Voar é um desejo que começa em criança!

sábado, 30 de abril de 2016

Aerovisão

Clique aqui e confira a edição nº 248 (Abril, Maio e Junho/2016) da Aerovisão - A Revista da Força Aérea Brasileira.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Esquadrilha da Fumaça

O mundo de cabeça para baixo
Dois pilotos da Esquadrilha da Fumaça realizam treinamentos referentes ao curso de Piloto Operacional de Demonstração Aérea (PODA): o Capitão Cléryson Wander Teixeira, piloto Ala Direita, número dois, e o Tenente Lucas Pacheco Yoshida, Ala Esquerda, número três. Atualmente, eles finalizam o "Módulo Básico", que consiste em 25 missões. “O curso é dimensionado para qualquer piloto, independentemente de sua aviação. No primeiro módulo, nós aprendemos algumas coisas como o voo em dorso (de cabeça pra baixo) e leva certo tempo para que o nosso cérebro possa se acostumar com a necessidade de usar os comandos de voo de maneira invertida nessa situação", ressaltou o Capitão Wander. As atividades iniciaram em fevereiro de 2016. A próxima etapa será o “Módulo Avançado”, quando os pilotos passam a realizar exercícios específicos de suas posições de voo. Esse módulo é dividido em três partes, sendo a primeira realizada com dois aviões, seguida de quatro e, depois, de seis e sete.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Aeronaves

FAB venderá Mirages 2000 remanescentes
Um lote de oito aeronaves do caça supersônico Mirage 2000 e componentes sobressalentes será vendido pela Força Aérea Brasileira (FAB). A oferta mínima para cada unidade é de 2,5 milhões de dólares e poderá servir para voo ou fornecimento de peças para outros aparelhos. O Mirage 2000 foi desativado da FAB em 2013. Mas ainda é operado por forças aéreas dos Emirados Árabes, Índia, Peru, Egito, Grécia e França. Da frota que serviu à FAB, quatro Mirage 2000 ainda permanecerão no Brasil e serão preservados para fins históricos. O Mirage 2000 substituiu na FAB os Mirage III, em 2005, enquanto se definia o programa FX-2, para aquisição de novos caças, que contemplou o Gripen NG.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Aeronaves

Caça invisível japonês voa pela primeira vez
O primeiro protótipo do caça “invisível” Mitsubishi X-2 fez seu primeiro voo no dia 22 de abril de 2016, decolando do aeroporto de Nagoya, no Japão. O MX-2 é uma aeronave “stealth”, capaz de voar sem que seja detectada por radares de vigilância. É o primeiro avião com a tecnologia de “invisibilidade” produzido pelo Japão. O protótipo voou por 25 minutos e passou por testes com manobras básicas. Encerrou seu voo na base aérea de Gifu, a cerca de 40 quilômetros de Nagoya. 

Saiba mais: Blog do NINJA de 21/01/2016

terça-feira, 26 de abril de 2016

Lancair

Evolution a pistão: a nova aeronave da Lancair
Uma novidade na Lancair é a aeronave Evolution a pistão. Uma concepção que era uma solicitação antiga dos clientes e admiradores da Lancair. O Evolution a pistão possui desempenho sem igual, é pressurizado, tem opção de paraquedas balístico e outros opcionais.



Especificações
Designador ICAO: EVOP Pressurizado
Comprimento: 30 ft
Altura:10 ft
Wingspan: 37 ft
Capacidade: 4 pessoas
Bagagem:225 libras
Capacidade de combustível: 168 galões
Carga: até 1 720 libras
Peso vazio: 2730 libras
Velocidade (Va): 190 nós (indicada)
Motor: Lycoming YTEO-540 IE2
Potência máxima: 350 HP
Hélice: Hartzell 3 Bladed Prop HC-E3YR-1RFX / F7693DFX + 2
Distância mínima de decolagem e pouso: 1.600 pés
Razão inicial de subida: 2200 pés por minuto
Razão média de subida para 10 mil pés: 1375 pés por minuto
Velocidade de cruzeiro econômica: 210 KTAS
Altitude máxima: 25 mil pés.

Divulgação: Jorge Rosa

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Solar Impulse 2

Avião movido a energia solar completa viagem sobre o Pacífico

Perna trans-Pacífico foi a parte mais arriscada da viagem global.
Projeto destaca a importância da energia renovável e o espírito de inovação.

Solar Impulse 2 sobrevoa São Francisco. O avião movido a energia solar, que é a tentativa de circunavegar o globo para promover a energia limpa e o espírito de inovação, chegou do Havaí após uma viagem de três dias sobre o Oceano Pacífico (Foto: AP Photo/Noah Berger)
Um avião movido a energia solar aterrissou na Califórnia no sábado (23), completando um arriscado voo de três dias sobre o Oceano Pacífico, como parte de sua viagem ao redor do mundo, segundo a agência de notícias Associated Press (AP). O piloto Bertrand Piccard conseguiu pousar o "Solar Impulse 2" em Mountain View, no Vale do Silício, sul de São Francisco, após 62 horas voando sem escalas. O avião taxiou em uma grande tenda montada em Moffett Airfield onde Piccard foi recebido pela equipe do projeto. O desembarque aconteceu várias horas após Piccard realizar um sobrevoo sobre a ponte Golden Gate, onde os espectadores assistiram a aeronave estreita com as asas largas . "Eu cruzei a ponte. Eu estou oficialmente na América", declarou o piloto quando avistou a Baía de São Francisco. Piccard e seu colega piloto suíço Andre Borschberg foram se revezando pilotando o avião em uma viagem ao redor do mundo desde que decolou de Abu Dhabi, a capital dos Emirados Árabes, em março de 2015. Ele fez paradas em Omã, Myanmar, China, Japão e Havaí. A perna trans -Pacífico foi a parte mais arriscada das viagens globais do avião por causa da falta de locais de pouso de emergência, e a aeronave enfrentou alguns solavancos ao longo do caminho.
Solar Impulse 2 sobrevoa São Francisco (Foto: AP Photo/Noah Berger)
O "Solar Impulse 2" desembarcou no Havaí em julho e foi forçado a ficar nas ilhas após o sistema de bateria do avião sofrer danos devido ao calor em sua viagem ao Japão. A equipe também teve que adiar a viagem na Ásia também. Durante a primeira tentativa de voar a partir de Nanjing, na China, para o Havaí, a tripulação teve que desviar para o Japão por causa do clima desfavorável e uma asa danificada. Um mês depois, quando as condições meteorológicas estavam favoráveis, o avião partiu de Nagoya, no centro do Japão para o Havaí. A velocidade ideal de voo para esta aeronave é de cerca de 28 mph, no entanto, ela pode dobrar durante o dia, quando os raios solares são mais fortes. A aeronave de fibra de carbono pesa mais de 5.000 libras, ou aproximadamente tanto quanto um caminhão de médio porte. As asas do avião, que são ainda maiores do que as de um Boeing 747, estão equipadas com 17.000 células solares que geram energia para as hélices e carregam as baterias. O "Solar Impulse 2" fará mais três paradas nos Estados Unidos antes de cruzar o Oceano Atlântico para a Europa ou para a África do Norte, de acordo com o site que documenta a viagem . O projeto, que começou em 2002 e tem custo estimado de mais de 100 milhões de dólares, destina-se a destacar a importância da energia renovável e o espírito de inovação. Viagens de avião movido a energia solar ainda não são comercialmente viáveis dado o lento tempo de viagem, tempo e peso limitações da aeronave.

Fonte: G1

Embraer

Fabricante brasileira entrega o milésimo jato executivo
A Embraer Aviação Executiva atingiu uma nova marca, no dia 19 de abril de 2016, com a entrega para a empresa Flexjet, com base em Cleveland, nos Estados Unidos, do milésimo jato executivo fabricado. Esta importante conquista ocorre pouco após a companhia ter celebrado uma década no mercado de aviação executiva, estabelecendo novos padrões por meio de desenvolvimento de produtos que trouxeram diversas características e amenidades inovadoras de jatos executivos de grande porte para os das categorias de entrada. A milésima aeronave, um Legacy 500, é o quarto modelo deste tipo a ser operado pela Flexjet. A empresa, líder em serviços de propriedade compartilhada, tem pedidos para uma frota que inclui também o Legacy 450. O programa da Flexjet de propriedade compartilhada conta com uma seleção de aeronaves exclusivas – uma das mais novas do segmento – incluindo o Phenom 300, o jato mais vendido da Embraer Aviação Executiva.

Aviação comercial e executiva
A Embraer entregou 21 jatos para o mercado de aviação comercial e 23 para o de aviação executiva (12 jatos leves e 11 jatos grandes) ao longo do primeiro trimestre de 2016. O total de 44 aeronaves representa aumento de 37,5% em relação a igual período do ano anterior. No setor de jatos comerciais, a Embraer e a Horizon Air assinaram, em abril de 2016, um pedido firme para 30 jatos E175. O acordo também inclui opções de compra para outras 33 aeronaves do mesmo modelo. O valor do contrato, que será incluído na carteira de pedidos da Embraer do segundo trimestre de 2016, é de USD 2,8 bilhões, com base em preços de lista, se todas as opções forem exercidas. As entregas começarão no segundo trimestre de 2017 e as aeronaves voarão exclusivamente para a Alaska Airlines.

domingo, 24 de abril de 2016

John Buyers falece aos 96 anos

Morre o último piloto brasileiro herói da Segunda Guerra
A FAB divulgou nota de luto, referente à morte, ontem, 23 de abril, do major John Buyers, mineiro de Juiz de Fora (MG) e filho de americanos, que lutou na segunda guerra como USAAF, para fazer ligação entre brasileiros e americanos no teatro de operações. Confira no Especial de Domingo de 26 de abril de 2015 uma matéria dedicada ao herói agora falecido.

Diz a nota da FAB publicada ontem, sábado, 23 de abril:

John Buyers voou com pilotos brasileiros do 1º Grupo de Aviação de Caça.
Um dia após o Dia da Aviação de Caça (22/abril), data que celebra a participação do 1º Grupo de Aviação de Caça na Segunda Guerra Mundial, a Força Aérea Brasileira (FAB) se despede de John Wlliam Buyers. Ele era o último piloto brasileiro veterano do conflito. Faleceu na manhã deste sábado, 23 de abril de 2016, aos 96 anos, no Hospital da Aeronáutica do Recife (PE). A missa de corpo presente acontece na capela da Base Aérea do Recife, às 9 horas desta segunda-feira, 25 de abril. "Mesmo sem ter sido da Força Aérea Brasileira, o major John Buyers ajudou a escrever a gloriosa história do 1º Grupo de Aviação de Caça nos seus dias de luta na Itália.", afirmou o Comandante da Aeronáutica Tenente-Brigadeiro do Ar Nival Rossato. Nascido em Juiz de Fora (MG), o filho de norte-americanos participou da Segunda Guerra Mundial como militar da Aviação do Exército dos Estados Unidos (USAAF). Por ser brasileiro e dominar os idiomas português e inglês, atuou como oficial de ligação entre o Comando dos Estados Unidos e o Grupo de Aviação de Caça da FAB, entre 1944 e 1945. Além da sua função burocrática, foi voluntário em 21 missões de combate com os P-47 Thunderbolt. Após o fim da guerra, veio morar no Brasil, onde trabalhou como piloto.

Especial de Domingo

A seguir, mais um vez, publicamos texto selecionado do excelente Aeromagia.
Boa leitura.
Bom domingo!

Sempre há alternativas quando se pensa com antecipação
Por Jean Gabriel Charrier

Você toma decisões todos os dias, e, estando no comando de seu avião, algumas delas podem ser cruciais

Por exemplo, para um mesmo voo podem haver duas estratégias diferentes de gestão do mau tempo. 

Bem entendido, a realidade não é tão simples, mas uma simples repassada de como os acontecimentos podem se encadear irão te ajudar a antecipar suas decisões no dia em que você estiver diante de situações similares. 

Pessoalmente, já mentalizei diversas ‘meia-voltas’, retornos, mudanças de planos.

Essas decisões são sempre mais fáceis (menos difíceis) de tomar quando já foram previamente visualizadas e programadas no seu espírito: “Cedo ou tarde eu estarei diante de uma necessidade de fazer meia volta, desviar rota, ou não decolar. Isso é certo.”

Aqui, em algumas linhas, uma pequena análise de acontecimentos.

1 – O ser humano tem tendência a subestimar naturalmente os riscos; isso é algo que todos sabem. E alguns subestimam mais do que outros! Se há alguma coisa que deve ser retida no tocante a ‘Fatores Humanos’, é a mensagem seguinte: Você é vulnerável.

2- Tanque cheio, coração leve – Uma pane seca em carro é uma coisa, em avião é outra!

3 – A diferença entre uma situação normal em voo e uma situação perigosa é marcada às vezes por uma linha tênue, assim como são as diferenças de espessura de agulhas.

4 – Antes de tomar uma decisão, você deve analisar objetivamente a realidade da situação. Ou seja, se você admite que não é um ‘bom nadador’, você teve ficar sempre onde ‘dê pé’.

5 – O principal desafio do piloto é de ficar dentro dos seus limites de competência, porque senão a pressão é um fator que irá empurrá-lo insidiosamente para sair ignorando certos riscos.

6 – Um piloto desportivo voa para seu lazer.

7 – Os pilotos que prestam atenção regularmente às suas margens de segurança trabalham sem dar brecha para o azar.

8 – Ao tomar uma decisão acertada de forma rápida, o piloto pode lidar melhor com novas contingências que surgirem em seguida.

9 – O julgamento do piloto é motivado por diversas razões. Uma decisão de insistir em algo crítico não é racional diante da segurança.

10 – Um piloto deve aprender a passar de uma situação para outra rapidamente, como de uma situação normal para uma de estresse.

11 – É muito difícil haver meras ‘fatalidades’ na aviação. Tenha sempre diversos planos B.

12 – Um simples conhecimento pode se transformar em capacitação… a partir do momento em que tudo isso estiver em harmonia com suas decisões.

Bons voos!!

Jean Gabriel Charrier foi instrutor de avião, planador e acrobacia, piloto de linha aérea e inspetor de segurança de voo na França. Possui cerca de 13.000 horas de voo, e é titular de um diploma de Fatores Humanos em Aeronáutica, pela OACI.

Fonte: Aeromagia

sábado, 23 de abril de 2016

Concurso para a AFA

ATENÇÃO:
Inscrições para exame da AFA terminam dia 25/4/2016
Estão abertas, até o dia 25 de abril de 2016, as inscrições para o Exame de Admissão da Academia da Força Aérea (AFA) do ano de 2017. São 70 vagas, sendo 20 para o Curso de Formação de Oficiais Aviadores, 35 para Intendentes e 15 para Infantaria. A taxa é de R$ 70,00. As inscrições são pela internet. As vagas são destinadas a candidatos dos sexos masculino e feminino (para os Cursos de Aviador e de Intendente) e do sexo masculino (para o de Infantaria). Os cursos têm duração de quatro anos e são realizados em Pirassununga (SP). Os interessados devem ter concluído ou estar em condições de concluir com aproveitamento o ensino médio do Sistema Nacional de Ensino até a data da concentração final do certame, em janeiro de 2017. Além disso, não podem possuir menos de 17 nem completar 23 anos de idade até 31 de dezembro de 2017. O processo seletivo é composto de provas escritas (língua portuguesa, física, matemática, língua inglesa e redação) a serem realizadas em 10 de julho de 2016. Os candidatos também farão inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica, teste de avaliação do condicionamento físico, teste de aptidão à pilotagem militar (somente para candidatos ao Curso de Formação de Oficiais Aviadores) e validação documental. Os aprovados em todas as etapas deste processo seletivo e selecionados pela Junta Especial de Avaliação (JEA) deverão se apresentar na AFA, no dia 19 de janeiro de 2017, para habilitação à matrícula. Durante a realização do curso, o candidato passa à situação de Cadete da Aeronáutica, estará sujeito ao regime escolar da AFA e fará jus à remuneração fixada na legislação específica, além de alimentação, alojamento, fardamento, assistência médico-hospitalar e dentária, exclusivamente para si. Após a conclusão do curso com aproveitamento, o cadete receberá, além do Diploma de Bacharel em Ciências Militares, na habilitação específica, o diploma de Bacharel em Administração, com ênfase em Administração Pública, sendo nomeado Aspirante a Oficial do Quadro de Oficiais Aviadores, Intendentes ou de Infantaria da Aeronáutica. 


sexta-feira, 22 de abril de 2016

Datas Especiais

22 de abril: Dia da Aviação de Caça
Hoje, 22 de abril, comemora-se o Dia da Aviação de Caça na Força Aérea Brasileira (FAB). A comemoração relembra o 22 de abril de 1945, quando uma grande ofensiva do 1° Grupo de Aviação de Caça contra as forças alemãs contabilizou 44 missões de guerra em um único dia durante a Segunda Guerra Mundial, na Itália.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Embraer

A intensa campanha de certificação do KC-390
A rotina de pousos e decolagens do primeiro protótipo do KC-390 é intensa. Em média, são dois voos por dia. O futuro jato de transporte militar da Força Aérea Brasileira já ultrapassou 150 horas de voo. A montagem da segunda unidade foi concluída e deve se juntar à campanha de ensaios em voo em breve. A fase é acompanhada por pilotos e engenheiros de diversas áreas da Embraer, fabricante da aeronave instalada em Gavião Peixoto (SP). Iniciada efetivamente em outubro de 2015, a campanha de testes em voo envolve mais de 1.110 profissionais responsáveis por avaliar a performance, desempenho e a robustez do maior avião já produzido no Brasil. A cada voo, o cargueiro é avaliado em vários tipos de situação, com novas altitudes, velocidades e configurações. Os testes deverão durar dois anos e o objetivo é obter a certificação da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), organização militar do Comando da Aeronáutica. Após ser certificado, o KC-390 poderá ser utilizado em missões reais. Para que a aeronave seja aprimorada na fase de testes, 23 câmeras foram instaladas no interior e na fuselagem do protótipo do KC-390. Todas as imagens e demais dados colhidos são encaminhados para a estação de telemetria, um monitoramento remoto que possui softwares de alta tecnologia para a análise dessas informações e ajustes necessários. Fruto da capacitação tecnológica, o KC-390 vai significar um salto operacional para as Forças Armadas e um avanço para a indústria aeronáutica brasileira. Ao todo, 28 unidades foram encomendadas pela Força Aérea Brasileira e devem ser entregues a partir de 2018. A linha de produção em série do cargueiro deve iniciar no próximo ano, com uma expectativa de geração de 1.060 empregos diretos e 5.300 indiretos. Cláudia Renata de Miranda, eletricista e montadora de avião, participou da montagem dos protótipos. Segundo ela, é uma satisfação enorme fazer parte desse processo. “Quando vi o avião decolando pensei: poxa, eu trabalhei nesse avião! É como se fosse um filho, a gente se envolve bastante”, comenta.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Anuário de Tráfego Aéreo 2015

Compêndio estatístico mostra o movimento aéreo de 2015 no Brasil
O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), por intermédio do Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA), lançou o Anuário Estatístico de Tráfego Aéreo 2015. O compêndio, que é fonte para estudiosos, pesquisadores e empreendedores do ramo, registra o tráfego aéreo em 33 aeroportos brasileiros, nas imediações de um aeródromo e em cinco regiões de voo brasileira, ao longo de 2015. O objetivo é refletir o atual comportamento da aviação brasileira, fornecer instrumentos necessários para a identificação de necessidades da infraestrutura aeroportuária e apresentar dados relativos à evolução do tráfego de aeronaves.

Organização
O Anuário é organizado em três seções: Aeródromo, TMA (Área de Controle Terminal)/CTR (Zona de Controle) e FIR (Região de Informação de Voo). A primeira seção apresenta informações sobre 33 aeródromos pertencentes ao Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB) e aborda diversos temas, como movimentos totais e mensais, movimentos por tipo de voo (comercial, geral ou militar), percentuais de crescimento, atrasos da aviação comercial e ranking de fluxos entre aeroportos (nacionais e internacionais) e possibilita a comparação dos movimentos nos últimos três anos. A seção sobre as TMA e CTR, que são as áreas situadas na confluência de rotas e nas imediações de um ou mais aeródromos, mostra o ranking de movimento, evolução anual e mensal, além de avaliação do comportamento do movimento médio por dia da semana, tanto em Controle de Aproximação (APP) automatizado quanto em não automatizado. A última seção apresenta informações sobre a evolução dos movimentos mensais e anuais de aeronaves em cinco Regiões de Informação de Voo brasileiras (FIR Brasília, FIR Curitiba, FIR Recife, FIR Atlântico e FIR Amazônica).

Aeroportos mais movimentados
O aeroporto mais movimentado do País é o de Guarulhos, com 299.457 operações em 2015. Todavia, houve uma diminuição do movimento em relação a 2014. A aviação geral recuou 26,9% e a comercial diminuiu 1,4%. Na sequência, estão: Congonhas, Brasília, Galeão, Santos Dumont, Viracopos e Confins. Entre os sete aeroportos que tiveram mais movimentos, apenas os de Confins e Congonhas registraram crescimento nos totais de operações em 2015. Brasília se manteve estável e os demais recuaram em relação aos números totais do ano anterior. Dos sete aeroportos mais movimentados, cinco são atualmente administrados por empresas privadas, em regime de concessão: Guarulhos, Galeão, Confins, Brasília e Viracopos.


Movimento nos aeroportos do governo de SP:
Blog do NINJA de 29/03/2016

terça-feira, 19 de abril de 2016

Código Brasileiro de Aeronáutica

Aprovado o texto básico do novo Código de Aeronáutica
A comissão do Senado que prepara o novo Código Brasileiro de Aeronáutica aprovou, no dia 14 de abril de 2016, o texto básico do novo Código Brasileiro de Aeronáutica. O documento tem 400 artigos, resultado de cerca de 1500 contribuições. A proposta recebeu 477 emendas. Ainda há temas polêmicos entre os especialistas, como a abertura do capital das empresas aéreas do país ao capital estrangeiro. No texto básico consta a manutenção do capital estrangeiro aberto em 25%. O atual código está em vigor desde 1986 e a atualização é necessária devido aos avanços tecnológicos no setor. Entre as modificações apresentadas pelos especialistas da comissão estão a adoção de um novo modelo de tarifas; a regulamentação do uso de drones; maior apoio a familiares de vítimas de acidentes aéreos; a vedação da prática de balonismo com a utilização de balões sem dirigibilidade; punição rigorosa aos passageiros que não respeitem regras de conduta nos aviões e o fim da indenização por cancelamento ou atraso de voos. Oportunamente, o texto poderá sofrer emendas e sera debatido pelo plenário, para aprovação e entrada em vigor.

Fonte: Agência Senado 

Saiba mais: Blog do NINJA de 09/03/2016

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Aeroportos

Congonhas terá ampliação no terminal
Uma concorrência pública a ser aberta no segundo semestre de 2016, pela Infraero, prevê reformar e ampliar o aeroporto de Congonhas, na zona sul de SP e o terceiro mais movimentado do país. As obras, segundo a previsão, seriam concluídas até 2018 ou 2019. A principal intervenção será o aumento do terminal, que ampliará em 46% a capacidade de abrigar passageiros, podendo chegar a 25 milhões anuais. Haverá, ainda, dez novas pontes de embarque; hoje são 12. Atualmente, boa parte das aeronaves em Congonhas estaciona em posições chamadas de "remotas" – nas quais o avião fica parado em pátio afastado do terminal ao lado da pista, e ônibus são usados para embarque e desembarque das pessoas. Outra medida prevista é a exploração de duas áreas ociosas do aeroporto, hoje usadas como estacionamento de táxis. Em uma delas, seria construído um novo edifício-garagem com ao menos 3.000 vagas. O atual espaço tem 2.554 vagas.

domingo, 17 de abril de 2016

Especial de Domingo

Em 12 de abril, última terça-feira, comemoramos os 55 anos da viagem de Yuri Gagarin ao espaço. Brindamos o feito, reproduzindo conteúdo do portal de notícias G1 e, também, uma homenagem do astronauta brasileiro Marcos Pontes.
Boa leitura.
Bom domingo!

Viagem pioneira de Yuri Gagarin ao espaço completou 55 anos

Cosmonauta personificava estereótipo do trabalhador soviético.
Após feito arriscado, ele virou herói em seu país.

O astronauta Yuri Gagarin, primeiro homem a alcançar o espaço, em 1961. (Foto: alldayru.com / via ESA)
Há 55 anos, o cosmonauta soviético Yuri Gagarin entrava para a história ao se tornar o primeiro ser humano a viajar ao espaço. A missão era perigosa: de 48 cães enviados ao espaço pela União Soviética, 20 tinham morrido. Ainda assim, muitos sonhavam em ir no lugar dele. Na época do feito, a União Soviética e os Estados Unidos travavam uma batalha silenciosa para saber qual nação levaria o primeiro ser humano à Lua. Os norte-americanos venceram a disputa em 1969, com o “pisão” inaugural de Neil Armstrong no satélite natural da Terra, mas nos oito anos anteriores, os soviéticos sempre estiveram à frente - inclusive no lançamento do primeiro satélite artificial, o Sputnik, em 1957. Os Estados Unidos só levariam o primeiro homem ao espaço alguns meses depois de Gagarin, durante a viagem de Alan Shepard no voo da Freedom 7, em 5 de maio de 1961. Porém somente em 7 de fevereiro de 1962, durante a missão Friendship, com John Glenn, o país teve seu primeiro astronauta completando uma volta inteira ao redor do planeta.

‘Poyekhali’
O voo de Gagarin começou às 09h07 do dia 12 de abril de 1961, no horário de Moscou, com o lançamento da cápsula Vostok 1 com o foguete R-7. Antes de decolar, o cosmonauta gritou “Poyekhali!” (“Vamos nessa!", em tradução livre). A nave partiu das instalações do então secreto Cosmódromo de Baikonur, conhecido à época também como Tyuratam, localizado nas estepes do Cazaquistão – uma das ex-repúblicas soviéticas.
Cápsula Vostok após aterrissar no Cazaquistão (Foto: ESA)
Onze minutos após a decolagem, o combustível do foguete acabou, a cápsula redonda Vostok foi liberada e a humanidade entrava em órbita pela primeira vez. Para girar ao redor do planeta, a Vostok precisou alcançar uma velocidade média de 28 mil km/h. Gagarin não chegou a controlar a nave, ainda que os controles para uma operação manual da Vostok 1 estivessem disponíveis ao piloto soviético. Durante os 108 minutos de duração da missão, Gagarin deu uma volta inteira em torno da Terra. Os relatos do cosmonauta narram a sensação de estar sob o efeito de uma gravidade menor, além de uma preocupação constante sobre os dados do voo – ao solicitá-los à equipe responsável na Terra. O cosmonauta retornou ao solo terrestre às 10h55 em uma área de plantação em Smelovka, na província de Saratov, a 300 km de onde deveria ter pousado.
Jornal americano noticia feito de Gagarin (Foto: AFP Photo)
Gagarin foi designado para fazer o primeiro voo do homem ao espaço, marcado para 12 de abril de 1961 quando tinha 27 anos e era casado com Valentina, uma enfermeira que acabava de dar à luz a segunda filha do casal. Morto em 1968, o cosmonauta é um dos raros heróis nacionais cuja imagem não sofreu com a queda da União Soviética no fim de 1991. Suas origens populares - um pai carpinteiro e uma mãe camponesa - jogaram a favor de sua candidatura para se tornar o primeiro homem no espaço, frente a seu rival Gherman Titov, proveniente de uma família de professores e com a desvantagem de ter um nome germânico, segundo seus biógrafos. Nascido em março de 1934 em um povoado perto de Smolensk (oeste), depois de uma infância difícil marcada pela guerra e pela ocupação nazista, Gagarin dedicou-se primeiramente a trabalhar como metalúrgico. Apaixonado por aviação, inscreveu-se em uma escola militar de Orenburgo (Montes Urais) e assumiu pela primeira vez o comando de um avião em 1955. Quando em um dia de outono de 1959 uma comissão selecionava voluntários para pilotar um "tipo moderno de aeronave", sua baixa estatura - apenas 1,60 metro -, jogou a seu favor. Vinte candidatos começaram um treinamento de um ano em um centro secreto de Moscou. Com o passar do tempo, não restaram mais de 12, e logo seis -- entre eles, Gagarin. Homem loiro, de olhos azuis e sorriso quase infantil, Gagarin encarnava o arquétipo do homem russo apontado como exemplo pela propaganda soviética. Ganhou assim a simpatia de seus colegas, e em especial a de Serguei Korolev, pai da astronáutica soviética. "Gagarin não era um líder, mas era amigo de todos, e Korolev o tratou como um filho", lembrou em entrevista recente à agência AFP o cosmonauta Boris Volynov. "Yuri foi eleito por suas qualidades pessoais, muito próximas ao povo", e se transformou no símbolo perfeito dos êxitos da União Soviética, comentou o cosmonauta.
Aós viajar ao espaço, Gagarin ganhou status de heróis soviético (Foto: AFP Photo)
Recebido de forma triunfal pelo mundo inteiro, Gagarin completaria essa missão perfeitamente, demonstrando segundo as testemunhas uma simplicidade absoluta. Durante um jantar, recebeu um sorriso da rainha da Inglaterra ao admitir que não sabia com qual garfo poderia servir-se. Mas não apenas por isso: herói nacional com todos os privilégios, Gagarin passava horas ao telefone para conseguir um remédio, um lugar no hospital ou um tíquete para o teatro Bolshoi para seus diversos amigos. Ele sonhava em ir à Lua, mas o destino tinha decidido outra coisa. Muito apreciado pelas autoridades soviéticas, permaneceu longo tempo com a proibição de pilotar. Em 27 de março de 1968, ao pilotar um pequeno avião de treino, caiu no nordeste de Moscou em circunstâncias ainda pouco claras.

Legado
Gagarin virou um herói soviético após retornar ao planeta que ele observou - pela primeira vez - de fora. Foi poupado de outras missões pelo medo de um acidente encerrar a vida de um dos principais ícones soviéticos durante a Guerra Fria. Após a tragédia que o matou, uma cratera na Lua e um asteroide foram nomeados em homenagem ao cosmonauta.
Yuri Gagarin ao ser transportado para o lançamento da Vostok 1, na manhã de 12 de abril de 1961. Ao fundo da imagem está German Titov, piloto reserva da missão, que foi ao espaço na missão Vostok 2. (Foto: Nasa)
Fonte: G1

Astronauta brasileiro Marcos Pontes
homenageia Yuri Gagarin

“Yuri Gagarin teve importância decisiva em minha vida, e eu devo a ele a minha determinação de me tornar um astronauta.”
(Marcos Pontes, primeiro astronauta brasileiro)

Marcos Pontes - que no último dia 29 de março comemorou os 10 anos de sua viagem ao espaço - concedeu entrevista à agência Sputnik Brasil, por ocasião das celebrações do Dia do Cosmonauta e da Cosmonáutica, alusiva ao histórico evento de 12 de abril de 1961, quando o russo Yuri Gagarin se tornou o primeiro ser humano a viajar ao espaço. Nascido em 11 de março de 1963, Marcos Pontes passou a infância ouvindo dos pais e dos amigos histórias relativas à façanha de Yuri Gagarin. Adolescente, decidiu entrar para a Aeronáutica e, num dos seus voos em aviões de caça, deu-se conta de que queria mesmo se transformar num astronauta. Então, em 2006, participou da Missão Centenário, integrando a tripulação também formada pelo norte-americano Jeffrey Williams e o experiente russo Pavel Vinogradov, comandante da missão. A bordo da Estação Espacial Internacional, em que participou de vários experimentos científicos, Marcos Pontes consolidou a avaliação que tinha de Yuri Gagarin, reafirmando a sua importância para a exploração e a pesquisa espacial. “O que ele fez, na verdade, foi abrir o caminho para outras conquistas. No sentido exato da palavra, ele foi um pioneiro que colocou a vida em prol da humanidade. Eu sou um fã de Yuri Gagarin há muito tempo, e mais ainda depois que fui para a Rússia fazer um treinamento na Cidade das Estrelas. Conheci os mesmos lugares por onde ele andou. Um dos meus livros tem o nome de “Caminhando com Gagarin”, porque estava andando pelos mesmos lugares por onde ele caminhou e ficava imaginando o que ele pensava durante os treinamentos dele. Não só me inspirou como me motivou e me ajudou a passar pelos momentos duros do treinamento”, diz Pontes.

Fonte: Portal Sputinik Brasil

sábado, 16 de abril de 2016

Educação Científica

Alunos da rede pública do Ceará são motivados à educação científica
Aos 16 anos, Hítalo de Lima Mendonça afirma ter perdido o medo dos cálculos, da física, das ciências naturais. “Peguei gosto e me interessei”, resume. Assim, foi perdendo de vista barreiras simbólicas impostas pelos outros por ser aluno da rede pública. Sonha em estudar engenharia espacial em São Paulo. Ou ser aprovado no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Estas descobertas de Hitalo ocorreram na Escola Francisca Moreira de Souza, em Beberibe, a 83 quilômetros de Fortaleza. No 1° ano do ensino médio, o talento dele foi identificado pelo professor de física. Aí o jovem foi chamado a participar das aulas de preparação para olimpíadas científicas, à noite. “Somos nove ou dez no grupo. É um momento que ajuda a aprimorar a matemática, o raciocínio lógico. Vemos questões de competições passadas”, explica Hitalo, agora no 2° ano. Em 2015, ele colaborou para as estatísticas do Ceará ao ganhar duas medalhas: ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e bronze na Olimpíada Brasileira de Física das Escolas Públicas (OBFEP). Passou a apostar em um futuro na ciência, mesmo com dificuldades de infraestrutura na escola. A participação em olimpíadas é parte de uma diretriz de educação científica na rede pública, conforme Daniel Rocha, assessor técnico da Coordenadoria de Aperfeiçoamento Pedagógico da Secretaria da Educação do Ceará (Seduc). Desde 2007, a pasta adotou linha de financiamento e incentivo à participação de alunos e promoção de eventos científicos, como a Feira Estadual de Ciência e Cultura. Segundo Daniel, as diretrizes incluem ainda permitir aos professores atividades de pesquisa para o estímulo dos alunos. Nos eventos internacionais, os alunos da rede pública cearense também têm conseguido destaque. Como na Feira Internacional de Ciência e Tecnologia (Intel ISEF), que deu o prêmio de 3° lugar na área de medicina e ciências da saúde a João Batista de Castro, aluno do Liceu de Maracanaú. Antes espaço quase prioritário da escola particular, o pódio das olimpíadas de conhecimento se abre à rede pública graças ao empenho de professores, gestores e dos próprios alunos, analisa Josete Castelo Branco, professora-adjunta do curso de Pedagogia da UECE (Universidade Estadual do Ceará). Nos últimos anos, ela nota um maior incentivo aos estudantes dos ensinos fundamental e médio no Estado. “A primeira coisa que muda é na autoestima do aluno. Alguém está dizendo a ele que ele é capaz. Ele passa a saber que não está destinado a concluir o ensino médio e se sujeitar a qualquer tipo de emprego. Ele vê oportunidades”, acredita Josete.

Texto: Thaís Brito, Jornal O Povo (CE).

sexta-feira, 15 de abril de 2016

LAAD SECURITY 2016

IACIT apresenta JAMMER desenvolvido com tecnologia 100% nacional
O sistema poderá ser usado para bloquear drones, celulares, rádios, entre outros sinais de radiofrequência

A IACIT, empresa brasileira com atuação consolidada no desenvolvimento de produtos e serviços de alta tecnologia nas áreas de segurança, defesa, navegação aérea, redes integradas e meteorologia, desenvolveu uma tecnologia inédita no país, apresentada com destaque na LAAD Security 2016, que ocorreu nesta semana, entre 12 e 14 de abril, no Rio Centro, Rio de Janeiro. A empresa desenvolveu uma sofisticada família de sistemas de contramedida eletrônica, também conhecida como JAMMER, batizada de SCE0100. O SCE0100 possui configurações específicas para o bloqueio ou interferência de sinais de drones, celulares, rádios, dispositivo explosivo controlado por rádio (RCIED) e outros sistemas que utilizam sinais de RF para comunicação. Além desse diferencial, o sistema é embarcado em um gabinete robusto e portátil, podendo ser operado em qualquer local para o bloqueio de diferentes sinais de RF. Segundo Luiz Teixeira, presidente da IACIT, a configuração do sistema é vinculada com a potência e faixa de frequência da operação, de acordo com a missão a ser realizada. Ele explica que, independentemente dos modelos de bloqueio (para drones, celulares ou RCIED), o JAMMER da IACIT é composto por canais independentes, capazes de operar simultaneamente, sem a necessidade de “saltar” entre bandas. Cada canal tem a capacidade de varrer rapidamente ao longo de uma banda, a fim de garantir a potência máxima em cada uma das frequências usadas. Com aplicação dual, o JAMMER SCE0100 da IACIT pode ser usado em diversas situações, como proteção de estabelecimentos governamentais e militares, refinarias de petróleo e gás, prisões e centros de detenção, grandes eventos, comboios e controle fronteiriço, entre outras. Devido à expansão do uso de drones em diversas situações, o equipamento da IACIT surge para suprir um mercado vulnerável pela ação de bandidos, espiões e até mesmo terroristas. “O sistema SCE0100 tem emprego dual, podendo ser utilizado tanto para a área militar quanto civil. Imaginamos que os potenciais clientes estejam nas forças armadas, segurança pública, polícias civil, militar e federal e no setor privado, com as firmas de segurança privada, empresas e bancos”, destaca Teixeira. O desenvolvimento do novo equipamento envolveu uma equipe de cerca de 30 profissionais durante os últimos 12 meses. O JAMMER 100% nacional deve atender não só ao mercado interno, mas também deve ser um grande aliado de potências internacionais no combate a crimes. O sistema moderno e sofisticado permite oferecer soluções independentes ou integradas, com o uso de câmeras, sensores acústicos e radares para combater o ataque de drones, por exemplo. Com a nova família de jammers, a IACIT busca intensificar sua participação junto à segurança pública e militar, oferecendo soluções tecnológicas integradas. Os novos equipamentos SCE0100 somam-se às soluções integradas já existentes no portfólio da companhia, entre eles sistemas eletro-ópticos e de segurança eletrônica patrimonial, soluções de SW associados a Redes Neurais Artificiais (RNA) e LPR, processamento de imagens e de Comando Controle Inteligência (C2I) e as soluções de Telemetria e Telecomando RCS-0400. Com quase três décadas de atuação no mercado, a IACIT, certificada pelo Ministério da Defesa como Empresa Estratégica de Defesa (EED), é uma importante instituição de desenvolvimento para a conquista de autonomia tecnológica para o Brasil. “Nos preocupamos dia a dia em pesquisar e desenvolver produtos e serviços que agreguem valor ao País. Nosso objetivo é sermos uma empresa parceira na busca e consolidação de um país mais soberano”, conclui o executivo.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Recreio

EPCAR atende 150 crianças no programa Forças no Esporte
O plantio de uma árvore, realizado por alunos da Escola Municipal Sebastião Francisco do Vale, no dia 07 de abril de 2016, marcou simbolicamente o início das atividades do Programa Forças no Esporte (PROFESP) do ano de 2016 na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), sediada na cidade de Barbacena (MG). Este ano o projeto na EPCAR contemplará 150 crianças de 8 a 13 anos, de ambos os sexos. A Escola é uma das 25 organizações da Força Aérea Brasileira que fazem parte do projeto. O programa contempla atividades esportivas e complementares que acontecem às segundas, quartas e sextas-feiras, das 7h às 12h. Os alunos contam com estrutura de refeitório, salas de aulas, auditórios, laboratórios, ginásio poliesportivo, biblioteca e vestiários. Para cumprir os conteúdos, a unidade disponibiliza seus efetivos civil e militar por meio do voluntariado. No campo esportivo são oferecidos futebol, atletismo, futsal, vôlei, orientação e basquete. Já na área complementar são ministradas palestras sobre autoestima, motivação, etiqueta, valores éticos e morais, trabalho em equipe, bem como aulas de inglês, português, raciocínio lógico-matemático e informática. Ainda são oferecidas aulas de musicalidade, xadrez, artes, brincadeiras, capoeira, agroecologia, ordem unida, além de avaliação médica e atendimento psicopedagógico.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Tecnologia

Volocopter: um novo conceito de aeronave
O Volocopter VC200 da empresa alemã E-Volo realizou, no dia 30 de março de 2016, seu primeiro voo tripulado. A inovadora aeronave é um “multicóptero” com 18 motores elétricos. Conforme os desenvolvedores é um aeronave de fácil pilotagem e lembra o formato de alguns drones. O Volocopter é comandado por um joystick direcional com uma alavanca de controle de altitude. O piloto pode até tirar as mãos do controle e mesmo assim a aeronave mantém sua posição automaticamente. Os próximos testes serão para certificação, quando o Volocopter realizará voos de baixa altitude a velocidade de 25 km/h; voos de altitude média a até 50 km/h; e em maiores altitudes e em velocidade de até 100 km/h. O Volocopter em seu primeiro voo foi pilotado por Alexander Zosel, diretor da E-volo, em um aeródromo no sul da Alemanha. A revolucionária aeronave pode representar uma revolução na mobilidade urbana, pois poderá ser utilizada como transporte pessoal.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Aeronaves

TAM substitui os Airbus 330 por A350 XWB e Boeing 787
A TAM encerra o emprego dos Airbus 330 em seus voos internacionais. Os aparelhos foram incorporados à sua frota desde 1998. A empresa teve 12 aparelhos desse tipo. A companhia manterá o jato da Airbus na reserva por mais alguns meses e ele será acionado excepcionalmente. Os aviões serão substituídos pelos novos Airbus A350 XWB e Boeing 787. A manobra faz parte da reformulação prevista pelo Grupo Latam Airlines, que reúne a Tam e Lan Chile. As aeronaves das duas empresas compartilharão a mesma identidade visual e o nome Latam Airlines.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Carreiras na Aviação

Esquadrão Rumba treina futuros pilotos da FAB
O Esquadrão Rumba (1º/5º GAV), sediado em Natal (RN), iniciou, no dia 04 de abril de 2016, a atividade aérea do Curso de Especialização Operacional (CEO) com 61 Oficiais Aviadores formados na Academia da Força Aérea (AFA), que serão designados para as Aviações de Transporte, Patrulha e Reconhecimento. No sexagésimo nono ano de sua criação, o 1º/5º GAV, que já especializou centenas de pilotos de combate da Força Aérea Brasileira, desponta pela inédita marca de ter o primeiro voo de instrução, no âmbito da Primeira Força Aérea (I FAE), realizado por uma tripulação totalmente feminina. Na oportunidade, a Tenente Bruna Nascentes Teles, oriunda do Sexto Esquadrão de Transporte Aéreo (6° ETA), o Esquadrão Guará, e a Aspirante Vitória, primeira colocada da Turma KRATOS, deram início às atividades com o treinamento de abortivas no solo e exercícios de adaptação à aeronave. O Curso de Especialização tem duração de nove meses e consiste de três fases: Básica, Intermediária e Avançada. Na primeira, os estagiários do CEO aprendem a operar a aeronave C-95 Bandeirante, realizando missões de adaptação diurna e noturna, voo por instrumentos, navegação, voo de formatura e navegação a baixa altura. Nas fases intermediária e avançada, os estagiários realizam missões de treinamento específicas das aviações e, ao final do CEO, estão capacitados a compor equipagens operacionais, prontos para seguir carreira nas diversas Unidades Aéreas da FAB.

domingo, 10 de abril de 2016

Especial de Domingo

Convidamos nossos leitores para visitarem o MUSAL - Museu Aeroespacial, no Rio de Janeiro. Como estímulo, selecionamos hoje algumas informações deste fascinante espaço.
Boa leitura.
Bom domingo!

MUSAL - Museu Aeroespacial

As principais funções do Museu Aeroespacial são: pesquisar, desenvolver, divulgar, preservar, controlar e estimular as atividades referentes à memória e cultura da aeronáutica brasileira, transmitindo para futuras gerações o que foi a vida, a obra e a contribuição para a sociedade nacional e internacional, daqueles que fizeram a História da Aviação.

O espaço físico destinado às instalações do Museu ocupa uma área de 15.195 m², incluindo um prédio de dois andares e cinco hangares em anexo. As salas de exposição do prédio abrigam as principais coleções históricas de pioneiros da aviação, e o salão principal reúne as aeronaves mais antigas do Museu.

Nos cinco hangares, estão em exposição a coleção de aeronaves, de relevante valor histórico e tecnológico. O Museu Aeroespacial recebe, em média, 60.000 mil visitantes por ano, com tipologia e faixa etária variadas. Desde o estudante que vem só ou em grupos escolares, até o mais aficionado pesquisador sobre o assunto, são frequentadores assíduos do Museu, com objetivos diferentes, mas sempre com grande interesse, já que aviação desperta ao público em geral, uma grande atração.

No tocante às pesquisas solicitadas ou efetuadas pelo próprio visitante, é colocado à disposição do interessado um valioso acervo bibliográfico com cerca de cinco mil títulos especializados, além de um importante arquivo histórico, contendo documentos escritos e impressos, fotografias, "slides", negativos, vídeos, filmes.

O Museu Aeroespacial possui uma equipe de restauradores que realiza os trabalhos de restauração de aeronaves e peças históricas, e aplicam técnicas e criatividade para realizarem, com fidelidade, restaurações consideradas extremamente difíceis.

Dentre os serviços que o Museu Aeroespacial oferece destacamos a projeção de filmes históricos, venda de suvenir e publicações na AEROLOJA. O Museu Aeroespacial fica localizado na Av. Marechal Fontenelle, 2000 - Sulacap - Campo dos Afonsos, Zona Oeste do Rio de Janeiro, e está aberto de terça a sexta-feira das 09:00 às 15:00 horas e, aos sábados, domingos e feriados, das 09:30 às 16:00 horas.

O Museu ainda oferece o serviço de visitas guiadas. As visitas com monitoramento, deverão ser agendadas na Seção de Recursos Educativos, pelos telefones: 2157-2587 e 2157-2895 - ramais 2125 e 2126, com 01(um) mês de antecedência.

Com a finalidade de prestar apoio ao Musal, seja no tocante à promoção de suas atividades ou na difusão de sua ação cultural junto ao público, foi criada em 28 de agosto de 2002, a Associação dos Amigos do Museu Aeroespacial - AMAERO.

sábado, 9 de abril de 2016

Embraer

KC-390 será exposto na Farnborough Airshow, Inglaterra
O cargueiro multimissão KC-390 atualmente em desenvolvimento que alcançou a marca de mais de 150 horas voadas, estará em exibição estática, no tradicional Farnborough International Airshow, que será realizado na Inglaterra, no período de 11 a 17 de Julho 2016. Esta é uma bem calculada jogada de marketing da Embraer. Mesmo com a restrição orçamentária que afetou o cronograma de desenvolvimento atrasando-o em 18 meses, para a certificação final da aeronave. Em meados do ano passado a Embraer tomou a decisão corajosa de continuar com o programa de desenvolvimento e a construção dos demais protótipos, mais um para ensaios em voo e dois para ensaios estáticos, com recursos próprios, devido às restrições orçamentárias para o Comando da Aeronáutica. Mesmo após a Força Aérea Brasileira ter conseguido amortizar parcelas em atraso, um outro efeito aconteceu. Os valores corrigidos pela valorização do dólar levara a dívida ficar estacionada no mesmo valor ou seja R$ 1,4 bilhão. O voo para cruzar o Atlântico com o protótipo ocorrerá pela confiabilidade e maturidade que os complexos sistemas de voo do KC-390 estão alcançando e demonstrando nas mais de 150 horas voadas em testes.

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Tecnologia Nacional

Atech apresenta soluções de simulação na FIDAE 2016
A Atech, empresa do Grupo Embraer, apresentou na FIDAE 2016 (Feira Internacional do Ar e Espaço), soluções voltadas para simulação de ambientes reais de operações militares. A FIDAE aconteceu entre os dias 29 de março e 03 de abril, em Santiago, no Chile. A Atech possui grande experiência no desenvolvimento de soluções de simulação para as Forças Armadas Brasileiras, com sistemas integrados para cenários militares, que permitem a simulação de ambientes de comando e controle; atividades de guerra eletrônica; operações envolvendo artilharia antiaérea, incluindo atividades de radares de vigilância; operação de organização militar, com ou sem apoio aéreo, de acompanhamento e interceptação aérea; e integração de sistemas de operações com utilização de blindados e aviação do Exército. Os sistemas integrados de simulação de cenário militar desenvolvidos pela Atech são compostos por diferentes subsistemas de simulação: alvos aéreos, terrestres e navais; detecção de sensores; comando e controle; voo; informações de guerra eletrônica; carros de combate; artilharia antiaérea; e periscópio. O Simulador de Operações Aéreas Militares (SOpM), apresenta-se como um exemplo das capacidades da organização, permitindo a geração de cenários para treinamento de Controladores de Defesa Aérea, contemplando funcionalidades como: simulação de interfaces externas; preparação, armazenamento e execução dos treinamentos; registro de dados para avaliação do aluno; execução simultânea de exercícios, entre outras.

Sobre a Atech www.atech.com.br
Reconhecida como a “System House” brasileira, a Atech sempre se pautou pela inovação com o objetivo de transformar o país. Com uma expertise única em engenharia de sistemas e tecnologias de consciência situacional e apoio a tomada de decisão, a Atech trabalha no desenvolvimento de soluções inovadoras com aplicações nas áreas de tráfego aéreo, sistemas de comando e controle, segurança cibernética, redes inteligentes (smart grid), sistemas de instrumentação e controle, logística e aplicativos para smartphones e dispositivos móveis (apps). A empresa é responsável pelo desenvolvimento e modernização de todo o sistema para o gerenciamento do espaço aéreo brasileiro. Também atua em diversos outros projetos estratégicos para o País, entre eles, integrou o projeto P-3 na Espanha, onde participou do programa da FAB (Força Aérea Brasileira) de transferência de tecnologia junto a EADS para modernização dos sistemas de missão de nove aeronaves de patrulha marítima. Pela sua atuação, a companhia é reconhecida e foi certificada como Empresa Estratégica de Defesa pelo Ministério da Defesa do Brasil.

Fonte: Press Agency Atech - Rossi Comunicação

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Internacional

Esquadrilha da Fumaça retorna ao Brasil
A demonstração em Córdoba, na Argentina, foi cancelada devido ao mau tempo

Depois de sete dias no exterior, o primeiro circuito internacional da Esquadrilha da fumaça com o A-29 Super Tucano acabou ontem, quarta-feira (06/04), com a chegada à Santa Maria (RS). O último compromisso da Fumaça seria a demonstração aérea na cidade de Córdoba, Argentina, na tarde de terça (05), mas foi cancelada por causa das condições meteorológicas desfavoráveis. “Era nossa intenção concluir o circuito com uma demonstração na cidade sede da Escola de Aviação Militar da Argentina. Infelizmente não foi possível, mas ainda assim ficamos muito felizes com o contato com nossos companheiros argentinos e esperamos voltar em breve”, fala o Tenente-Coronel Aviador Líbero Onoda Caldas, Comandante da Esquadrilha da Fumaça. “De todo modo, voltamos para casa orgulhosos. Nossa participação na FIDAE foi um sucesso. Missão cumprida”, completa. Antes de seguir para a Argentina, a Esquadrilha da Fumaça participou da maior feira de aviação, segurança e defesa da América Latina e hemisfério sul, a FIDAE, que aconteceu em Santiago, no Chile, entre os dias 29 de março e 03 de abril, quando realizou sobrevoo com os Halcones, grupo de demonstrações da Força Aérea Chilena, e duas demonstrações no final de semana para mais de 100 mil pessoas. Em Córdoba, os militares brasileiros foram recebidos pelo Brigadeiro D. Raúl Ricardo Maldonado, Diretor da Escola de Aviação Militar (EAV), e pelo Comodoro D. José Maria ACTIS, Subdiretor da instituição. “Toda a Escola estava esperando ansiosa pela demonstração, mas, ainda assim, estamos muito felizes em recebê-los em nossa casa. É sempre um prazer, uma honra e uma tradição encontrar nossos amigos da Fumaça, trocar experiências e cultivar a amizade entre nossos países”, ressalta o Subdiretor.

A cidade de Córdoba é considerada o berço da Aviação Militar da Argentina – por ser a sede da escola que forma os pilotos militares do país, o equivalente à Academia da Força Aérea (AFA) no Brasil – e um importante pólo industrial e aeronáutico. “A relação que existe entre a Força Aérea Argentina e a Força Aérea Brasileira é muito forte. Existe um reconhecimento mútuo do valor de cada força e um relacionamento próximo e parceiro que reflete diretamente na estabilidade regional e em outras áreas, como questões tecnológicas, já que temos projetos em conjunto importantes nessa área”, detalha o Coronel Aviador Julio Cesar Maiello Villela, Adido de Defesa e Aeronáutica do Brasil e Argentina. “São eventos como a disponibilidade da Fumaça de demonstrar aqui ou visitas e intercâmbios que contribuem com essa parceria. Eles [a EAV] ficam realmente muito felizes em nos receber e fazem de tudo para que as ações sejam um sucesso. É, de fato, uma irmandade”, ressalta.

Retorno - Com o fim do circuito, a Esquadrilha viajou ontem para Santa Maria (RS), realizando parada técnica para reabastecimento e descanso dos pilotos e mecânicos. Hoje, 07 de abril, chega à Pirassununga (SP), cidade sede do Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA), e retoma a agenda de treinamentos e demonstrações no Brasil. “Acabamos o processo de implantação, mas estamos consolidando o emprego da aeronave. Precisamos retomar o ritmo de demonstrações e buscar sequências novas e manobras específicas para o A-29. A Fumaça tem muitos planos e projetos para os próximos anos”, promete o Comandante, Tenente-Coronel Caldas.

Fonte: EAD

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Conexão FAB

Revista eletrônica mostra manobras de busca e salvamento
A edição de abril de 2016 da revista eletrônica Conexão FAB - preparada pelo Centro de Comunicação Social da Aeronáutica - mostra o treinamento de profissionais ligados à área de busca e salvamento realizado em Florianópolis (SC). A equipe foi ao Rio de Janeiro para mostrar como estão as obras do Complexo de Treinamento dos Afonsos, que será utilizado nas nos Jogos Olímpicos e Paralimpícos. Mostra também como serão as operações no aeroporto Santos Dumont durante as Olimpíadas. Foi, ainda, a um acampamento, em Brasília, onde futuros oficiais da FAB tiveram várias instruções antes de se formar.

terça-feira, 5 de abril de 2016

Concurso para cadetes da AFA

Inscrições, até 25/4, para admissão à Academia da Força Aérea
O Comando da Aeronáutica publicou, os editais com as instruções específicas para o Exame de Admissão para os Cursos de Formação de Oficiais Aviadores, Intendentes e de Infantaria do ano de 2017 da Academia da Força Aérea (AFA). As inscrições iniciam em 05/04/2016 e terminam em 25/04/2016. A taxa é de R$ 70,00. As vagas são destinadas a candidatos dos sexos masculino e feminino (para os Cursos de Aviador e de Intendente) e do sexo masculino (para o Curso de Infantaria). Os Cursos têm duração de quatro anos e são realizados em Pirassununga, no interior de São Paulo. Os interessados devem ter concluído ou estar em condições de concluir com aproveitamento o ensino médio do Sistema Nacional de Ensino até a data da Concentração Final do certame, em janeiro de 2017. Além disso, não possuir menos de 17 nem completar 23 anos de idade até 31 de dezembro de 2017. O processo seletivo é composto de provas escritas (língua portuguesa, física, matemática, língua inglesa e redação), a serem realizadas em dez de julho de 2016. Além disso, os candidatos farão inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica, teste de avaliação do condicionamento físico, teste de aptidão à pilotagem militar (somente para candidatos ao Curso de Formação de Oficiais Aviadores) e validação documental. Os aprovados em todas as etapas deste processo seletivo e selecionados pela Junta Especial de Avaliação (JEA) deverão se apresentar na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP), no dia 19 de janeiro de 2017, para habilitação à matrícula. Após a conclusão do Curso com aproveitamento, o Cadete será nomeado Aspirante a Oficial do Quadro de Oficiais Aviadores, Intendentes ou de Infantaria da Aeronáutica.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Tecnologia

Aves inspirarão aviões do futuro
Em 2015, 3,5 bilhões de passageiros usaram aviões como meio de transporte, segundo a International Air Transport Association (IATA). O número deverá dobrar até 2034, quando o Brasil, que é um dos países em que o setor tem crescido mais rapidamente, deverá superar os 200 milhões de passageiros por ano. O grupo do professor Daniel Inman no Departamento de Engenharia Aeroespacial da Universidade de Michigan tem buscado alternativas para o desenvolvimento de aeronaves mais eficientes a partir do estudo de quem voa há mais tempo no mundo: as aves. Segundo Inman, a ideia de modificar asas de aeronaves é muito antiga. “Em nossa pesquisa, não queremos copiar o modo como as aves batem as asas, mas sim analisar características na fisiologia desses animais que possam inspirar soluções tecnológicas, particularmente em aplicações com materiais inteligentes”, disse Inman. Enquanto os aviões atuais têm asas rígidas e usam partes conhecidas como flaps, slats e spoilers para o controle, as aves utilizam as penas – isoladamente ou em conjunto – para criar superfícies que controlam o voo. E, detalhe importante: fazem isso sem desperdício de energia. Esse é o principal objetivo da pesquisa de Inman: levar a eficiência do voo de aves para o setor aéreo.

Materiais plásticos
No Brasil, o grupo de Edson Cocchieri Botelho, professor na Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Guaratinguetá, tem estudado o uso de materiais plásticos altamente resistentes ao calor no setor aeronáutico. Conhecidos como materiais compósitos, por terem pelo menos dois componentes ou duas fases, esses materiais têm propriedades físicas e químicas distintas. São materiais poliméricos que se destacam por uma combinação favorável de baixa massa específica e elevado desempenho mecânico. Em uma pesquisa apoiada pela Fapesp, Botelho e equipe processaram compósitos termoplásticos envolvendo diferentes graus de cristalinidade e avaliaram a influência dessa cristalinidade no desempenho mecânico e térmico, envolvendo diferentes condições ambientais. O projeto foi realizado em conjunto com o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), com o Composites Institute de Kaiserslautern e com o Leibniz Institute of Polymer Research Dresden, ambos na Alemanha. “Temos estudado materiais compósitos tanto estruturais quanto reforçados com nanotubos de carbono, em pesquisas conjuntas com grupos nas universidades da Califórnia, Purdue, Case-Western e Washington, nos Estados Unidos”, disse à Agência Fapesp.

Texto: adaptado do original de Heitor Shimizu, da Agência Fapesp.

domingo, 3 de abril de 2016

Especial de Domingo

A participação brasileira na FIDAE - Feira Internacional de Aeronáutica e Espaço - 2016, realizada no Chile, evidencia a nossa capacidade e criatividade, qualidades essenciais para superarmos - em todas as áreas - estes tempos difíceis que o Brasil atravessa.
Boa leitura.
Bom domingo!

FIDAE 2016: Pavilhão Brasil é destaque na feira
O Pavilhão Brasil (F), coordenado pela ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) e APEX-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e com o apoio do Ministério da Defesa, juntamente com o CECOMPI (Brazilian Aerospace Cluster), foi um dos grandes destaques da Feira Internacional de Aeronáutica e Espaço (FIDAE) 2016.

Composto por cerca de 60 empresas nacionais, o local recebeu a visita de representantes das Forças Armadas do Brasil e do Chile, além de empresários, autoridades nacionais e internacionais. Para o vice-presidente executivo da ABIMDE, Carlos Afonso Pierantoni Gambôa, os primeiros dias do evento superaram as expectativas com os empresários realizando importantes contatos comerciais e com o setor fortalecendo sua presença no exterior.

Vale destacar que o Pavilhão Brasil recebeu a importante visita da presidente do Chile, Michelle Bachelet, da secretária do SEPROD (Secretaria de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa), Perpétua Almeida, do diretor do Departamento de Promoção Comercial da SEPROD, vice-almirante Antônio Carlos Soares Guerreiro e do chefe do Departamento de Ciência e tecnologia do Exército Brasileiro, general-de-exército Juarez Aparecido de Paula Cunha. O Pavilhão Brasil também recebeu a delegação dos Emirados Árabes.

“A vinda de um grande número de empresas do setor projeta o país no mercado mundial, mostrando a qualidade de nossos produtos e nossas soluções. Além disso, reforça os laços de parceria e integração entre as diversas nações presentes no evento”, avaliou Pierantoni.

A FIDAE é um dos principais destinos para aqueles que desejam investir em negócios de Defesa e Segurança. Com mais de 35 anos de existência, o evento reúne expositores e parceiros em potencial, vindos dos cinco continentes. Estreitar o contato com tais empresas e representantes governamentais é o grande objetivo dos empresários brasileiros. Para se ter ideia das ações brasileiras no setor, as 60 empresas que integram o Projeto Setorial ABIMDE – APEX (o qual facilita a exposição de produtos e serviços da BID no exterior) exportaram juntas cerca de US$ 4 bilhões em 2014, o que representa 90% das exportações brasileiras do setor de Defesa e Segurança. Deste montante, US$ 2,4 bi se referem a produtos de alta tecnologia.

“Levar as empresas para feiras como a FIDAE, no Chile, é uma excelente oportunidade. A ABIMDE, com apoio da APEX-Brasil, incentivou as empresas a participarem do Pavilhão Brasil expondo os produtos desenvolvidos com alta tecnologia. Estamos na feira, juntamente com empresas do CECOMPI, mostrando o que existe de melhor no País. Os produtos e serviços têm a garantia do Ministério da Defesa também presente ao evento”, afirmou Carlos Afonso Pierantoni Gambôa. Segundo ele, a FIDAE é considerada como o primeiro passo para as exportações de produtos e serviços relacionados à defesa e segurança, e o mercado da América do Sul como o primeiro passo para que as empresas nacionais expandam sua atuação para além das fronteiras brasileiras, com a formação de parcerias alicerçadas na UNASUL.

Dentre as áreas potenciais para negócios estão: radares, armas não letais, aeronaves de treinamento, sistemas de simulação, proteção cibernética, mísseis, aviação militar, embarcações de patrulha e veículos blindados, entre outros.

“A ABIMDE busca promover os estudos e ações que nos permitirão enxergar com exatidão quais medidas podem ser propostas ao governo para aumentar a competitividade e exportações de produtos brasileiros. Já estamos construindo o caminho. No Pavilhão Brasil na FIDAE 2016, junto a nossa hospitalidade apresentamos a nossa capacidade e criatividade”, concluiu Pierantoni.

Fonte: Tecnologia & Defesa

sábado, 2 de abril de 2016

História

Aeronaves históricas C-115 Buffalo e C-95 Bandeirante são atrações em Manaus e Bauru

A Praça Integração das Forças Armadas, em Manaus, e a Duarte Silva, em Bauru, estão abertas a visitação do público

A Força Aérea Brasileira (FAB) e a Marinha do Brasil receberam uma homenagem do Exército Brasileiro em Manaus (AM). O Comando Militar da Amazônia (CMA) inaugurou em 18 de março, dentro do Quartel-General, a Praça Integração das Forças Armadas e no espaço foi colocada uma aeronave C-115 Buffalo, da FAB. O avião pertencia ao Primeiro Esquadrão do Nono Grupo de Avião (1°/9° GAV), Esquadrão Arara. Entre outras missões, o Buffalo contribuiu decisivamente para a integração, construção e apoio aos Pelotões Especiais de Fronteira do Exército, localizados em regiões limítrofes com países como Colômbia, Venezuela e Peru. Uma lancha de patrulha fluvial amazônica da Marinha também foi colocada no local. A Praça Integração das Forças Armadas foi idealizada pelo Comandante do CMA, General de Exército Guilherme Theophilo, e começou a ser construída em 2015. As três Forças Armadas trabalharam na construção do espaço. A FAB cuidou da logística de transporte do C-115 Buffalo da Base Aérea de Manaus (BAMN) para o CMA. De acordo com o Comandante do Exército, General de Exército Eduardo Villas Bôas, o espaço contribui para apresentar o trabalho das Forças Armadas na região. “A sociedade precisa saber de que forma nós militares contribuímos para o desenvolvimento da Amazônia. Esta aeronave da Aeronáutica e essa embarcação da Marinha são dois pilares históricos que ajudaram o Exército no estabelecimento dos Pelotões Especiais de Fronteira e, consequentemente, na manutenção de nossa soberania”, disse. Durante a cerimônia de lançamento, o Comandante do Exército entregou a Medalha do Serviço Amazônico ao Comandante do Sétimo Comando Aéreo Regional (VII COMAR), Major-Brigadeiro do Ar Antônio José Mendonça de Toledo Lobato, e ao Comandante do Nono Distrito Naval (9° DN), Vice-Almirante Wagner Lopes de Moraes Zamith.
Serviço - A Praça Integração das Forças Armadas está aberta para visitação pública, bastando fazer agendamento pela página do CMA na internet www.cma.eb.mil.br. O CMA está localizado na Avenida Coronel Teixeira, N° 4715 - Ponta Negra - Manaus.

Monumento Avião Bandeirante
Um avião C-95 Bandeirante, construído pela Embraer, é a nova atração turística do município de Bauru (SP), localizado a 326 km da capital. O monumento foi inaugurado em 19 de março, na praça Duarte Silva, e é uma homenagem a Ozires Silva, militar reformado da FAB e um dos criadores da Embraer e do Bandeirante, a primeira aeronave projetada no Brasil. Projetado no fim da década de 60, o Bandeirante voou pela primeira vez em 22 de outubro de 1968. A Embraer seria fundada dez meses depois para produzir a aeronave em série. Ao todo, 498 unidades foram produzidas e vendidas no Brasil e no exterior. Uma delas ficaria famosa em 2012, com uma participação no filme Batman - The Dark Knight Rises. A unidade preservada em Bauru entrou em operação na FAB em 11 de outubro de 1976 e operou inicialmente no Esquadrão Orugan (1°/7° GAV), baseado em Salvador (BA), depois no Esquadrão Pégasus (5° ETA), de Canoas (RS), e posteriormente na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP).
Serviço - A Praça Duarte Silva fica na avenida Mário Mattosinho, na ligação das Avenidas Getúlio Vargas e Marechal Rondon, na região da Vila Aviação - Bauru.