Voar é um desejo que começa em criança!

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Tecnologia

No futuro, aviões sem janelas e com imagens externas em telas
Empresa britânica especializada em pesquisas de tecnologia, a Centre for Process Innovation (CPI) divulgou estudo por meio do qual aponta que, em dez anos (até 2024), a indústria de aviação estará apta a oferecer aos passageiros uma experiência única a bordo. De acordo com a pesquisa, a empresa estaria trabalhando no desenvolvimento de uma tecnologia que seria capaz de trocar as atuais janelas dos aviões por telas Oled (organic light-emitting diodes, a mesma das TVs high-end), que poderão mostrar imagens do exterior da aeronave e trazer informações de interesse do passageiro. Com a troca, os aviões tornar-se-iam mais leves e, consequentemente, consumiriam menos combustível e emitiriam menos CO2.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Aerodesign 2014

Universitários disputam o SAE Brasil Aerodesign em São José dos Campos-SP
O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), em São José dos Campos – SP, recebe cerca de 2000 estudantes de engenharia de diversas universidades brasileiras e do exterior, que participam da competição SAE Brasil Aerodesign 2014, que segue até domingo, 02 de novembro de 2014. O Aerodesign, que está em sua 16ª edição, é um evento anual entre instituições de ensino superior de engenharia, em que as equipes são desafiadas a criarem e executarem projetos de aeromodelos em três categorias: regular, advanced e micro. Além da concepção teórica, que também é avaliada, os estudantes precisam fazer os protótipos alçarem voo e cumprirem determinadas tarefas. Os ganhadores de cada categoria vão para os Estados Unidos representar o Brasil na etapa internacional. Da última edição para esta, o número de equipes mais que dobrou: de 105 para 226. O representante da Força Aérea Brasileira (FAB) na competição é o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), que compete com a equipe Leviatã. Para o Reitor, Dr. Carlos Américo Pacheco, a importância do Aerodesign está no fato de que a competição exige engenheiros plenos: “aqui os estudantes precisam conceber, projetar, implementar e operar”, afirma.

Fonte ACS do DCTA

Aeronaves

Empresas estudam usar balão para transporte na Amazônia
Os dirigíveis, que viveram sua era de ouro nos anos 1930 transportando passageiros, poderão voltar a ser vistos em breve no céu brasileiro. Essa é a expectativa de empresas que estudam usar aeronaves desse tipo para transportar cargas pela Amazônia. Dizem que os dirigíveis poderiam ajudar a driblar os problemas de infraestrutura que afetam a região, que carece de boas rodovias. Uma das empresas que apostam no modelo é a brasileira Airship, que recentemente fechou seu primeiro contrato. A empresa produzirá dirigíveis para a Eletronorte transportar torres de transmissão, equipamentos e funcionários até a floresta. Eles são movidos a gás hélio (que não é inflamável como o hidrogênio usado no passado). O dirigível da Airship, chamado de ADB-3, tem 130 metros de comprimento por 35 metros de diâmetro. Segundo a empresa, ele voa a uma altura de até 500 metros, atinge até 120 km/h, e tem capacidade de transporte de até 30 toneladas. Como comparação, o Boeing 747-8 é menor (76,4 metros de comprimento), mas tem capacidade maior de transporte de cargas (até 135 toneladas) e voa a até 913 km/h. O projeto de desenvolvimento e construção do dirigível conta com uma linha de financiamento do BNDES de R$ 102 milhões e é tocado em São Carlos (SP). A Airship planeja, futuramente, produzir dirigíveis que comportem cargas maiores (até 200 toneladas) e possam transportar grãos pelo país. Poderiam, ainda, ser usados pelo governo no monitoramento de fronteiras. Assim como no caso da Airship, o foco principal da também brasileira Munguba Soluções Ambientais (Musa) é o transporte de carga pela Amazônia. A empresa usará dirigíveis e balões desenvolvidos pela alemã CargoLifter. "Nossa proposta é fazer carga e descarga de produtos em barcos, que muitas vezes não conseguem chegar até os portos, especialmente na época da seca", afirma o diretor administrativo da Musa, Stefan Keppler. Segundo ele, os balões poderiam ser usados, também, para erguer estruturas pesadas. A empresa, porém, ainda não conseguiu tirar o projeto do papel por falta de financiamento e de um parceiro que aposte na tecnologia. No começo de 2014, a britânica Hybrid Air Vehicles (HAV) lançou o Airlander, criado também para ser usado no transporte de cargas (Blog do Ninja, de 11 de março de 2014).


Saiba mais: Blog do Ninja de 11/03/2014

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Aviação e Meio Ambiente

Diminui emissão de poluentes em relação ao movimento de aviões
Estudo elaborado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) conclui que a emissão de gases tóxicos e de material particulado cresceu em um ritmo menor em relação ao movimento de aeronaves e passageiros entre o período de 2005 a 2013. Enquanto o movimento de aviões subiu 75% nos nove anos, as emissões de monóxido de carbono (CO) subiram apenas 32%. As emissões de NOx, compostos nitrogenados que geram o ozônio – causador de doenças respiratórias em grandes cidades – subiram 60%, e as de material particulado (fuligem), 58%. O gerente técnico de Análise Ambiental da Anac, Alexandre Filizola, atribui o desempenho registrado pelos aeroportos nacionais a dois fatores: uma frota de aviões moderna, com motores mais eficientes e menor consumo de combustível; e a ampliação no número de pontes de embarque. Quanto mais tempo de embarque e desembarque, mais a aeronave emite poluentes. Isso se deve ao fato de um motor auxiliar do avião chamado APU (sigla em inglês para “unidade de potência auxiliar”) ficar ligado nessas duas fases do voo, mantendo o ar-condicionado e os demais sistemas de bordo. Com as pontes, o tempo dessa fase é reduzido. Divulgado neste mês, o inventário é uma ferramenta de gestão ambiental capaz de detalhar a evolução das emissões de poluentes atmosféricos e gases de efeito estufa do transporte aéreo ao longo dos últimos nove anos. A pesquisa se baseia em dados do Departamento de Controle do Trafego Aéreo (Decea) e calcula as emissões produzidas pelas aeronaves durante as fases de voo com altitude menor que 3.000 pés (1.000 metros), principalmente táxi, embarque e desembarque. Os dados servirão de base para estudos de monitoramento da qualidade do ar no entorno dos aeroportos, além de fomentar programas ambientais e de eficiência energética na aviação civil brasileira.

Guarulhos
O Aeroporto de Guarulhos (SP), que responde pelo maior volume de movimentação de passageiros no Brasil, é apontado pela pesquisa como o principal emissor de monóxido de carbono no período analisado. Por outro lado, apesar de Congonhas (SP) possuir a segunda maior movimentação, aeroportos como Presidente Juscelino Kubitschek (DF) e Galeão (RJ) emitiram mais monóxido de carbono nos últimos anos, o que é explicado pelo tempo médio de taxi nestes aeroportos. 

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Tecnologia

Lagoa Santa (MG) poderá ter centro de tecnologia aeroespacial
Um condomínio de conhecimento aeroespacial será construído em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O governo estadual publicou um procedimento de manifestação de interesse para a parceria público-privada da obra, administração do Centro de Tecnologia e Capacitação Aeroespacial (CTCA) pelos próximos 35 anos. A expectativa é que o projeto saia do papel no ano que vem, atraindo empresas do setor para o estado. O projeto integra o planejamento de diversificação da economia mineira – outros três centros nas áreas de biotecnologia, plataforma de tecnologia da informação e microeletrônica estão previstos – nas próximas duas décadas. O condomínio terá 108 lotes com tamanhos variáveis para abrigar empresas do ramo aeroespacial e um helicentro, que, juntos, totalizarão mais de 500 mil metros quadrados. O investimento total é de R$ 97 milhões. As empresas interessadas já se cadastraram e os estudos podem ser concluídos até 4 de fevereiro. Os lotes irão receber empresas de prototipagem, escolas, instituições de pesquisa e de treinamento e outros interessados em elaborar estudos voltados para a temática, segundo o subsecretário de Investimentos Estratégicos, Luiz Antônio Athayde. A Embraer é uma das que podem transferir seu escritório de Belo Horizonte para Lagoa Santa quando o centro estiver em pleno funcionamento. As conversas com a Embry-Riddle Aeronautical University, maior instituição de pesquisa aeronáutica do mundo, também estão em andamento. O helicentro terá um núcleo de manutenção de helicópteros, destinado principalmente às aeronaves do pré-sal, escola de pilotos e mecânicos e um centro logístico de peças. O projeto encabeçado pelo governo estadual prevê a formação de mão de obra qualificada e desenvolvimento de tecnologias a partir do novo polo de conhecimento. Paralelamente ao Centro de Tecnologia e Capacitação, está em construção a primeira escola técnica voltada para o setor no país, em Lagoa Santa. A inauguração será em janeiro. Serão ofertadas 400 vagas no ensino médio para técnicos em aviação. Ambos os projetos integram a chamada Aerotrópolis (cidade-aeroporto), que busca fazer do Aeroporto Internacional Tancredo Neves um propulsor da economia. O CTCA, por exemplo, está a seis minutos de lá. O projeto de Lagoa Santa é um dos eixos do projeto aeronáutico mineiro. Somam-se a ele o Centro de Asas Rotativas, em Itajubá, com foco para o trabalho da Helibrás; o Centro de Asas Fixas, em Tupaciguara, com o desenvolvimento da aeronave AX-2 Tupã (foto). No Triângulo, estão em elaboração estudos para o desenvolvimento de turbinas a gás. No terreno ao lado do CTCA está prevista a construção do centro de referência educacional internacional. Pelo projeto do governo estadual, lá deve funcionar como um conglomerado de universidades internacionais, segundo Athayde, permitindo assim troca de experiência e de conhecimento entre o Brasil e outros países.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Aeroportos

Sorocaba (SP) terá Torre de Controle
O Aeroporto Bertram Luiz Leopolz, localizado na cidade de Sorocaba (SP) , receberá uma Torre de Controle, para apoio às operações aéreas. A implantação proporcionará maior segurança de voo aos usuários do aeroporto que tem movimento médio anual de 76 mil pousos e decolagens. O início das obras está previsto para dezembro de 2014 e a conclusão para abril de 2016. O pacote de melhorias contempla a construção da Torre de Controle, subestação principal, anexos operacionais e vias de acesso. Além disso, serão implantados dois grupos geradores, dois conjuntos de transformadores, reguladores de corrente contínua e infraestrutura elétrica e de emergência. As obras serão executadas com 100% de recursos do Governo do Estado de São Paulo.

domingo, 26 de outubro de 2014

Especial de Domingo

Janela do Meu Escritório
Em comemoração à Semana da Asa 2014, o Centro de Comunicação Social da Força Aérea Brasileira promoveu o concurso de fotografias “Janela do Meu Escritório”.
O concurso visou captar imagens feitas por pilotos em diferentes partes do espaço aéreo.
Veja abaixo algumas das fotos selecionadas.
Bom domingo!


Confira todos os álbuns em:

Saiba mais: www.fab.mil.br

sábado, 25 de outubro de 2014

Proteção ao Voo

CPqD cria laboratório para testar sistemas de espaço aéreo
Um ambiente simulado de rede de telecomunicações destinado a dar suporte à evolução e modernização do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB). Esse é o objetivo do novo Laboratório de Qualificação de Sistemas para o Controle do Espaço Aéreo (LQCEA), inaugurado dia 21 de outubro de 2014, pelo CPqD – Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, em parceria com a Força Aérea Brasileira. Montado nas instalações do CPqD, em Campinas (SP), o LQCEA permitirá que novos equipamentos, tecnologias e sistemas sejam testados e validados antes de serem inseridos no SISCEAB. Para isso, foi construído um ambiente que permite simular, de forma mais próxima possível da realidade, as instalações que hoje têm papel fundamental no complexo sistema de controle de tráfego aéreo no país e que dependem de redes de telecomunicações para o tráfego de informações necessárias às suas atividades. É o caso dos centros de controle de área (ACC), de centros de controle de aproximação (APP) e das torres de controle, além de sítios de suporte que possuem sistemas de radar, de telefonia ou de rádio. “Esse novo laboratório, inédito no Brasil, é uma referência nacional e internacional para simulações desse tipo”, enfatiza Hélio Graciosa, presidente do CPqD. “A implantação dessa infraestrutura avançada é um passo importante dentro do projeto de evolução do sistema de comunicações do controle do espaço aéreo do país”, acrescenta. “Ao encarregar o CPqD da construção e operação desse laboratório, a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) tem a intenção de propiciar ao país o acesso ao conhecimento e domínio da tecnologia envolvidos, em benefício não só do projeto da Rede ATN como também de outros projetos de missão crítica de interesse do Ministério da Defesa”, afirma o Major Brigadeiro do Ar Carlos de Aquino, presidente da CISCEA.

Universo IP
Os serviços de controle do espaço aéreo - no Brasil e no mundo -, tradicionalmente, têm utilizado redes determinísticas (baseadas em circuitos dedicados). Com a expansão e a evolução das redes IP - especialmente no que diz respeito ao aumento da qualidade do serviço -, a EUROCAE (European Organization for Civil Aviaton Equipment) e outros órgãos de padronização internacional passaram a trabalhar na elaboração de normas voltadas à migração desses serviços para o universo IP. Para isso, é fundamental a realização de testes de equipamentos e sistemas em ambiente simulado de rede IP. “Esse é um dos principais objetivos do Laboratório de Qualificação de Sistemas para o Controle do Espaço Aéreo”, explica Everton Corrêa, gerente de Defesa e Segurança do CPqD. “Com a infraestrutura montada no laboratório, será possível fazer os testes e a validação de sistemas considerando o cenário de migração de tecnologias de comunicação determinísticas para a implementação de serviços sobre IP, dentro dos padrões internacionais definidos pela EUROCAE”, acrescenta. Além da rede IP, o novo laboratório também permitirá a simulação de ambientes de redes de telecomunicações determinísticas terrestres (E1) e de satélite. Com a integração das diversas tecnologias (rádio, telefonia e dados), o LQCEA oferecerá todos os cenários de redes de longa distância utilizadas no Brasil para o transporte de informações relacionadas ao controle do tráfego aéreo. A implantação desse laboratório é uma iniciativa conjunta do CPqD e da CISCEA, que conta com o apoio do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), do Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA) e de fornecedores de equipamentos Frequentis, SITTI, ParkAir e Audiosoft e de sistemas da Atech e Saipher.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Aeronaves

Ipanema movido a etanol completa 10 anos
O avião agrícola Ipanema movido a etanol (álcool hidratado) - EMB 202A - completa, em outubro de 2014, dez anos de certificação. O Ipanema foi o primeiro avião de série no mundo a sair de fábrica certificado para voar com este tipo de combustível – o mesmo utilizado em automóveis – e ainda é o único. A primeira entrega do avião a etanol aconteceria em março de 2005 – coincidentemente foi também o milésimo Ipanema a ser vendido. A partir de então, a Embraer começou a oferecer também kits de conversão para etanol aos proprietários de aviões movidos a gasolina de aviação (AvGas). Até 2014, foram 269 aeronaves vendidas e 205 kits de conversão, totalizando 474 aeronaves voando a etanol. A fonte alternativa de energia renovável, derivada da cana-de-açúcar, reduziu o impacto ambiental, os custos de operação e manutenção e, ainda, melhorou o desempenho geral da aeronave, tornando-a mais atrativa para o mercado. “Eficiente e com menor custo, o etanol foi uma alternativa que agradou aos clientes – muitos dos quais possuem eles mesmos lavouras de cana”, diz Fábio Bertoldi Carretto, Gerente Comercial da Embraer para o Ipanema. “Não por acaso, mais de 80% dos novos aviões são vendidos com essa configuração”. Hoje, cerca de 40% da frota do Ipanema em operação já é movida a etanol. A adoção do etanol baseou-se no fato do Brasil ser um grande produtor desse combustível, que já vinha sendo usado pelos automóveis nacionais há mais de 20 anos. Menos poluente, cada Ipanema a etanol deixa de emitir por ano cerca de 20 quilos de chumbo na atmosfera. Considerando a frota total de aviões nesses 10 anos, deixou-se de emitir 51 toneladas de chumbo. O modelo é também mais econômico: em média, o proprietário do avião a etanol gasta 25% a menos em combustível. Além disso, o combustível permite um incremento de 7% na potência, melhorando a performance da aeronave na decolagem, subida, velocidade e altitude máxima. Produzido de forma ininterrupta há mais de 40 anos, o Ipanema já superou a marca de 1.300 unidades entregues e é líder no mercado de aviação agrícola no Brasil, com cerca de 65% de participação. Em 2013, foram vendidas 70 unidades do Ipanema para clientes do Brasil e do Mercosul. O avião é utilizado principalmente na pulverização de fertilizantes e defensivos agrícolas, evitando perdas por amassamento na cultura e flexibilizando a operação. Ele também pode ser utilizado para espalhar sementes, no combate primário a incêndios, povoamento de rios e combate a vetores e larvas. As principais culturas que têm demandado o avião são: algodão, arroz, cana-de-açúcar, citrus, eucalipto, milho, soja e café.

Fonte: Embraer

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

23 de Outubro

Dia do Aviador e Dia da Força Aérea Brasileira
Hoje, 23 de outubro, é o dia do Aviador e Dia da Força Aérea Brasileira. A data refere-se ao marco histórico do primeiro voo, em 1906, de um aparelho mais pesado que o ar.

Obra do brasileiro Alberto Santos Dumont, o 14 Bis não dependeu de meios externos para decolar, fazendo uso tão somente do motor e das reações aerodinâmicas.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Datas Especiais

22 de outubro: Dia do Paraquedista
O dia 22 de outubro é dedicado aos paraquedistas. O motivo histórico da escolha dessa data é porque, nesse dia, em 1797, o paraquedista Andrews Jacques Garnerin saltou de um balão, em um paraquedas construído com base no modelo concebido por Leonardo Da Vinci. No Brasil, o paraquedismo iniciou-se com Charles Astor, em 1931, no Aeroclube de São Paulo. Atuou sozinho formando alunos pelo BRASIL e foi sem sombra de dúvida o maior incentivador do esporte em nosso País. Em 1941, no Campo dos Afonsos - RJ acontece o primeiro salto coletivo na América do Sul, realizado por 12 alunos de Charles Astor. De 1941 a 1943 funcionaram duas escolas de pára-quedismo no Rio Grande do Sul, uma no Aeroclube e outra na VARIG. Em 1944, o Capitão Roberto de Pessoa foi o primeiro militar brasileiro a realizar um curso de paraquedismo, tendo que fazê-lo no exterior. O Capitão De Pessoa foi "brevetado" nos EUA e em 1945 o Exército Brasileiro envia aos EUA mais 34 militares, que ao retornarem passam a integrar a recém criada Escola de Pára-quedistas do Exército Brasileiro, atual Centro de Instrução Pára-quedista General Penha Brasil, organização militar integrante da Brigada de Infantaria Pára-quedista, com sede no Rio de Janeiro, RJ. No meio civil apenas eram realizadas, esporadicamente, algumas demonstrações. Em 1958 é criada no Rio de Janeiro a equipe Ícaros Modernos que, em 1961, se tornaria um dos primeiros clubes brasileiros de paraquedismo. No final dos anos 50 o paraquedismo deixou de ser vinculado ao DAC (Departamento de Aeronáutica Civil) e então um grupo de jovens de São Paulo e do Rio de Janeiro resolveu reorganizá-lo e dar-lhe um cunho moderno. Com o inicio desse movimento agregaram-se muitos apoiadores que ajudaram na organização e na parte jurídica. Em 1962 foi fundada a Federação Brasileira de Pára-quedismo e que por meio de uma Assembléia Geral foi dissolvida em 30/03/1963 e criada a Comissão de Organização da UBP (União Brasileira de Pára-quedismo) com o intuito de definir objetivos da nova entidade, sua estrutura e sua filiação aos órgãos máximos do esporte nacional e internacional. Reconhecida pelo CND (Conselho Nacional de Desportos), a UBP realizou o primeiro campeonato brasileiro de paraquedismo em 1964, na cidade de Campina Grande - PB. A partir daí surgiram inúmeros clubes e equipes por todo o Brasil. Paralelamente também no meio militar o paraquedismo se desenvolvia como esporte tendo as competições com os civis contribuído muito para o seu crescimento. A União Brasileira de Pára-Quedismo atingiu os objetivos para os quais foi criada: estruturar o pára-quedismo como esporte dando condições para sua filiação ao Conselho Nacional de Desportes (CND) e a Federação Aeronáutica Internacional (FAI). Essas atividades desenvolvidas nos anos 1963 e 1964 culminaram com o envio da primeira delegação brasileira de pára-quedismo ao 7° Campeonato Mundial organizado pela FAI em 1964 na Alemanha Ocidental (RFA) e permitiram a perpetuação do pára-quedismo esportivo brasileiro superando definitivamente as barreiras oficiais e burocráticas até então existentes. Foram criadas as 3 primeiras federações (Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro) e, em 1975, a UBP transformou-se em CBPq (Confederação Brasileira de Pára-quedismo).

Foto: Núcleo Infantojuvenil de Aviação - NINJA.

Saiba mais: www.cbpq.org.br

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Embraer

Hoje, 21/10/2014, Embraer apresenta o cargueiro KC-390
A primeira apresentação pública oficial do KC-390, o maior avião já produzido no Brasil, será hoje,21 de outubro de 2014, às 11 horas, na unidade Embraer em Gavião Peixoto - SP. Ainda em 2014, conforme o projeto, deverá ser realizado o primeiro voo da aeronave. O cargueiro KC-390 substituirá os Hércules C-130 na FAB e terá como missões transporte de materiais e tropas e reabastecimento em voo de aeronaves de caça e de outro KC-390, se necessário. Oportunamente, será oferecida uma versão civil ao mercado. O EMBRAER KC-390 estabelece um novo padrão para aeronaves de transporte militar médias. O KC-390, um bimotor turbofan com excepcional produtividade operacional, tem o menor custo total do ciclo de vida e a maior disponibilidade em sua classe. Capaz de ser reabastecido em voo e também de ser rapidamente configurado como avião reabastecedor, o KC-390 usa aviônica no estado da arte, com HUD duplo, e sistema de missão abrangente, incluindo o cálculo preciso do ponto de lançamento de carga (CARP).

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Datas Especiais

20 de Outubro:
Dia do Controlador de Tráfego Aéreo
Comemora-se neste 20 de outubro o Dia Internacional do Controlador de Tráfego Aéreo. A formação e capacitação dos controladores de tráfego aéreo ocorrem por intermédio de duas organizações: a EEAR - Escola de Especialistas de Aeronáutica, sediada em Guaratinguetá, SP; e, o ICEA - Instituto de Controle do Espaço Aéreo, localizado em São José dos Campos - SP, conforme cita o livro Torres de Controle do Brasil. Os profissionais de tráfego aéreo - como operadores, instrutores, gestores e pesquisadores - podem ser civis ou militares e fazem parte de organizações como o Comando da Aeronáutica, Exército Brasileiro, Marinha do Brasil, Infraero – Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária e empresas privadas e públicas com concessão para prestação de serviço de tráfego aéreo. Entre outras habilidades desejáveis para o desempenho da função de controlador de tráfego aéreo estão: raciocínio rápido, controle emocional, raciocínio espacial, capacidade de rápida adaptação às mudanças operacionais, capacidade de atuar em grupo, capacidade física e orgânica para atuar em turnos durante o dia ou noite, domínio de informações geográficas, conhecimentos de navegação aérea, meteorologia e comunicações. Aos operadores - das dezenas de Torres de Controle do Brasil, dos vários Controle de Aproximação (APPs), dos cinco Centros de Controle de Área (ACCs Amazônico, Recife, Atlântico, Brasília e Curitiba), dos Centros de Coordenação de Busca e Salvamento (Salvaero), do CGNA e instrutores da EEAR e do ICEA, os cumprimentos dos alunos do NINJA.

Foto: Núcleo Infantojuvenil de Aviação - NINJA.

domingo, 19 de outubro de 2014

Especial de Domingo

Portões Abertos 2014 no DCTA, em São José dos Campos (SP)
O Ninja - Núcleo Infantojuvenil de Aviação - passou pelos Portões Abertos do DCTA, em São José dos Campos - SP, neste domingo, 19 de outubro de 2014, e conferiu a programação do evento alusivo à Semana da Asa que, apesar do forte calor, com temperatura de 40,2 graus centígrados, reuniu muita gente interessada em ver a exposição de aeronaves e sobrevoos - como o Super Tucano A 29 do IPEV (Instituto de Pequisa em Ensaios em Voo) - e lançamento da equipe de paraquedistas Falcões, da FAB. Entre as aeronaves era possível observar o Embraer 175, o Phenom 300 e um monomotor de treinamento básico lançado pela Novaer. As três forças singulares mostraram seus helicópteros: o Sea Hawk da Marinha do Brasil, versão naval do Black Hawk; o próprio Black Hawk da FAB e o Caracal EC725 do Exército Brasileiro. A maior parte da exposição era composta de aeronaves da FAB. Entre eles: C105 Amazonas - empregado para lançamento dos paraquedistas -, P33 Orion (de patrulha marítima); R99 (avião radar); o EC95 Bandeirante do GEIV (Grupo Especial de Inspeção em Voo); F5 Tiger (caça supersônico); T27 Tucano (de instrução na Academia da Força Aérea); dois A29 da Esquadrilha da Fumaça; o VC91, Brasília; e um exemplar do veterano Xavante AT26 do DCTA.


Fotos: Núcleo Infantojuvenil de Aviação - NINJA.

sábado, 18 de outubro de 2014

Portões Abertos 2014

Neste domingo, 19 de outubro: 
Eventos em São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro e Manaus
Unidades da Força Aérea Brasileira (FAB) realizam no domingo, 19 de outubro de 2014, o tradicional “Portões Abertos” em várias localidades do País. O público poderá ver de perto aeronaves da FAB em exposições estáticas além de várias outras atrações programadas para os eventos.

- Em São José dos Campos (SP), o evento será realizado no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) das 9h às 17h. O público poderá apreciar exposições de aviões e helicópteros, paraquedismo, passagens de aeronaves, aeromodelismo e diversas outras atrações culturais. O A-29 da Esquadrilha da Fumaça também estará presente. A entrada é gratuita, assim como o estacionamento. Haverá praça de alimentação no local do evento. O Portões Abertos 2014 faz parte da programação da Semana da Asa, que contará também com um concerto da Banda de Música do DCTA e uma formatura militar de entrega de medalhas. Todos os eventos são alusivos ao Dia do Aviador e da FAB, comemorado em 23 de outubro. O concerto sinfônico será no dia 21, terça-feira, às 20h, no Teatro Municipal de São José dos Campos (Rua Rubião Junior, 84, 3º piso do Shopping Centro). O concerto, que trará um repertório com temas de filmes, músicas regionais e peças sinfônicas, também é aberto à comunidade, com entrada franca. Na mesma data e local, mas no turno da manhã, às 10h, a Banda vai realizar um concerto didático para alunos da rede pública municipal. As escolas interessadas podem entrar em contato com a Secretaria Municipal de Educação de São José para solicitar participação.

- No Rio de Janeiro (RJ), o “Portões Abertos” será realizado no Museu Aeroespacial (MUSAL), no Campo dos Afonsos (RJ). O evento começa às 9h e terá como atrações aeronaves em exposição, helicópteros e aviões acrobáticos, além de paraquedismo. Um dos destaques é uma aeronave Hércules, recém-incorporada ao acervo do MUSAL. Também está prevista exposição da aeronave A-29 Super Tucano da Esquadrilha da Fumaça. A entrada é gratuita.

- Em Manaus (AM), o “Portões Abertos” ocorre na Base Aérea de Manaus (BAMN). Atrações musicais, demonstrações operacionais, paraquedismo e exposição de aeronaves, inclusive o A-29 Super Tucano da Esquadrilha da Fumaça está entre as atrações do evento, previsto entre 9h e 17h30. Entrada gratuita.

Fonte: FAB

Navegação Aérea

Hora UTC e Horário de Verão
O horário de verão de 2014/2015 começa dia 19 de outubro de 2014. Na virada deste sábado para domingo, à meia-noite, os relógios devem ser adiantados em uma hora nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País. A mudança, adotada anualmente para economizar energia no horário de maior consumo, vai até 22 de fevereiro de 2015. O horário de verão 2014/2015 será estendido em uma semana por causa do carnaval. Pelo decreto que instituiu o horário de verão, a medida deve ser iniciada sempre no terceiro domingo de outubro e encerrada no terceiro domingo de fevereiro do ano subsequente. No ano em que houver coincidência com o domingo de carnaval, o fim deve ser no domingo seguinte. O objetivo é evitar que, em meio a um feriado, alguns esqueçam de ajustar os relógios.

Na aviação: O horário UTC
Na aviação, as cartas de navegação, autorizações de voo e autorizações de tráfego aéreo utilizam o horário UTC para evitar confusões decorrentes dos diferentes fusos e horários de verão. Assim é possível assegurar que todos os pilotos, independentemente da localização, estejam usando a mesma referência horária. Especialmente na comunicação por rádio, o horário UTC é conhecido como horário Zulu. Isto porque, no alfabeto fonético internacional, Zulu refere-se à letra “Z” , que identifica o fuso que abrange a localidade de Greenwich, na Inglaterra. Independentemente do horário de verão, os relógios dos aeronavegantes, das Torres de Controle e outros órgãos de tráfego aéreo, em todo o planeta, permanecem empregando o horário UTC. Desta forma, a diferença entre o horário UTC e o horário do fuso relativo a Brasília que normalmente é de três horas, com o horário de verão, passa a ser de duas horas. O Tempo Universal Coordenado (em inglês: Coordinated Universal Time), ou UTC (sigla de Universal Time Coordinated), é o fuso horário de referência a partir do qual se calculam todas as outras zonas horárias do mundo. É o sucessor do Tempo Médio de Greenwich (Greenwich Mean Time - GMT). A denominação UTC foi proposta para eliminar a inclusão de uma localização específica num padrão internacional, assim como para basear a medida do tempo nos padrões atômicos, mais do que nos celestes. Ao contrário do GMT, o UTC não se define pelo sol ou as estrelas, mas é sim uma medida derivada do Tempo Atômico Internacional (TAI). Devido ao tempo de rotação da Terra oscilar em relação ao tempo atômico, o UTC sincroniza-se com o dia e a noite, ao que se soma ou subtrai segundos de salto (leap seconds) quanto necessário, por acordos internacionais. A entrada em circulação dos segundos de salto é determinada pelo Serviço Internacional de Sistemas de Referência e Rotação da Terra (IERS), com base nas suas medições da rotação da terra. No uso informal, quando frações de segundo não são importantes, o GMT pode ser considerado equivalente ao UTC. Em contextos mais técnicos é geralmente evitado o uso de "GMT".

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Aeronaves

Japão apresenta seu 1º jato de passageiros, desde a II Guerra Mundial
Com a ajuda dos especialistas do trem-bala, o Japão está finalmente pronto para mostrar ao mundo o primeiro jato de passageiros fabricado pelo país desde a Segunda Guerra (1939-45). O avião chega com quase quatro anos de atraso. A Mitsubishi Aircraft Corp. apresentará em Nagoya, no sábado, 18 de outubro de 2014, o Jato Regional Mitsubishi, seu avião de pequeno porte, após três adiamentos. À espera estão clientes como All Nippon Airways (ANA) e SkyWest. Depois da II Guerra, o Japão havia fabricado o Samurai YS-11, turboélice para 60 passageiros, entre 1962 e 1973. O Samurai também foi lançado pela Mitsubishi, em parceria com outras empresas. Também fabricou, em parceria com a Fuji Heavy , o caça Zero, que operou na II Grande Guerra. A Mitsubishi está construindo aviões de 78 ou 92 assentos, e planeja fazer o voo de estreia até o final de junho de 2015. O modelo de 92 lugares será lançado primeiro. O Japão e a China lideram a corrida asiática para tentar quebrar o domínio da Embraer e da Bombardier no mercado de aviões de passageiros de pequeno porte. O avião chinês também está atrasado. Com isso, o jato da Mitsubishi será como um teste para saber se um novo participante conseguirá entrar no restrito grupo de fabricantes de aviões. A Boeing e sua rival Airbus bloquearam o mercado para aviões de grande porte. "O lançamento é um passo positivo, especialmente útil para o marketing", disse Richard Aboulafia, vice-presidente da Teal Group, uma consultoria com sede em Fairfax, na Virgínia. "A carteira de pedidos do jato regional da Mitsubishi mostra um bom começo para uma nova fabricante." Porém, segundo ele, "a empresa precisa provar que pode ser competitiva mesmo contra a líder do mercado".

Mercado
A Mitsubishi Aircraft quer abocanhar metade do mercado mundial de aviões de menor porte nos próximos 20 anos. A Bombardier foca em seus novos jatos CSeries, com capacidade para transportar até 160 passageiros. O projeto da Bombardier também está atrasado. A frota mundial de jatos que comportam entre 70 e 130 passageiros deve passar de 3.850, no ano passado, para cerca de 6.580, até 2033, segundo estimativas da Embraer. A empresa brasileira também está atualizando seus jatos com novos motores para tirar proveito desse aumento na procura. A China e a Rússia também estão na disputa por encomendas de aviões menores. A China deve entregar seus primeiros aviões ARJ21-700 para a Chengdu Airlines até o final deste ano, se conseguir as certificações necessárias, informou o jornal "China Daily" em dezembro. O Sukhoi SuperJet 100, da Rússia, construído em parceria pela Sukhoi, com sede em Moscou, e a unidade da italiana Finmeccanica, começou a voar comercialmente com a OAO Aeroflot em 2011.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Aerodinâmica

Águias articulam asas para evitar turbulência
Mestras do voo em altitude, as águias contraem as asas quando encontram turbulência para evitar danificar os músculos, sugerem cientistas. Zoólogos da Universidade de Oxford, no Reino Unido, fixaram um minúsculo gravador de voo, tipo "caixa-preta", em uma águia-das-estepes ("Aquila nipalensis") em cativeiro, uma ave de rapina com 1,9 metro de envergadura. Colocado em uma mochila, o dispositivo de 75 gramas monitorou a aceleração, a velocidade e a posição da águia, à medida que sobrevoava uma área remota de Gales, enquanto a equipe de cientistas filmou a ave do solo. Dados de 45 voos demonstraram que, quando a ave foi jogada para cima por uma forte rajada de vento, ela respondeu abaixando suas asas abaixo do corpo por um breve período, um movimento chamado contração das asas. A manobra fez a águia mergulhar de cabeça, o que, por sua vez, reduziu a carga aerodinâmica sobre suas asas. A "contração das asas" durou por apenas um terço de um segundo, mas foi usada até três vezes por minuto em condições de maior vento. "O voo de altitude pode parecer fácil, mas não é um passeio", disse o professor de Zoologia Graham Taylor. "Voar em altitude pode capacitar uma ave a viajar por longas distâncias, mas também causa enorme tensão em seus músculos de voo. A natureza das massas de ar ascendentes, como as térmicas, é gerar muita turbulência e ir de encontro delas sacode as asas das aves e poderia derrubá-las", explicou. Contrair as asas, portanto, age como a suspensão de um carro: um amortecedor para evitar que a ave fira suas asas, quando expostas a rajadas fortes. As águias integram uma categoria de aves que incluem os urubus. Como os experimentos foram feitos apenas com uma ave até agora, ainda não está claro se outras espécies também contraem as asas. O truque pode ser de interesse dos projetistas de aviões, afirmou Taylor. Embora seja improvável que jatos ou aviões contraiam as asas, a descoberta pode ser útil para ultraleves, vulneráveis a turbulências.


Winglet: superfície evita arrasto induzido na ponta da asa
Enquanto isto, os humanos que já voaram com triplanos (aviões com três superfícies de asas), voam com biplanos e monoplanos empregam novas configurações de asas, incluindo o dispositivo ¨Winglet¨. O winglet é um componente aerodinâmico posicionado na extremidade livre da asa de uma aeronave, que tem por função diminuir o arrasto induzido, relacionado ao vórtice de ponta de asa. Em geral, tem a forma de uma aba vertical ou inclinada. A ponta da asa normalmente forma um vórtice, que transfere para a aeronave barulhos e trepidações, além da perda de sustentação na parte final da asa. Com o dispositivo winglet, esse problema é amenizado. Também melhora a sustentação, a velocidade e a economia de combustível.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

56º WMAPC

AFA sedia Mundial de Pentatlo Aeronáutico
A Academia da Força Aérea (AFA) sedia, de 19 a 28 de outubro de 2014, o 56º Campeonato Mundial de Pentatlo Aeronáutico Militar. A competição reunirá, em Pirassununga no interior de São Paulo, cerca de 150 atletas de sete países além da equipe brasileira. Os participantes vão disputar provas em seis modalidades desportivas e um rali aéreo. Criado para desenvolver as múltiplas capacidades exigidas dos militares em suas atividades, o pentatlo aeronáutico faz parte do calendário do Conselho Internacional do Desporto Militar (CISM) e une as Forças Armadas do mundo, por meio do esporte. No total, serão cinco dias de competição entre as equipes do Brasil, Espanha, Finlândia, Lituânia, Coreia do Sul, Equador, Noruega e Suécia. Um atleta de cada equipe fará a prova aérea, onde atuará como navegador. Depois, os atletas disputarão provas de tiro, orientação, natação, esgrima, basquete e pista de obstáculos. Equipe do Brasil - Formada por militares da Força Aérea Brasileira (FAB), a equipe de Pentatlo Aeronáutico Militar do Brasil competirá nas categorias masculino e feminino. Desde dezembro de 2013, após a seleção dos atletas, os militares se preparam para a competição. Foram seis convocações durante o período, além de participações em campeonatos nacionais e internacionais para treinar e melhorar o desempenho dos competidores. “A equipe está muito dedicada, as expectativas são muito boas para o mundial”, afirma o Coronel Marcelo Costa das Neves, Chefe da Equipe Brasileira, que já está concentrada na AFA cumprindo uma rotina diária de treinos. Dentre os atletas brasileiros, está o Major-Aviador Eduardo Utzig Silva, que no último Campeonato Aberto Nórdico de Pentatlo Aeronáutico, conquistou premiação no individual geral, além de ter ficado em 1° lugar na prova de tiro e de esgrima. Já a Tenente Intendente Mellina dos Santos Barbosa Cabral Silva, garantiu a primeira colocação da prova de Basquete.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Espaço

AEB negocia lançamento do 2° nanossatélite nacional
A Agência Espacial Brasileira (AEB) negocia com uma companhia norte-americana o lançamento do segundo nanossatélite brasileiro. A ideia é que o Itasat-1 seja lançado no segundo semestre de 2015 a bordo do foguete Falcon-9 da empresa SpaceX. Após ser readequado sob coordenação da AEB, o Itasat-1 teve agregado experimentos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI), do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), das universidades do Vale dos Sinos (Unisinos), Federal do Rio Grande do Nortre (UFRN) e do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE). Entre os novos experimentos estão um GPS Orion e uma placa microcontrolada com sensores de radiação ionizante, que terá seus dados processados em conjunto com o laboratório de estudos do clima espacial (Embrace) no INPE. A conclusão da integração do modelo de engenharia e realização de testes funcionais está prevista para até o fim de dezembro de 2014. A integração do modelo de voo, com testes de aceitação funcionais e de requisitos de lançamento a cargo do Laboratório de Integração e Testes (LIT), no INPE, serão realizados entre janeiro e abril de 2015. O ITASAT-1 é um satélite experimental científico com cinco funções principais (cargas úteis) e vida útil de um ano. Nesse período, o equipamento deverá testar em órbita: o transponder de coleta de dados (DCS) desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) em parceria com o Centro Regional do Nordeste (CRN); o GPS Orion, desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em parceria com o IAE; a placa de sensores para medidas de caracterização do campo magnético terrestre, desenvolvida pela Universidade de Santa Maria (RS); o funcionamento de uma câmera fotográfica para satélites de pequeno porte, utilizada em missões estratégicas; e um experimento de comunicação e transferência de dados com a comunidade de radioamador.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Aeroportos

Voos regulares diários em Congonhas aumentam de 494 para 536
As companhias aéreas Azul e Avianca receberam novos horários de pousos e decolagens no aeroporto de Congonhas, na cidade de São Paulo, em uma primeira distribuição dos chamados slots realizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Os novos horários no mais movimentado aeroporto do país são em dias úteis e a utilização ocorrerá entre 27 de outubro a 29 de março. A Azul, que até agora não tinha horários de segunda a sexta em Congonhas, passou a ter 26 deles e uma participação de 5% no total de espaços no aeroporto nos dias úteis. A Avianca, que tinha 24 horários, elevou o número para 40, equivalente a uma participação de 7%. A distribuição foi feita entre companhias aéreas com participação de até 12% nos horários de pousos e decolagens do aeroporto. Com isso, as empresas TAM e Gol mantiveram o número de horários em 236 e 234, respectivamente, o que corresponde a uma participação de 44% cada uma. Segundo a agência, os novos horários são resultado de "rearranjo de capacidade" no aeroporto, além da redistribuição de dois horários que estavam com empresas que deixaram de operar no aeroporto. Apesar do aumento no número de horários em dias de semana de 494 para 536, a Anac afirma que o aeroporto de Congonhas "permanece operando dentro das regras de segurança da aviação civil".

domingo, 12 de outubro de 2014

Especial de Domingo

Publicação do site do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica - INCAER - destaca atividade com crianças, idealizada pela professora Cíntia Ariadne, do Colégio Newton Braga, batizada de Clube Aviadoras e Aviadores do Amanhã. O Núcleo Infantojuvenil de Aviação - NINJA -  apoia e estimula a ideia e comemora a iniciativa com a garotada, neste 12 de outubro.
Feliz Dia das Crianças!
Bom domingo!

Crianças expõem trabalhos sobre aviação no INCAER
Durante mais de dois anos, 20 alunos do ensino fundamental e médio do Colégio Newton Braga desenvolveram um projeto de extensão chamado “Clube Aviadoras e Aviadores do Amanhã”, no qual realizaram pesquisa aplicada e produção artística sobre a aeronáutica brasileira e a aviação militar. Este projeto teve como resultado diversos textos, fotografias, desenhos, esculturas e pinturas, produzidos pelos próprios alunos, que os expuseram, pela primeira vez, no Salão Nobre do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER), em setembro. A exposição contou com cerca de 100 peças que remontaram a arte da aviação em diferentes aspectos, como história da Força Aérea Brasileira, biografia de grandes personalidades, mecânica de aeronaves, inventos, feitos e possibilidades profissionais. Telas, esculturas em origami, instalações interativas e painéis fotográficos foram alguns dos destaques da exposição. A ideia e concepção do Clube foi da professora Cíntia Ariadne, que buscou realizar com as crianças de 7 a 11 anos um trabalho de alfabetização e letramento por meio da construção poética e científica da criança, “valorizando seu protagonismo, seus saberes, conhecimentos, experiências e sentimentos, extravasados por sonhos e concepções estéticas sobre a aviação”, explicou a professora.


sábado, 11 de outubro de 2014

TAM

Carrinhos de bagagem em formato de aviões
A companhia aérea TAM criou carrinhos de bagagem em formato de aviões históricos, como o 14-Bis (de Santos Dumont). Os carrinhos estão disponíveis no terminal 2 do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, até 12 de outubro de 2014, Dia das Crianças. O projeto "Bagagem Histórica" foi elaborado pela agência Wunderman, que transformou os carrinhos em réplicas de alguns dos aviões mais famosos em exibição no Museu TAM, que fica em São Carlos, interior do Estado. Os aviões transformados em carrinhos foram o 14-Bis (criado pelo brasileiro Alberto Santos Dumont, o "Pai da Aviação"), o Supermarine Spitfire MK9 (caça britânico, um dos mais famosos da Segunda Guerra Mundial), o Gloster Meteor F8 (primeiro avião britânico equipado com assento ejetável e principal modelo usado pela Força Aérea Brasileira até 1970) e o American Flea Ship (tinha um design diferente, com asa tripla, e foi primeira aeronave projetada por uma mulher). Há apenas um carrinho de cada modelo disponível para os passageiros. Cada um tem um fone de ouvido e uma gravação sobre a história da aviação e do avião replicado. Eles estão em um estande especial próximo à área de check in da TAM no terminal 2 do Aeroporto de Guarulhos.

Fonte: TAM

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Aventura Aérea

Vovó comemora 100 anos com acrobacia em planador
Para Nora Brier, a terceira idade tem sido uma curva de emoções. Aventureira, a senhora de Suffolk (leste da Inglaterra), decidiu comemorar seu aniversário de 100 anos em grande estilo: dando uma "voltinha" em um planador com direito a "acrobacias" durante o voo. Casada duas vezes e mãe de duas filhas, Nora sempre gostou de aventuras e, nos últimos tempos, fez passeios arriscados para uma senhora da sua idade – ela andou recentemente de balão, de ultraleve, helicóptero e, agora, de planador. Sem esboçar medo algum, a centenária aguentou firme a emoção de ver o mundo girar na acrobacia do planador e voltou querendo mais – o próximo passo, cumprido no dia seguinte, foi uma volta de carro em alta velocidade em um circuito de corrida. E enquanto a vida seguir adiante, ela promete que não vai parar.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Museus

Polônia resgata avião da Segunda Grande Guerra do fundo do mar
Um avião da Segunda Guerra Mundial foi apresentado à imprensa em Gdansk, na Polônia. O avião foi recuperado do fundo do mar Báltico quase 70 anos depois que ele caiu perto de Gdynia, norte do país. O avião será enviado para o Museu da Aviação em Cracóvia, onde será conservado.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Meteorologia

Um tornado ocorreu, pela primeira vez, em Brasília
O fenômeno meteorológico “tornado” ocorreu, pela primeira vez, no Distrito Federal, próximo ao Aeroporto Internacional de Brasília, durante a forte chuva do dia 30 de setembro de 2014. A classificação do evento como tornado foi confirmada pelo Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). O tornado causou estragos no terminal de passageiros e fechou a pista para pousos e decolagens. O fenômeno foi considerado de pequena proporção e aparentemente não ofereceu risco por ter acontecido em uma área descampada. O tornado registrado na capital é semelhante aos de grandes proporções que causam prejuízos nos Estados Unidos e na Ásia. No entanto, há várias categorias e o de Brasília é um dos mais leves, de categoria 0 ou 1. A escala vai até 5.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Corrida de Orientação na EEAR

Campeonato Paulista de Corrida de Orientação
A Escola de Especialistas de Aeronáutica - EEAR - sediará neste sábado e domingo, dias 11 e 12 de outubro, a 5ª etapa do XIX Campeonato Paulista de Corrida de Orientação. A corrida de orientação é um esporte originário do norte da Europa e consta de uma corrida onde o atleta recebe um mapa de um local desconhecido no qual estão marcados entre 12 a 30 pontos de passagem obrigatórios , chamados de pontos de controle. Vence aquele que completar seu percurso, passando por todos os pontos de controle na ordem crescente, no menor tempo. O atleta dispõe apenas de uma bússola como auxílio e corre sozinho. A partida é individual e há um tempo de 3 a 5 minutos entre competidores da mesma categoria. Como a corrida desenvolve-se em matas, plantações e descampados é obrigatório o uso de calças compridas e camisetas de manga para proteção contra espinhos ou insetos. Entre cada ponto de controle o atleta deve escolher uma rota, pode ser subindo ou contornando um morro, entrando ou desviando de um bosque, cruzando ou não um charco. Essa variedade de opções de rotas exige raciocínio rápido e competitividade, pois o seu oponente está seguindo seus passos ou está avante e você é o perseguidor. É um esporte multidisciplinar, pois exige treino de matemática nas medidas de escala do mapa e ângulos da bússola, conhecimentos de geomorfologia como talvegues, ravinas, valas, cursos d’água e vegetação, desenvolve a visão tridimensional, trabalho em equipe e ainda aspectos de respeito à natureza e ecologia. As legendas dos mapas são internacionais permitindo que pessoas de qualquer nacionalidade possam concorrer mesmo que não falem o idioma nativo. Um atleta japonês, por exemplo, pode disputar na Rússia em condições de igualdade com oponentes de qualquer país do mundo. Ao invés de correr tendo como meta a linha de chegada essa corrida é dividida em trechos de 300 a 500 m entre cada ponto de controle em terreno com paisagem bastante variada sendo, portanto, muito mais motivante. Diferente do que se possa imaginar não é um esporte exclusivo para militares ou combatentes, é dividido em categoria feminino e masculino, separados por idade a partir dos 10 anos e, dentre estas categorias, ainda há uma divisão de níveis de experiência desde novato até elite. Cerca de 80% desenvolve-se na área rural, porém há diversas modalidades: urbana, noturna, mountain bike, esqui, cavalo e de precisão que contempla atletas com dificuldades de locomoção.
O Clube de Orientação da Escola de Especialistas de Aeronáutica – COESPA – já com quase dez anos de existência, tem angariado respeito e fama, tendo sido campeão geral paulista de clubes em 2012 e campeão feminino de clubes em 2013. Teve atleta classificado em primeiro lugar na categoria elite masculino em 2013 e, em março de 2014, no Troféu Sudeste, realizado na cidade de Itaguaí – RJ, dos 15 atletas que participaram da competição 14 trouxeram troféus ou medalhas de premiação. O COESPA está presente com bom desempenho nos campeonatos Paulista, Mineiro e Carioca e, quando possível, tem participação em campeonatos brasileiros. Ainda em novembro deste ano terá três atletas participando do World Masters Orienteering Championships – Campeonato Mundial de Masters de Orientação. Esta será a terceira vez que a Escola de Especialistas de Aeronáutica sedia etapas do campeonato paulista, com a organização dos orientadores e alunos do COESPA. No dia 12, domingo, dia da Padroeira do Brasil, será a etapa de encerramento do campeonato deste ano e ocorrerá no Clube dos Cabos, Soldados e Taifeiros – CASOTA – na Estrada da Pedrinha. As inscrições para as competições dos dias 11 e 12 estão encerradas, porém se quiser conhecer mais sobre o esporte acesse os sites www.fosp.com.br ou www.cbo.org.br .

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

domingo, 5 de outubro de 2014

Especial de Domingo

No blog do Núcleo Infantojuvenil de Aviação - NINJA - gostamos de publicar conteúdo do Pery de Serra Negra.
Pery - Hypérides Lamartine - faleceu em 17 de maio de 2014, aos 88 anos.
Suas histórias, suas lembranças, porém, ficam perpetuadas por suas palavras, seus pensamentos e seus exemplos. Lições singelas para as novas gerações. Hoje, reproduzimos publicação de seu blog por ocasião da merecida homenagem que recebeu em 2010.
Boa leitura.
Bom domingo!

Aeródromo Dr. Severino Lopes
O “Aeródromo Dr. Severino Lopes”, localizado na área da “Lagoa do Bonfim”, um projeto de Marcos Lopes, tem sido um sucesso para a aviação executiva em Natal, tornando-se um ponto de encontro daqueles que têm algo em comum, a paixão de estar nas alturas. São vários empresários e profissionais liberais que mantêm lá as suas aeronaves “hangariadas”. Para atender à demanda um grupo de aviadores construiu um terceiro hangar. Para “batizá-lo”, foi feita uma votação com nomes de antigos pilotos natalenses e, que tive a agradável surpresa e honra, de ter o meu nome escolhido para tal propósito. No dia 12 de setembro, domingo, numa homenagem póstuma aos 86 anos do patrono Dr. Severino Lopes, houve a inauguração do Hangar Pery Lamartine e da faixa de lançamento da Escola de Aviação, que levou o nome do meu avô Juvenal Lamartine de Faria, por ele ter sido um dos fundadores do Aeroclube do Rio Grande do Norte. Foi uma festa muito bonita, emocionante, prestigiada com a presença de aviadores,amigos, parentes, curiosos e todos que são apaixonados pela aviação. Gostaria de deixar aqui registrado o meu discurso de agradecimento e algumas fotografias que marcaram o evento.

"Hypérides Lamartine,conhecido carinhosamente por Pery lamartine,nascido em 2 de maio de 1926,é escritor e membro da Academia Norte Rio-Grandense de Letras(Cadeira 33). Seridoense de nascimento,formou-se na Escola de Pilotos do Aeroclube do Rio Grande do Norte na turma de 1943,quando nasceu o amor pela narração do que via ao redor, pelo desejo de registrar o início da aviação em seu Estado. "Acompanhei o crescimento da Aeronáutica no Brasil"
Entre as obras publicadas como escritor estão: "Assentamentos da Família Lamartine","O Aeroplano","Timbaúba-Uma fazenda do Sec.XIX","Velhas Oiticicas","Epopeia nos Ares","Escape-estória de aviador","Serra Negra-Anos 30","Joinville-uma visão do passado","Personagens Serranegrenses","Aeroplano,Vaqueiros , Velhas Oiticicas". "O que aprendi bem,também ensinei"
São José de Mipibu,12 de setembro de 2010 

Placa de identificação do Hangar "Pery Lamartine"(texto reproduzido acima)

Faixa de lançamento da Escola de Aviação "Juvenal Lamartine de Faria"

Casal Pery Lamartine acompanhado de alguns aviadores e amigos

Pery com sua família e o Cmte.Roberto Duarte

Os Comandantes Pery e Graco Magalhães

Cmte. Pery Lamartine no discurso de agradecimento, reproduzido abaixo.

"Autoridades presentes, meus prezados colegas aviadores e caros amigos.
Este é para mim um momento de grande felicidade, cheio de recordações.
A mente recuou no tempo e me levou a um passado tão distante que assusta e, que hoje gostaria de compartilhar com todos aqui presentes.
19 de março de 1930 (dia de São José) em Serra Negra (minha cidade) – Estava eu no meio de uma multidão à margem de uma pista de barro, empoeirada, calorenta, para assistir à chegada de um biplano do Aeroclube pilotado por Djalma Petit, que transportava o Governador do Estado Dr. Juvenal Lamartine, para a inauguração do campo de pouso da cidade naquele sertão seridoense.
Na época, eu ainda muito criança, foi um acontecimento que ao mesmo tempo em que me confundia, me assustava com o que acabara de ver, porém, me instigava a ir até lá perto para satisfazer a curiosidade de apalpar aquela engenhosa máquina voadora.
1942 - em Lavras/Minas Gerais – uma manhã de domingo, os alunos internos do “Instituto Gammon” foram liberados para passear na cidade e, enquanto eu caminhava pela via pública, notei um pequeno avião de cor amarela sobrevoando a cidade a baixa altura.
Aquela cena me chamou logo a atenção, deixando-me por vários dias, uma sensação de entusiasmo e uma secreta atração pela aquela máquina alada.
Soube mais tarde tratar-se de um “teco-teco”, como chamavam aqueles pequenos aviões de treinamento.
Era do Aeroclube de uma cidade vizinha que, para minha frustração, não pousou em Lavras.
Março de 1943 em Natal - o Diretor da Escola de Pilotagem do Aeroclube, Sr. Osório Dantas, convidou-me a fazer o curso de piloto privado, que na época era totalmente financiado pelo governo aos candidatos acima de 17 anos e abaixo de 25.
Eu estava dentro do permitido pelo regulamento.
O convite me pegou de surpresa; apesar de me empolgar com a aviação, nunca tinha imaginado um dia me tornar aviador. Achava aquilo distante e inacessível.
Mas quando a oportunidade surgiu, aceitei o desafio e alguns dias depois já comparecia ao HANGAR TENENTE FRANÇA, na Base Aérea de Parnamirim, para iniciar o treinamento.
Aquele dia foi o meu começo na nobre arte de voar.
A partir daí a minha presença no hangar era constante.
Recebi a Licença de Piloto-Privado, depois a de Instrutor, no Aeroclube de Pernambuco, continuando cheguei a co-piloto de Catalina (PBY), numa pequena empresa aérea fundada aqui mesmo em Natal.
Como instrutor, dei aulas no Aeroclube do RGN, e no começo de 1947 aceitei o cargo de instrutor do Aero Clube de Joinville onde preparei uma turma de aviadores.
Na renovação do exame de saúde, obrigação que todo piloto tem que cumprir periodicamente, de surpresa a medicina da aeronáutica me “puxou o tapete”, expurgando-me da atividade de piloto e deixando-me definitivamente no chão.
Dá para imaginar o que se passou na cabeça de um jovem cheio de planos para a carreira que escolheu e, que praticava com bastante competência e fascínio?
Por incrível que pareça, não guardo mágoas desse fato.
Os momentos agradáveis que a aviação, na época, me proporcionou compensaram o prejuízo que tive.
Mas chega de divagações...
Durante o curso de “piloto privado” o aluno faz muito mais horas de HANGAR do que de voo; ali se programam às aulas, demonstram-se com as mãos as reações do avião, recebem-se as críticas do instrutor após os voos, aprendem-se a anatomia dos aviões etc. etc.
Além de tudo, o curso de pilotagem propicia bons “papos” informais entre instrutores, alunos e mecânicos, que complementam a formação de bons profissionais.
São momentos alegres, divertidos, onde cada um conta as suas bravatas; surgem os mais entusiasmados que terminam sendo vítimas de gozação dos colegas.
Entre os alunos sempre aparece um meio desajeitado em voo, quando vem para o pouso, a “turma” no hangar pára tudo pra acompanhar: o avião descendo em baixa velocidade, perdendo altura, afundando, como se diz, colide com o chão, volta para o ar, recebe uma rajada de motor para corrigir, colide mais uma vez e é um “Deus nos acuda” até parar.
Logo é recebido com um côro animado para provocar: um, dois, três... Pousos!
O aluno deixa o avião, aproxima-se do grupo meio encabulado, tentando se explicar, mas logo se distrai com os comentários bem humorados sobre sua "performance" de pouso.
Esse gesto brincalhão dos amigos, com certeza, vai ser um incentivo para melhorar o seu desempenho nos próximos voos. (No meu tempo de instrutor, aqui mesmo em Natal, encontrei até pilotos brevetados que nunca aprenderam a pousar com categoria. São aqueles que depois de algum tempo abandonam a atividade esportiva - para sempre!...).
Para a aviação e especialmente para os Aeroclubes, essa espécie de garagem, além de acolher os aviões, congrega os candidatos numa divertida família aviatória.
Hoje estamos nós aqui reunidos, na porta de um amplo HANGAR, inaugurando a sua entrada em serviço, que com muita honra para mim, está sendo batizado com o meu nome.
Estático, diante desse galpão indispensável à aviação, emocionado pela gentileza de vocês e cheio de lembranças de um passado que tive a satisfação de viver nos meus 84 anos de existência; o que mais me agrada é ver que tenho inúmeros seguidores dominando as mais novas tecnologias que não havia na aviação do meu tempo.
Volto a dizer que fico profundamente sensibilizado e agradecido pela deferência e especialmente por estar ao lado do meu guru Graco Magalhães Alves, com quem tive o privilégio de voar juntos em certas oportunidades, no seu Luscombe, uma bela avioneta.
Tenho certeza que esse HANGAR irá cumprir o seu objetivo, acolhendo aviões e esses jovens cheios de esperança; esse é o meu desejo.
Aos meus amigos Marcos Lopes e Rochinha, e a vocês, dirijo os meus mais emocionados agradecimentos por tudo que está acontecendo aqui e agora".
Natal,12 de setembro de 2010