos de Medeiros, Primeiro-Tenente-Aviador John Richardson Cordeiro e Silva e Segundo-Tenente-Aviador (RC) Frederico Gustavo dos Santos. 

Cruz de Sangue
Medalha destinada a missões de guerra, criada pelo Decreto-Lei nº 7.454, de 10 de abril de 1945, alterada pelo Decreto-Lei nº 8.901, de 24 de janeiro de 1946, e regulamentada pelo Decreto nº 20.497, de 24 de janeiro de 1946. São agraciados com a “Cruz de Sangue” os militares da Força Aérea Brasileira ou civis brasileiros que sirvam na FAB e que desempenharam com eficiência as missões de guerra e foram feridos em ação contra o inimigo. Essa medalha foi concedida a 13 Oficiais-Aviadores brasileiros, entre aqueles que participaram da Campanha da Itália. 

Cruz de Aviação "Fita A" e "Fita B"
Entre os Oficiais que realizaram missões de guerra na Itália como pilotos, a “Cruz de Aviação” com uma palma foi concedida a um Oficial-Aviador; a de três estrelas, a 13 Oficiais-Aviadores; a de duas estrelas, a sete Oficiais-Aviadores; a de uma estrela, a 21 Oficiais; e a simples, a 16 Oficiais-Aviadores, de acordo com o número de missões de guerra realizado.
Sentindo a necessidade de distinguir também os Oficiais-Aviadores que realizaram missões de patrulhamento contra submarinos no litoral brasileiro, durante a Segunda Guerra Mundial, o Governo instituiu a “Fita B” para a “Cruz de Aviação”, em 1947. Assim, a distinção passou a ser usada com a “Fita A” ou “Fita B”, de acordo com a missão desempenhada: na Itália ou no litoral brasileiro.


Medalha da Campanha da Itália
Medalha destinada a missões de guerra, criada pelo Decreto-Lei nº 7.454, de 10 de abril de 1945, alterada pelo Decreto-Lei nº 8.901, de 24 de janeiro de 1946, e regulamentada pelo Decreto nº 20.497, de 24 de janeiro de 1946. Foi concedida a militares da ativa e da reserva que tenham prestado bons serviços na Campanha da Itália, sem nota que os desabone. 


Cruz de Serviços Relevantes
Medalha destinada a missões de guerra, incluída pelo Decreto-Lei nº 8.901, de 24 de janeiro de 1946. Essa condecoração nunca foi conferida, mas é destinada aos Oficiais da ativa, da reserva e reformados e civis que tenham prestado serviços relevantes de qualquer natureza, referentes ao esforço de guerra, preparo e desempenho de missões especiais confiadas pelo Governo, dentro ou fora do País. 

Medalha da Campanha do Atlântico Sul
Criada pela Lei nº 497, de 28 de novembro de 1948, e regulamentada pelo Decreto nº 26.550, de 4 de abril de 1949. A “Medalha da Campanha do Atlântico Sul” foi entregue a militares da ativa, da reserva e reformados e civis que se distinguiram na prestação de serviços relacionados com a ação da Força Aérea Brasileira no Atlântico Sul, no preparo e desempenho de missões especiais confiadas pelo Governo e executadas no período de 1942 a 1945. Uma das condições essenciais para o agraciado receber essa medalha é ter cooperado na vigilância do litoral, no transporte aéreo de pessoal e material necessário ao sucesso da campanha, nos serviços relativos à segurança de voo e à eficiência das operações dos aviões comerciais e militares.

Bons Serviços Militares

Medalha Militar
Criada pelo Decreto nº 4.238, de 15 de novembro de 1901, e regulamentada pelo Decreto nº 39.207, de 22 de maio de 1956. A “Medalha Militar” tem como objetivo recompensar os bons serviços prestados pelos Oficiais e Praças da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, em serviço ativo. A distinção pode ser de platina, ouro (com passador de platina ou de ouro), prata ou bronze, conforme os militares agraciados tenham completado 50, 40, 30, 20 ou 10 anos de bons serviços.

Mérito

Mérito Santos-Dumont
Criada pelo Decreto nº 39.905, de 5 de setembro de 1956, alterada pelo Decreto nº 66.815, de 30 de junho de 1970, e regulamentada pela Portaria nº 106/SCC, de 20 de fevereiro de 1998. Personalidades civis e militares, brasileiros ou estrangeiros, podem receber a medalha “Mérito Santos-Dumont”, desde que tenham prestado destacados serviços à Aeronáutica brasileira ou, por suas qualidades ou seu valor, em relação à Aeronáutica, forem julgados merecedores. A entrega das condecorações aos agraciados será efetuada no dia 20 de julho, aniversário de Alberto Santos-Dumont, Pai da Aviação e Patrono da Aeronáutica Brasileira. Caso essa data coincida com um sábado ou domingo, a solenidade será realizada na sexta-feira anterior. Entre outras condições básicas, o agraciado, se Oficial ou Graduado, deve já ter recebido, respectivamente, a “Medalha Militar” ou a “Medalha Bartolomeu de Gusmão” há mais de dois anos. Os servidores civis devem ter, no mínimo, dez anos de serviço na Aeronáutica ou possuir a “Medalha Bartolomeu de Gusmão” há mais de dois anos. A apreciação do mérito dos militares e civis em condições de serem agraciados fica por conta do Conselho do Mérito Santos-Dumont.

Medalha Bartolomeu de Gusmão
Criada pelo Decreto nº 68.886, de 6 de julho de 1971. As instruções para a sua concessão foram aprovadas pela Portaria nº 974/SCC, de 25 de novembro de 1992. São premiados com a “Medalha Bartolomeu de Gusmão” os militares e civis do Comando da Aeronáutica que tenham prestado relevantes serviços à Força Aérea Brasileira. A condecoração é concedida, preferencialmente, aos Suboficiais, Sargentos, Cabos e Taifeiros da ativa e funcionários civis da Aeronáutica até o nível correspondente a Suboficial, em atividade. Ela é destinada, prioritariamente, a quem ainda não possui a medalha “Mérito Santos-Dumont”, mas os militares devem ter a “Medalha Militar”, e os funcionários da Aeronáutica, mais de dez anos de serviço. A entrega das medalhas será sempre no dia 25 de março de cada ano, quando se comemora o “Dia do Especialista de Aeronáutica”. A medalha leva o nome do Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão (1685-1724), nascido em Santos-SP, porque foi um dos precursores da aviação, por seus trabalhos e realizações no campo da aerostação. Ele foi pioneiro na utilização do ar quente como elemento capaz de fazer ascender um corpo no espaço: em 1709, no centro de Lisboa, em Portugal, o primeiro balão livre levantou vôo na história. Era o “Passarola”, engenho do “Padre Voador”.

Medalha Mérito Operacional Brig Nero Moura
Criada pelo Decreto nº 7.085, de 29 de janeiro de 2010 e regulamentada pela Portaria nº 226/SC, de 7 de abril de 2010. Destina-se a distinguir os comandantes de unidade aérea, no âmbito do Comando da Aeronáutica, pela conduta em prol da operacionalidade da sua organização e da Força Aérea Brasileira. A concessão da medalha far-se-á por ato do Comandante da Aeronáutica, sendo que a entrega ao agraciado efetuar-se-á, preferencialmente, durante a solenidade alusiva ao aniversário da aviação à qual a unidade aérea pertença ou, caso não seja possível, durante a solenidade alusiva ao aniversário da unidade aérea. A medalha leva o nome do Brigadeiro Nero Moura (1910-1994), nascido em Cachoeira do Sul-RS. Foi o primeiro comandante do 1º Grupo de Aviação de Caça, combateu nos céus da Itália e, após o seu falecimento, tornou-se o Patrono da Aviação de Caça Brasileira. Dentre tantas virtudes, sua imagem associa-se, indubitavelmente, ao exemplo de comandante de unidade aérea. Ao superar todas as dificuldades, Nero Moura se sobressaiu não apenas pela sua liderança, extraindo o melhor de cada um de seus comandados para o cumprimento das missões de guerra a ele atribuídas, mas também conseguiu mantê-los unidos, bem como os seus sucessores da Aviação de Caça, até o final de sua vida.

Estudo

Medalha-Prêmio Força Aérea Brasileira
Criada pelo Decreto nº 41.639, de 31 de maio de 1957, e regulamentada pela Portaria nº 270/GM3, de 15 de março de 1995. A “Medalha-Prêmio Força Aérea Brasileira” tem como objetivo premiar os militares e civis da Aeronáutica que tenham ou venham a se distinguir por estudos sobre temas técnico-profissionais; por criações técnicas, operacionais ou administrativas que tragam benefícios econômicos, operacionais ou sociais de relevância para o Comando da Aeronáutica. Medalha-Prêmio Santos-Dumont

Medalha-Prêmio Santos-Dumont
Instituída pelo Decreto nº 30.698, de 1º de abril de 1952, e incluída como condecoração pelo Decreto nº 60.693, de 8 de maio de 1967. Essa distinção é concedida ao Cadete-do-Ar que tenha obtido o primeiro lugar na classificação final, desde que tenha mantido essa posição em todos os anos do curso, com grau oito ou superior, em todos os assuntos ministrados.



Medalha-Prêmio Salgado Filho
Instituída pelo Decreto nº 30.698, de 1º de abril de 1952, e incluída como condecoração pelo Decreto nº 60.693, de 8 de maio de 1967. A condecoração é concedida aos Cadetes da Aeronáutica Intendentes e Infantes que obtenham o primeiro lugar na classificação final, desde que tenham mantido essa posição em todos os anos do curso, com grau oito ou superior, em todos os assuntos ministrados. A “Medalha-Prêmio Salgado Filho” tem este nome em homenagem a Joaquim Pedro Salgado Filho, primeiro Ministro da Aeronáutica. 

Medalha Eduardo Gomes
Criada pela Lei nº 7.243, de 6 de novembro de 1984, que também proclamou o Marechal-do-Ar Alberto Santos-Dumont Patrono da Aeronáutica Brasileira, e o Marechal-do-Ar Eduardo Gomes, Patrono da Força Aérea Brasileira. A “Medalha Eduardo Gomes” não foi regulamentada, mas é destinada a incentivar a aplicação nos estudos e na instituição, premiar e dar relevo ao mérito intelectual de Oficiais e Praças do Comando da Aeronáutica que venham a se distinguir nas atividades escolares. O nome da condecoração é uma homenagem a Eduardo Gomes, primeiro Comandante do Grupo Misto de Aviação, criado no Campo dos Afonsos, em maio de 1931. Desse grupo partiu, em 12 de junho de 1931, o avião que realizou a primeira linha do Correio Aéreo Militar, dando origem ao atual Correio Aéreo Nacional (CAN). Eduardo Gomes participou da organização e construção das Bases Aéreas que iriam desempenhar importante papel na Segunda Guerra Mundial. Após a guerra, lançou-se à luta pela redemocratização do País, tendo disputado duas vezes a Presidência da República. Ele ocupou duas vezes a Pasta da Aeronáutica: no Governo Café Filho (agosto de 1954 a novembro de 1955) e no Governo Castelo Branco (janeiro de 1965 a março de 1967).