Voar é um desejo que começa em criança!

domingo, 31 de janeiro de 2016

Especial de Domingo

Reproduzimos conteúdo da Força Aérea Brasileira com belos exemplos de perseverança e dedicação, valendo como importante estímulo também aos nossos Ninjas.
Boa leitura.
Bom domingo!

Irmãos venderam amendoim para realizar o sonho de ingressar na FAB
O acaso tornou-se aliado de Lucas José Rocha da Silva.

A infância simples ao lado dos três irmãos e dos primos no bairro Jardim Brasil, zona norte de São Paulo (SP), foi de muita alegria e brincadeiras.

Até que a conclusão do Ensino Fundamental em escolas públicas trouxe o desafio: era hora de buscar novos caminhos.

E ele nem imaginava que hoje seria oficial da Força Aérea Brasileira (FAB).

Leandro, o irmão mais próximo de Lucas, ficou sabendo de uma feira de profissões.

No evento, ele se deparou com um jovem vestido com um macacão: era um aviador da Academia da Força Aérea (AFA) que estava lá, contando para os visitantes, como era a rotina de um piloto e o que era a Academia.

Leandro chegou em casa com os olhos brilhando e contou ao irmão: “Lucas, já sei o que eu quero ser: aviador da Aeronáutica”.

Lucas, sem saber ao certo o que estava acontecendo, foi incentivado pelo irmão a também ser aviador.

Mas como fariam isso?

Lucas e Leandro foram pesquisar para descobrir o que era essa tal Aeronáutica.

Assistiam a vídeos na internet sobre a Força Aérea e leram sobre a Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR) e a Academia da Força Aérea (AFA).

A primeira é uma instituição de Ensino Médio localizada em Barbacena (MG), enquanto a segunda, localizada em Pirassununga (SP), é uma organização de ensino superior responsável pela formação de oficiais aviadores, intendentes e de infantaria.

O próximo passo foi conversar com os pais sobre a possibilidade de estudarem em um curso preparatório voltado para concursos militares.

Mas não seria um momento fácil.

O pai e a mãe estavam desempregados e não tinham condições de pagar os estudos para os filhos, e um avô estava doente, precisando de ajuda.

“Eu e Leandro ficamos tristes, pois sabíamos que nossos pais estavam sem condições para nos ajudar. Foi aí que tomamos uma atitude: começamos a vender amendoins para pagar os estudos. Não podíamos perder tempo”.

Leandro aprendeu a fazer amendoins doces com a tia, e levava para a escola.

Ali confirmou que o doce era uma forma de gerar renda.

Fizeram as contas e colocaram a mão na massa.

Os irmãos pediram ajuda aos amigos para ajudar a embalar os amendoins.

Com a mochila nas costas e uma bandeja cheia nas mãos, os dois percorriam as ruas vendendo os doces.

“Vendíamos cerca de 100 por dia. Entrávamos nos estabelecimentos comerciais e oferecíamos aos vendedores e até mesmo aos clientes. Eles sempre compravam”, conta Lucas.

Estipularam um período para as vendas, mas, mesmo assim, ainda faltava uma quantia do curso a ser arrecadada.

Estava difícil.

Um dos irmãos mais velho, Ronaldo, ajudou a pagar o restante do valor.

Dinheiro no bolso e lápis na mão, foram rumo às aulas.

“Olho pra trás e vejo que ultrapassei muitos obstáculos e que nenhum fez com que eu desistisse. Valeu a pena!”, lembra Lucas.

O curso, com duração de sete meses, foi fundamental para que os irmãos pudessem fazer as provas com segurança, mas seria uma única tentativa.

“Muitos dos meus amigos, que estudavam comigo, eram sustentados pelos pais. Tinham condições de refazer o curso no ano seguinte. Eu não. Aquela era a única chance de passar”, revela.

Pela idade, Lucas fez EPCAR e Leandro, AFA.

Somente um foi aprovado.

O irmão mais novo arrumou as malas e, em 2009, foi para Barbacena cursar o Ensino Médio. 

Leandro continuou a estudar, em casa.

No segundo ano de EPCAR, Lucas ajudou o irmão nos estudos pagando mais um ano de curso com o dinheiro da ajuda de custo.

Lucas terminou os estudos na EPCAR e foi para a AFA em 2012.

Lá encontrou Leandro, aprovado diretamente para a Academia, onde estudou entre 2011 e 2014 para se tornar oficial de infantaria.

Depois de anos longe da família, os irmãos se reencontram em dezembro, na Academia da Força Aérea, para um motivo especial: a formatura que declarou Lucas Aspirante a Oficial.

"Faria absolutamente tudo de novo. Venderia os amendoins e estudaria com a mesma dedicação. Na vida, não podemos desistir fácil dos nossos objetivos. Sempre fui uma pessoa muito otimista, mesmo quando não havia mais esperança, eu acreditava que podia dar certo”, finaliza.