Voar é um desejo que começa em criança!

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Paraquedismo

Equipe da FAB representará o Brasil nos Jogos Mundiais da Coreia
A experiência dos integrantes deve ser o diferencial da equipe masculina de paraquedismo na 6ª edição dos Jogos Mundiais Militares (JMM), na Coreia do Sul. A competição ocorre entre os dias 2 e 11 de outubro de 2015 e deve reunir mais de sete mil atletas de 110 países. “O know-how dos atletas adquirido nas participações em outras competições deve nos ajudar bastante e contar a nosso favor”, prevê o Major Diego Gabriel da Silva, paraquedista do time brasileiro. O Brasil participa dos Jogos Mundiais com uma equipe feminina, composta por militares do Exército Brasileiro; e uma masculina, formada por dois militares do Exército e quatro da Força Aérea Brasileira (FAB). Os atletas embarcam para a Coréia no dia 27 de setembro e devem permanecer na sede de Yeongcheon (350 km ao sudeste da capital Seul), onde disputam as modalidades de precisão de aterragem, estilo e formação de queda livre. “Acredito que os nossos principais adversários devem ser República Tcheca, Alemanha e França, pois são países com tradição no esporte”, complementa o Major Gabriel. 

Câmera em voo
O Sargento da FAB, Roberto Souza de Carvalho, terá uma tarefa a mais nos Jogos Mundiais. Ele é o cinegrafista da equipe na modalidade de Formação em Queda Livre (FQL). A sua incumbência será gravar a performance dos outros paraquedistas da equipe durante as evoluções a mais de 4 mil metros de altura. A responsabilidade é grande, pois nenhum detalhe pode ser perdido. As imagens das manobras são fundamentais para a avaliação dos juízes. “Preciso fazer a captação desde a saída dos atletas do avião até a separação. Tudo isso ocorre em cerca de 35 segundos a 200 quilômetros por hora. É um grande trabalho de equipe”, explica o militar.

Modalidades

Precisão de aterragem - É praticada com o velame aberto e o objetivo é atingir a "mosca", com 2,5 centímetros de raio, no centro de um alvo determinado.

Estilo - O paraquedista abandona a aeronave a sete mil pés de altura (cerca de 2,3 mil metros) e inicia uma sequência de manobras com quatro curvas de 360º para ambos os lados e dois loopings. Conhecida como "série de estilo", esta sequência de manobras é registrada por uma câmera de solo possibilitando o julgamento do atleta. Ganha quem alcançar a menor média de tempo para fazer as sequências completas.

Formação em Queda Livre (FQL) – A modalidade é dividida em diferentes categorias: 2-way, 4-way, 8-way e 16-way (onde o número representa a quantidade de pessoas que participam do salto). Os times são formados pelos paraquedistas que fazem as formações, além de um Camera Flyer que registra o salto. O objetivo do salto é fazer o maior número possível de formações, escolhidas aleatoriamente entre uma relação de figuras (pool), onde cada formação executada por completo vale um ponto. A contagem dos pontos é feita a partir da saída do avião.

Fonte: FAB