Voar é um desejo que começa em criança!

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Carreiras na Aviação

CIAAR forma a turma Exodus, de oficiais especialistas em aeronáutica
Mais uma turma de oficiais especialistas em aeronáutica é formada pelo Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica CIAAR, localizado em Belo Horizonte (MG). A turma Exodus é composta por 40 novos oficiais da Força Aérea Brasileira das especialidades de Armamento, Aviões, Controle de Tráfego Aéreo, Comunicações, Fotointeligência e Suprimento Técnico. O encerramento do curso superior de tecnologia, com duração de dois anos, será amanhã e depois, 01 e 02 de dezembro de 2016, com solenidades de diplomação acadêmica, homenagens, celebrações religiosas e formatura de entrega de espadas.

Visão
Em suas palavras à turma, o comandante do CIAAR, brigadeiro Ivan Moyses Ayupe, frisou que “ao escolherem nome Exodus para representá-los, os formandos demonstram que têm a qualidade mais importante do líder que é a “visão”. São motivados pela decisão do ir. Lutar pela realização de um sonho, de um novo mundo, de uma carreira ainda a ser descortinada, todavia, repleta de vitórias, mesmo enfrentando grandes desafios”. Essa nova turma de oficiais especialistas decorre das oportunidades profissionais oferecidas pela Força Aérea, na qual ingressaram para o curso de sargentos e, mediante concurso, progrediram na carreira e podem chegar até o posto de coronel.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Aeronaves

Voa o primeiro Airbus A350-1000
O voo inaugural do primeiro Airbus A350-1000, a maior versão da série A350, foi realizado dia 24 de novembro de 2016. A aeronave decolou e pousou em Toulouse, na França, sede da fábrica, e voou por aproximadamente duas horas. A versão A350-1000 é quase sete metros mais longa que o A350-900, em operação desde 2015. A fuselagem tem 73,7 metros de comprimento e a envergadura das asas foi mantida em 64,7 metros. A versão 1000 do A350 é o quinto maior avião do mundo em operação, atrás dos gigantes Antonov AN-225, Boeing 747-8, Boeing 777 e o Airbus A340-600. O A350-1000 tem um metro a mais que o A380 e pesa 308 toneladas. É capaz de transportar até 440 passageiros e carrega 156 toneladas de querosene nos tanques. A fabricante já recebeu 195 pedidos pela maior versão do A350, que entrará em operação comercial a partir do segundo semestre de 2017. A Qatar Airways será a primeira companhia a voar com o A350-1000 e encomendou 34 aeronaves.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Espaço

DCTA inicia operação para lançar foguete suborbital
O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) realiza, até meados de dezembro de 2016, no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, a Operação Rio Verde. Os objetivos são lançar e rastrear um foguete de treinamento e o foguete suborbital VSB-30 V11, assim como resgatar uma carga útil MICROG2 no mar. Durante a Rio Verde, coordenada pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), o lançamento do foguete de treinamento visará verificar todos os meios relacionados à operação de lançamento, bem como testar procedimentos e treinar todas as equipes envolvidas na campanha. Em seguida, deverá ser lançado o foguete nacional VSB-30 V11, desenvolvido pelo IAE, em parceria com o Centro Aeroespacial Alemão (DLR). O veículo levará a bordo oito experimentos científicos e tecnológicos selecionados pelo Programa Microgravidade da Agência Espacial Brasileira (AEB), que possibilitarão aos cientistas e pesquisadores brasileiros realizarem estudos e pesquisas em ambiente de microgravidade, acima de 100 quilômetros, por até seis minutos, em condições bem específicas. É a 23ª operação de lançamento do VSB-30, primeiro foguete nacional certificado para lançamentos no exterior e já lançado da Suécia, Noruega e Austrália, em parceria com a Agência Espacial Alemã. No Brasil, será o quarto lançamento do VSB-30, todos realizados em Alcântara.

Texto: Adaptado do original em www.fab.mil.br

domingo, 27 de novembro de 2016

Especial de Domingo

Hangar do dirigível Zeppelin faz 80 anos
O hangar do dirigível Zeppelin, localizado na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, completa 80 anos. É um dos mais bem preservados em todo o mundo. Apesar de a data de aniversário ser 26 de dezembro, a Base Aérea de Santa Cruz antecipou as comemorações para amanhã, dia 28 de novembro de 2016. Estão previstos uma exposição de fotos e o lançamento do livro “No céu do Rio - Registro histórico do Zeppelin no Rio de Janeiro”, de Jobson Figueiredo, Igor Colares e Helton Cezário, com versões em português, inglês e alemão. “Este hangar era onde se guardava e se protegia o Zeppelin. O dirigível fazia a atracação na torre e de lá havia o reboque até o hangar”, conta o professor Fernando Mauro, especialista em história militar. O hangar na Base de Santa Cruz foi projetado e montado com peças vindas diretamente da Alemanha. Foi utilizado apenas nove vezes - quatro pelo LZ-127 Graf Zeppelin e cinco pelo famoso LZ-129 Hindenburg.

Patrimônio histórico
Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o prédio possui 274 metros de comprimento, 58 metros de altura e 58 metros de largura. O portão principal, em duas folhas, pesa 80 toneladas. A abertura é feita com motores ou manualmente. No topo, a 61 metros, fica a torre de comando. O sucesso das primeiras viagens dos dirigíveis entre a Alemanha e o Brasil, em 1931 e 1932, levou a companhia alemã Luftschiffbau-Zeppelin a construir o hangar. Estudos apontaram Santa Cruz como o lugar ideal para pouso e abrigo das aeronaves. O presidente Getúlio Vargas inaugurou a estrutura em 26 de dezembro de 1936. Com o hangar inaugurado, a companhia lançou a linha regular entre Frankfurt e o Rio de Janeiro, com escala em Recife.

Mas duraria pouco. O acidente do Hindenburg em Nova Jersey, em 1937, trouxe insegurança ao transporte com aeronaves infláveis. A Base de Santa Cruz decidiu antecipar a comemoração pela passagem dos 80 anos para aproveitar a estrutura de um evento. A programação no dia 28 começa com ato ecumênico, às 14h. Após abertura de exposição fotográfica e lançamento do livro, a banda da Base Aérea de Santa Cruz se apresenta, às 16h, com a bateria da escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz.

Balão rígido
O Zeppelin é um tipo de balão dirigível rígido. O nome é homenagem ao conde alemão Ferdinand Von Zeppelin, pioneiro no desenvolvimento de dirigíveis rígidos no início do século XX. Os zepelins fizeram os seus primeiros voos comerciais em 1910, pela Deutsche Luftschiffahrts AG (DELAG), a primeira companhia aérea do mundo em serviço comercial. Quatro anos após o início das operações, a DELAG já havia transportado mais de 10.000 passageiros pagantes em mais de 1500 voos. Nos anos 1930 os dirigíveis Graf Zeppelin e o Hindenburg realizaram voos transatlânticos regulares da Alemanha para a América do Norte e para o Brasil. O desastre do Hindeburg,em 1937, além de questões políticas e econômicas, acelerou a extinção dos dirigíveis.

Característica
A principal característica do projeto Zeppelin era uma estrutura de metal rígido coberta com tecido. Essa estrutura consistia, na maioria das vezes, de duralumínio e era composta por anéis transversais e barras longitudinais contendo uma série de cavidades de ar individuais. A vantagem desse projeto, era que o dirigível poderia ser muito maior que os dirigíveis não-rígidos, uma vez que estes dependiam de uma quantidade de pressão excessiva dentro da única cavidade pressurizada, chamada envelope, para manter a forma. Os Zeppelins eram propulsados por vários motores, montados em gôndolas ou em naceles, as quais eram atadas à parte externa da estrutura. Alguns deles possuíam impulso assimétrico, utilizado para manobras. Possuíam também um compartimento comparativamente pequeno para passageiros e tripulantes, localizado na parte inferior da estrutura. Nos últimos Zeppelins, passageiros ou cargas eram frequentemente transportados internamente por razões aerodinâmicas.

Fontes: jornal Extra e Wikipedia

sábado, 26 de novembro de 2016

Gripen NG

Inaugurado o centro de projetos do caça sueco-brasileiro
A Força Aérea Brasileira (FAB) e as empresas Saab e Embraer inauguraram, dia 22 de novembro de 2016, em Gavião Peixoto (SP), o Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (na sigla em inglês: GDDNGripen Design Development Network). É o principal marco no processo de transferência de tecnologia entre Brasil e Suécia do projeto Gripen NG. É o primeiro da lista de 60 projetos de offset (compensações de natureza industrial, tecnológica ou comercial) avaliados em U$$ 9 bilhões.“É o principal projeto em termos de compensação comercial. É por meio desta base, o GDDN, que vamos garantir o desenvolvimento conjunto do Gripen NG com os suecos”, analisa o gerente do projeto F-X2 da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Coronel Júlio César Cardoso Tavares.

Transferência de tecnologia
O GDDN abrigará em torno de 300 engenheiros e técnicos dedicados à nova aeronave de caça do Brasil, cujas 36 unidades devem ser entregues em cinco anos a contar a partir de 2019. Deste total, 23 serão produzidos pela Embraer, sendo 15 totalmente fabricados no Brasil. O centro brasileiro está conectado à Saab na Suécia e aos parceiros industriais no Brasil. O processo de transferência de tecnologia iniciou há um ano com a ida de mais de cem engenheiros brasileiros para a Suécia. Até 2024, 350 profissionais participarão de cursos e treinamentos on-the-job no centro de pesquisa nórdico. Eles são peças-chave para que o País crie competências e capacidades técnicas para, ao final do programa, dominar todo o conhecimento crítico necessário para o desenvolvimento de aviões de caça. O projeto Gripen permitirá ao Brasil ter autonomia para construir aviões de caça de alta desempenho no futuro.

Texto: Adaptado do original em www.fab.mil.br

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Acrobacia Aérea

Convenção para Agenda de Show Aéreo Brasileira
Com o objetivo de discutir e analisar a importância de uma programação de qualidade na área de shows aéreos, a Esquadrilha da Fumaça e a Força Aérea Brasileira, por meio do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), promovem a 1ª Convenção para Agenda de Show Aéreo Brasileira, a “ASA BRASIL”, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2016, no Aeroclube de São Paulo. De acordo com o comandante da Esquadrilha da Fumaça, Tenente-Coronel Líbero Onoda Luiz Caldas, a convenção será de imensa importância para unir todos os profissionais da área, visando criar uma programação anual de atividades aéreas de forma a continuar inspirando crianças, jovens e adultos para que possam conhecer novas possibilidades de carreira, admirando e respeitando a aviação.

Objetivos
O público-alvo da convenção será composto por organizadores, patrocinadores e demonstradores de shows aéreos interessados em realizar eventos profissionais e de qualidade na área. Os objetivos incluem vários temas, como planejamento e compatibilização de agendas, otimização dos meios, elevação da confiabilidade, segurança de voo e aumento da qualidade dos eventos aeronáuticos. A audiência terá acesso a palestras sobre o potencial brasileiro para show aéreo; o modelo americano e europeu da área; planejamento e organização; regras da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para realização de shows; regulamentação de competência acrobática proposta; segurança para apresentadores e para o público; apresentação sobre as instituições aeronáuticas e aerodesportivas brasileiras atuais; marketing e captação de recursos; organização de Portões Abertos na FAB e palestra institucional sobre a Esquadrilha da Fumaça.

Inscrições e Informações: http://www.fumaca.org/asa/

Texto: Adaptado do original em www.fab.mil.br

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Paraquedismo

Novo recorde paulista de Queda Livre
Uma formação de 36 paraquedistas estabeleceu o novo recorde paulista de Formação de Queda Livre (FQL). O evento ocorreu no dia 15 de novembro de 2016, em Boituva (SP). Três militares que compõem a Equipe de Paraquedismo Feminino da Força Aérea Brasileira (FAB) participaram da formação de duas figuras no ar. Do time de recordistas fizeram parte as sargentos Ana Lígia Pulgaci, Juliana de Souza Sé e Patrícia Porto de Andrade.

Foto: Emerson Moraes

Fonte: Agência Força Aérea

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Santos Dumont

Cidade francesa de Bois D´Arcy homenageia Santos Dumont
Um busto em homenagem ao Pai da Aviação, Alberto Santos Dumont, foi inaugurado, no dia 15 de Novembro de 2016, na comunidade de Bois D´Arcy, distante cerca de 30 quilômetros de Paris, na França. O inventor brasileiro viveu na região entre 1907 e 1910, quando construiu sua série de monoplanos Demoiselle. "É um ato que marca a amizade entre o Brasil e a França e mostra que os conhecimentos técnicos foram compartilhados desde cedo entre os dois países", disse o Embaixador do Brasil na França, Paulo César Campos, durante a cerimônia que reuniu integrantes do corpo diplomático brasileiro e adidos militares.

14-Bis e Demoiselle
A prefeitura local expôs dois modelos projetados por Santos-Dumont, o 14-Bis e o Demoiselle, entre os dias 15 e 19 de novembro. Segundo registros históricos, em 1907, Auguste Laureau, o prefeito de Bois d´Arcy à época, forneceu a Santos-Dumont o terreno em que ele construiu um galpão para trabalhar em seus projetos. Foi também, a partir dali, que, em setembro de 1909, realizou o voo de oito minutos a bordo de um Demoiselle entre Bois d´Arcy e Buc.

Fonte: Agência Força Aérea

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Carreiras na Aviação

Comissão aprova alterações para trabalho de aeronauta
A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, dia 16 de novembro de 2016, proposta que regulamenta o exercício da profissão de aeronauta, incluindo pilotos, copilotos, comissários e mecânicos de voo. A regulamentação entrará em vigor após votação e aprovação em plenário. Hoje, a profissão é disciplinada pela Lei 7.183/84. A matéria retornará para nova análise dos senadores. O texto aprovado preservou a previsão do projeto inicial para que as empresas de aviação regular e de serviços de transportes exclusivos de cargas planejem as escalas de voos dos tripulantes com base em Programa de Gerenciamento de Risco da Fadiga Humana, com conceitos recomendados pela Organização de Aviação Civil Internacional (OACI).

Jornadas
O texto reduziu em cinco horas a escala mensal de trabalho para aviões a jato (de 85 para 80) e turboélice (de 90 para 85). As escalas de aviões convencionais (100 horas) e helicópteros (90 horas) foram mantidas. O substitutivo também estabelece novos parâmetros de limites de horas de voo e pousos: - 8 horas de voo e 4 pousos, para tripulação simples; - 11 horas de voo e 5 pousos, para tripulação composta; - 14 horas de voo e 4 pousos, para tripulação de revezamento; - 7 horas de voo sem limite de pouso para helicópteros. Outra mudança do substitutivo foi reduzir o número de folgas mensais de 12, como previa a proposta original, para 10. Atualmente, esses trabalhadores da aviação têm, no mínimo, 8 dias de repouso remunerado por mês.

Aviação agrícola
A CCJ manteve emendas da Comissão de Trabalho que desobrigam tripulantes da aviação agrícola de cumprirem algumas medidas previstas na regulamentação da profissão. Assim, no caso de tripulantes de aviões agrícolas, regras ligadas à escala de serviço, ao sobreaviso – período em que o tripulante permanece à disposição do empregador, podendo se apresentar em até 90 minutos –, e a outros aspectos da jornada de trabalho poderão ser definidos em acordo ou convenção coletiva de trabalho, desde que não ultrapassem os parâmetros de segurança de voo determinados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O determina que os pilotos agrícolas possam ter a parcela variável de seu salário calculada em área produzida ou aplicada e não em horas de voo.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

AeroDesign 2016

Os vencedores da competição de projetos de pequenos aviões
As equipes campeãs do AeroDesign 2016 foram duas de São Carlos, uma de Campinas e uma de São João Del Rei. Os grupos campeões garantiram vaga no mundial da modalidade, a ser disputado em abril de 2017 na Flórida, Estados Unidos. Duas equipes chegaram à primeira posição na categoria Regular: alunos da Universidade de São Paulo (USP) - São Carlos e da Universidade de Campinas (Unicamp). Na categoria Avançada, o título ficou também com a USP São Carlos. Na categoria Micro, o campeão foi o time da Universidade Federal de São João Del Rei.

Intercâmbio
Cerca de 1.300 universitários do Brasil e do exterior participaram do evento realizado de 3 a 6 de novembro de 2016, nas instalações do DCTA – Departamento de Ciência e Tecnologia Espacial, localizado em São José dos Campos (SP). A SAE - Brasil Aerodesign Competition é uma competição com o objetivo de difundir o intercâmbio de conhecimentos e técnicas de engenharia aeronáutica. Na competição, o aluno envolve-se no desenvolvimento de projetos aeronáuticos reais, trabalhando em design, construção e desempenho.

Saiba mais: Blog do NINJA de 06/11/2016 

domingo, 20 de novembro de 2016

Especial de Domingo

Hoje, publicamos novamente artigo selecionado do INCAER - Instituto Histórico-Cultural da Aeronátuica, de autoria do Cel Av R1 Marco Aurélio de Mattos, sobre Hélio Marincek, que aos 13 anos de idade eletrizou a imprensa na década de 1930.
Boa leitura!
Bom domingo!

O PILOTO MENINO
Começamos com a manchete estampada no exemplar nº 140 de julho de 1939 do periódico ASAS.
“Hélio Marincek, símbolo da nova geração brasileira. Pilotando, sozinho, o seu avião “Fairchild”, fez o percurso São Paulo - Rio de Janeiro como se uma longa prática o sagrara aviador. Tem a vocação do ar. O destino lhe deu a grande pátria, ensinou-lhe o caminho a dominá-lo. Paira sobre a mocidade do Brasil, a obra de um grande brasileiro; de um gênio Santos-Dumont que nos legou o símbolo do progresso – a aviação.”

Ainda neste ano, no Diário da Noite de 15 de julho, assim discorria Austregésilo de Athayde:

“O rapaizinho (sic) desceu sorrindo de sua máquina de voar. Viajara 500 Km, por sobre montanhas e mares, como se apenas houvesse, no seu cavalinho piquira, dando uma volta na fazenda... Hélio Marinceck é um exemplo da audácia moderna... Ele monta aviões como nós montávamos bicicletas... Dá um exemplo de virilidade que deve ser moralmente recompensado.”
Uma curiosidade marcante: embora piloto formado, ainda usava “calças curtas”.Observa-se o nome pintado na fuselagem da aeronave!

Filho da Srª Antonieta e de Antônio Marincek, Diretor da Escola de Aviação Civil Marinceck, em Uberlândia, concluiu o Curso de Pilotagem com apenas treze anos e, no dia 14 de maio de 1939, aos 14 anos de idade, durante uma festa promovida pela escola, executou uma série de manobras acrobáticas. Devido à pouca idade, não teve seu brevet expedido na época.
Antonio teve que adaptar os pedais da aeronave para seu filho, tornando-os 15 cm mais próximos do piloto, para que Hélio os alcançasse. Seu primeiro voo solo foi em 1937. Várias manchetes, em muitos jornais da época, devido ao interesse da sociedade pelo desenvolvimento da aviação no país e também pela inusitada idade (13/14 anos) com que solou e realizou o seu reide aéreo Rio/São Paulo(1939), deram destaque ao novato aviador.
A sua fama se espalhou pelo Brasil, e Marincek era recebido como verdadeira personalidade pública,admirado e querido dos populares e do governo.
 
Após uma exibição aérea, o “piloto-menino” foi fotografado junto ao seu pai, Antônio, ao General Iasauro Reguera e a outras autoridades que assistiram às acrobacias no Campo dos Afonsos. Seu irmão Homilton, com apenas 12 anos de idade, começou a voar com ele, tornando-se a dupla mais jovem de pilotos da história. Um fato curioso é que a instituição de recordes do Guiness Book achou por bem não reconhecer publicamente o recorde, com a preocupação de não estimular pessoas muito jovens a voar e causar um possível acidente com crianças! Cabe notar que esse recorde jamais será batido, pois as legislações não mais permitem voos solos a menores.
Junto aos pais Antônio e Antonieta,e o irmão Homilton,uma família de predestinados a voar. Recebido pelo presidente Getúlio Vargas, durante uma conversa, este disse que gostaria de realizar um voo com Marincek. O engenheiro do DAC, que acompanhava o diálogo, interveio exclamando: – Presidente, ele é um menino! Ao que respondeu Getúlio: – NÃO, ele é um aviador...
O Ministro da Guerra, General Eurico Gaspar Dutra, ofereceu a Hélio e a seu irmão Homilton, os dois pequeninos ases da aviação, matrículas no Colégio Militar. Feliz pelo prêmio conquistado, declarou: – “tudo farei para corresponder às esperanças depositadas em mim. Quero ser útil ao meu Brasil”.
Em 1958, foi agraciado com a comenda do Mérito Santos-Dumont, fixada no seu uniforme pelo Maj Brig Ar Ignácio de Loyola Daher.
No ano seguinte, é agraciado com a Ordem do Mérito Aeronáutico. Marincek entrou para a Força Aérea Brasileira e foi declarado Aspirante-a-Oficial na Turma de 1947.
Passou para a reserva em 1969, após uma carreira ímpar de realizações e de muito idealismo. Duas aeronaves, o Beechcraft C-45 Expeditor, matrícula FAB 2856 e o Consolidated CA-10 Catalina, matrícula FAB 6527, ambas em exposição no Museu Aeroespacial (MUSAL), foram comandadas pelo Cel. Marincek, ao longo de suas sete mil horas de voo, muitas delas na Amazônia.
Na reserva, dedicou-se à pintura, vindo a falecer em abril de 2010. Em rápidas notas, este foi Hélio Marincek, o Piloto Menino, um brasileiro que faz parte da história da aeronáutica mundial.

Texto: Cel Av R1 Marco Aurélio de Mattos.

Fonte: INCAER

sábado, 19 de novembro de 2016

Embraer

A Embraer anunciou nesta semana que assinou um contrato com a United Airlines para a venda de 24 jatos E175. Esta encomenda representa uma transferência de 24 jatos E175 previamente alocados para a Republic Airways Holdings (Republic), atualmente na carteira de pedidos da Embraer, que agora serão cancelados. Os 24 aviões para a United Airlines estão programados para ser entregues em 2017. O contrato tem um valor total de USD 1,08 bilhão, a preço de lista. Este movimento estará refletido nos resultados da Embraer do quarto trimestre de 2016 e não terá impacto incremental na atual carteira de pedidos da Empresa. A Embraer é líder mundial na fabricação de jatos comerciais com até 130 assentos. A companhia possui mais de 100 clientes em todo o mundo operando os jatos das famílias ERJ e de E-Jets. Somente para o programa de E-Jets, a Embraer já registrou mais de 1.700 pedidos firmes e 1.200 entregas, redefinindo o conceito tradicional de aeronaves regionais, que operam em diversas aplicações de negócios.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

FAB em Ação

Desafios do voo no Continente Antártico
O programa FAB em Ação, produzido pelo Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, mostra como é a operação dos Hércules C130 da Força Aérea Brasileira na Antártica, enfrentando meteorologia desfavorável com ventos fortes e pista curta sobre o gelo.

Saiba mais: Blog do NINJA de 07/11/2016

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

FAB em Ação

Curso de Adaptação ao Ambiente de Selva
O programa FAB em Ação, produzido pelo Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, mostra o que um tripulante deve fazer em caso de acidente aéreo na selva amazônica. Uma equipe acompanhou, no município de Novo Airão (AM), a 80 quilômetros de Manaus, um Curso de Adaptação Básica ao Ambiente de Selva (CABAS).

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Antonov AN-225 Mriya

O maior de todos os aviões pousa no Brasil
O Antonov 225, Mriya, um gigante dos céus, a maior aeronave do mundo, capaz de transportar 250 toneladas deixou o Brasil, após operação, anteontem, 14, em Campinas e ontem, 15, em Guarulhos. O AN-225 tem 88,4 metros de envergadura, 84 metros de comprimento e 18,1 metros de altura, equivalente a um edifício de seis andares. Construído entre 1984 e 1988, o avião foi projetado para transportar o ônibus espacial soviético Buran. A razão pela passagem no Brasil é o transporte de um gerador de 150 toneladas de uma empresa de automação empresarial desde Guarulhos até Santiago do Chile, a segunda maior carga a ser transportada na história da aviação. O aparelho é o único Antonov 225 em operação. É a segunda vez que vem ao Brasil. A primeira vez aconteceu em fevereiro de 2010. Veja a seguir imagens do Antonov 225 captadas no Aeroporto Internacional de Guarulhos e enviadas ao Blog do NINJA por Carlos Wallestein.

Saiba mais: Blog do NINJA de 14/11/2016 e de 28/10/2016

Imagens: enviadas por Carlos Wallestein

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Transporte Aéreo

Governo prepara o desenvolvimento da aviação regional
Um plano de incentivo à aviação regional está em fase de preparação pelo governo federal, prevendo subsídio às companhias e reforma de 53 aeroportos no país. O projeto inclui investimento de cerca de R$ 300 milhões até o fim de 2017 para adequação de pistas e terminais. Também prevê incentivo financeiro de R$ 50 milhões anuais - cerca de R$ 1 milhão por praça - às empresas que operem linhas regionais, com base nas passagens vendidas. O Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional foi discutido, dia 11 de novembro de 2016, em um seminário realizado na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso, em Cuiabá.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

500 mil


O Blog do NINJA acaba de atingir as 500 mil visualizações. Agradecemos aos leitores e voluntários do Núcleo Infantojuvenil de Aviação pelo apoio e incentivo. Continuamos contando com todos para a divulgação dos Detalhes do Projeto. Vamos em frente, levando a cultura aeronáutica para mais crianças e jovens, despertando vocações, revelando talentos!

Antonov AN-225 Mriya

Maior avião do mundo pousa no Brasil
Antonov chega nesta segunda-feira (14/11) a São Paulo, onde será carregado com um transformador de 155t que vai tirar uma cidade chilena inteira da escuridão.
Carga é recorde na história da aviação do país.

O Antonov AN-225 Mriya, o maior avião do mundo, único do seu modelo, dedicado ao transporte de cargas de grandes proporções, pousa no aeroporto de Viracopos, em Campinas, na manhã desta segunda-feira e à noite segue para o terminal de Guarulhos, onde será carregado com um transformador de 155 toneladas que vai tirar uma cidade chilena inteira da escuridão. Segundo o aeroporto, será a maior carga já transportada na história da aviação brasileira e a segunda no mundo. Essa será a segunda vez que o AN-225 vem para o Brasil – o modelo visitou o país pela primeira vez em 2010, quando trouxe equipamentos de grande porte comprados pela Petrobras. O pouso do Antonov não afeta a operação regular do aeroporto, mas requer cuidados especiais. “Tivemos de redesenhar o pátio, já que a operação de carregamento deve ocupar o espaço de sete aeronaves”, explica o comandante Miguel Dau, diretor de Operações da GRU Airport, concessionária do aeroporto, que em 2015 passou por obras de alargamento das pistas para receber aviões de grande porte, como o AN-225 e o Airbus A380, o maior avião de passageiros do mundo. Sem a reforma, a única alternativa seria transportar o transformador pelo mar – as estradas dos Andes não comportariam um caminhão grande o suficiente. A operação será transmitida pelo Facebook da concessionária. O AN-225 é impulsionado por seis motores a jato, tem 84 metros de comprimento e mais 88 metros de envergadura de asas. Pode transportar cargas de até 300 toneladas – pode decolar com peso máximo de 600 toneladas, incluindo a carga, volume de combustível e o próprio peso do avião. Assim como aconteceu quando a Emirates voou de Dubai para Guarulhos com o A380, a chegada do Antonov deve atrair curiosos apaixonados por aviação. Sem acesso às áreas restritas, observadores como Douglas Barbosa, de 25 anos, se encontram às margens do aeroporto para assistir ao pouso. “É um momento único, que atiça a curiosidade até de quem não é aficionado por aviação”, diz o assistente administrativo, que organiza eventos de observação pelo país e deve acompanhar o pouso do AN-225 em Viracopos. “Ver o Antonov de perto vai ser surreal. Ele é o ápice da aviação. É inacreditável que algo tão grande possa voar.” Além do Antonov, outros aviões icônicos passaram por Guarulhos nestes dias, como o Boeing 757 da banda Guns N’ Roses, o trijato MD-11F, cuja versão de passageiros era usada pela Vasp em voos intercontinentais, e o também soviético Ilyushin IL-96, num voo fretado da Cubana de Aviación. “Eventos assim consolidam a imagem do aeroporto como uma opção cargueira e provam uma capacidade de flexibilidade operacional para receber qualquer tipo de operação”, explicou o comandante Dau.

MEMÓRIA
Herança soviética
Mriya e Buran
Durante a Guerra Fria, enquanto os americanos transportavam o Space Challenger num Boeing 747 de 1966 e adaptado pela Nasa, os soviéticos desenvolveram seu próprio gigante para carregar o ônibus espacial Buran pelos ares. Foi aí que, em 1988, surgiu o primeiro e até hoje único exemplar do AN-225 Mriya. Após a queda da União Soviética e o cancelamento do seu programa espacial, o AN-225 sucumbiu por anos em um cemitério de aviões na Ucrânia. Só em 2001 um grupo de empresários russos decidiu reformá-lo.

Fonte: Estado de Minas / Diários Associados

domingo, 13 de novembro de 2016

Especial de Domingo

O Núcleo Infantojuvenil de Aviação - NINJA - também estimula a pesquisa sobre a história da aviação.
Hoje, publicamos alguns registros, de fontes diversas, sobre J.D'Alvear e seu avião, que voou em novembro de 1914, há 102 anos!!!
Uma das vantagens do blog é enriquecer o conteúdo na medida em que novas informações são colhidas. Neste sentido, contamos com os amigos leitores para contribuir com mais textos e outros documentos, sempre citando a fonte.
Boa leitura.
Bom domingo!


1914: VOA O APARELHO ALVEAR
O segundo avião projetado e construído no Brasil voou em 14 de novembro de 1914. Era um monomotor monoplace concebido por J. D´Alvear. Carioca, nascido em 1884, Alvear projetara seu aparelho apenas com a ajuda de um manual francês, “Théorie et pratique de L´aviation”, de Victor Tatin. O avião contava com um motor de 60 cavalos e hélices importados da França e foi batizado com o nome de seu projetista. A fuselagem era de madeira recoberta com linho envernizado, pinho e faia. Os acontecimentos de São Paulo não tinham repercussão imediata no Rio de Janeiro. O avião São Paulo voara quatro anos antes. O jornal “O Estado de São Paulo” publicara uma reportagem sobre as experiências de 1910 com título de “Primeiro voo em aeroplano na América do Sul”. Ainda assim, o Alvear foi, durante muito tempo, considerado o primeiro avião projetado e construído no país. Em 7 de fevereiro de 1915, o Aeroclube do Brasil organizou uma demonstração do aparelho descrevendo o Alvear como sendo “o primeiro aeroplano construído com êxito no Brasil”.( 1 ) Outra notícia apresenta o Alvear como “o primeiro de invenção nacional construído na América do Sul com grande sucesso e sem auxílio do Governo”. ( 2 ) Apesar do sucesso das experiências, J. D´Alvear abandonou a construção aeronáutica depois de realizar seu primeiro e último aparelho. Em 1944, ele responsabilizou o ambiente adverso por esse fato: “nunca fui ouvido nem compreendido pelos homens do meu tempo. Jamais fui solicitado para uma explanação sobre o desenvolvimento do meu trabalho e ninguém se interessou pela consecução do meu ideal que era, unicamente, o de construir aviões no Brasil com material nacional”. ( 3 )
Notas
( 1 ) SOUZA, José Garcia de. A verdade sobre a história da aeronáutica. Op. cit. p. 415.
( 2 ) REVISTA FON FON, Rio de Janeiro, novembro de 1914.
( 3 ) SOUZA, José Garcia de. A verdade sobre a história da aeronáutica. Op. cit. p. 416.
Fonte: Vencendo o Azul 

O primeiro avião brasileiro a receber patente nacional
J. D’Alvear, um simples estudioso de matemática e engenharia, conseguiu levantar do chão, em 1914, o primeiro avião brasileiro (“um novo tipo de monoplano inteiramente original que conta com poderosos elementos para a conquista do ar” , como registrou com entusiasmo a revista “Fon-Fon”). O primeiro avião brasileiro a receber patente nacional foi o Alvear, construído por um descendente de espanhóis radicados no Brasil, o engenheiro carioca J. D’Alvear. Entretanto, o inventor “logo abandonou a construção de aviões, aborrecido com a falta de apoio oficial para a continuidade de suas atividades, e também chocado com a morte do amigo Caragiolo, acidentado fatalmente em experiências com o Alvear”. O aviador ítalo-argentino Ambrósio Caragiolo foi instrutor da Escola Brasileira de Aviação (EBA), em 1914. A notícia da revista “Fon-Fon” sobre o primeiro voo do monoplano D’Alvear, em 1914, dizia do aparelho: “É o primeiro construído na América do Sul com grande sucesso e sem ajuda do governo”. J. D’Alvear construiu seu monoplano no fundo do quintal, consultando um tratado do francês Victor Tatin. “Théorie e Pratique de l’Aviation.” Desistiu da indústria quando seu piloto de provas morreu num acidente aéreo.
Revista Veja, 6 de novembro de 1968 – Edição 9 – BRASIL – Pág: 26/27
REVISTA DA UNIFA / Uma Visão Multidisciplinar do Poder Aeroespacial - 29 Junho 2011
Fonte: O Explorador 


Aviação Nacional
Um invento do Snr. J. d'Alvear
O nosso patrício Snr. J. d'Alvear acaba de construir, nesta capital, um novo tipo de monoplano, inteiramente original, que conta com poderosos elementos para a conquista do ar. A primeira experiência deste novo aparelho que é o primeiro de invenção nacional construído na América do Sul, com grande sucesso e sem auxílio do governo, teve lugar no campo dos Afonsos, com resultados surpreendentes devendo seu autor realizar dentre de poucos dias sua experiência oficial, que será pública, no Campo de São Cristóvão ou no Jockey-Club.
Fonte: Revista Fon-Fon!,  edição nº 46, nov 1914

Trecho de
"O Debate Sobre a Criação da Aviação Militar Brasileira"
Tenente Historiador Mauro Vicente Sales

Ao findar-se a guerra, algumas tentativas bem sucedidas de construção de aviões protótipos foram noticiadas no Rio de Janeiro e voaram no Campo dos Afonsos. O primeiro avião brasileiro construído a receber patente nacional foi o Alvear, construído pelo engenheiro carioca José D’Alvear (ANDRADE, 1976, p.22), a partir de agosto de 1914. Este avião era monoplano, de asa média, com motor Gnome de 50hp e hélices francesas. (SOUZA, 1944, p.423). Tendo a armação construída em madeira brasileira (pinho do paraná e faia), forrado de linho, o Alvear voou pela primeira vez no Campo dos Afonsos, na presença de uma comissão do AeCB composta pelo capitão-tenente da Marinha e aviador Jorge Henrique Moller e pelo capitão do Exército Estelita Werner, em 14 de novembro de 1914, pilotado pelo ítalo-argentino Ambrósio Caragiolo, ex-instrutor da Escola Brasileira de Aviação (EBA).(INCAER, 1988, p. 498; ANDRADE, 1976, p. 22) O presidente da República Wenceslau Braz concedeu patente ao Alvear em 23 de dezembro de 1914. (SOUZA, 1944, p. 410). A revista carioca de amenidades Fon Fon, em novembro de 1914, qualificava erroneamente o avião Alvear como o primeiro avião da América do Sul.(ANDRADE, 1976, p. 22). Na verdade, o primeiro avião brasileiro foi o São Paulo, de projeto e construção brasileira, cujo voo ocorreu em Osasco-SP, em 7 de janeiro de 1910. Em 7 de fevereiro de 1915 o avião Alvear, pilotado pelo destemido Caragiolo, acabou se acidentando no prado do Derby Club, resultando na morte do piloto. O inventor, J. D’Alvear “logo abandonou a construção de aviões, aborrecido com a falta de apoio oficial para a continuidade de suas atividades, e também chocado com a morte do amigo Caragiolo”. (INCAER, 1988, p. 499; WANDERLEY, 1975, p.36)
Fonte: Revista da UNIFA junho 2011

sábado, 12 de novembro de 2016

Embraer / E-Jets E2

Vídeo do A&M mostra detalhes do Embraer E-Jet E2
A família de E-Jets da Embraer opera com cerca de 70 clientes em 50 países. Uma segunda geração desses modelos está em desenvolvimento nos hangares da empresa em São José dos Campos (SP). Com o programa E2 os jatos terão motores de última geração de alto desempenho da Pratt&Whitney PurePowerTM Geared Turbofan (PW1700G no E175-E2 e PW1900G no E190-E2 e E195-E2) que, em conjunto com novas asas aerodinamicamente avançadas, controles de voo totalmente fly-by-wire e avanços em outros sistemas, resultarão em melhoras significativas no consumo de combustível, custos de manutenção, emissões e ruído externo. O vídeo produzido pelo Lito, do site "Aviões e Músicas", mostra interessantes detalhes do projeto em um dos protótipos, a partir de uma visita às instalações da Embraer. Assista:


Saiba mais: Blog do NINJA de 12/01/2016, de 18/02/2016  e 26/02/2016.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

FAB 100

Reestruturação da FAB separará ações administrativas e operacionais
O projeto FAB 100 concebe uma reestruturação da Força Aérea Brasileira, a ser efetivada até o ano de 2041, quando a organização completa 100 anos. As bases para a evolução estão apoiadas em dois pilares: concentração das atividades administrativas, com o estabelecimento, por exemplo, dos Grupamentos de Apoio (GAP); e a reestruturação organizacional, com a criação, incorporação e extinção de organizações e unidades militares. O avanço do projeto já começou com ações para modernização da gestão, otimização dos recursos financeiros, operacionais e humanos, e incremento da eficiência no cumprimento da sua missão institucional. As atividades administrativas e operacionais estão sendo separadas, para reduzir custos e investir na atividade fim. Entre as medidas está a criação de 17 Grupos de Apoio (GAP) em todo o país que serão responsáveis por concentrar tarefas administrativas, como compras, registros de protocolo, entre outros. As unidades serão subordinadas diretamente ao Departamento de Administração, atualmente Secretaria de Economia e Finanças (SEFA).

ALAS
Na  parte operacional está a criação das Alas. Elas substituição os Comandos Aéreos Regionais (COMAR). Serão organizações distribuídas em todo o território nacional, de nível tático, com responsabilidade focada nas atividades de preparo e emprego da Força Aérea. As Alas serão responsáveis pela coordenação das atividades de doutrina e preparo das unidades operacionais em cada região e farão a ligação direta com o Comando de Preparo (COMPREP), a ser ativado a partir de janeiro de 2017, em substituição ao atual Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR). A partir de então, as operações em curso passarão a ser gerenciadas pelo Comando de Operações Aeroespaciais (atual Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro - COMDABRA), contando com equipamentos e tripulações à disposição para serem empregados nas ações de Força Aérea.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Aeroportos

Com novo leiaute de pistas, Guarulhos comportaria mais aviões
Um trabalho de pesquisa, no Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA), avaliou a capacidade do sistema de pistas de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional de Guarulhos, considerando o estabelecimento de uma nova circulação aérea e de mudança no seu leiaute de pistas. Para o trabalho foi utilizada a ferramenta de simulação computacional em tempo acelerado TAAM (Modelador Total de Espaço Aéreo e Aeroportos - Total Airspace and Airport Modeler), visando auxiliar no processo de tomada de decisões e planejamento do aeroporto. Os resultados mostraram que mudanças no leiaute do sistema de pistas com a inserção de novas saídas, associada à redução na circulação aérea, poderão proporcionar o aumento de até 20,9% no número de movimentos.

SITRAER
Uma síntese do trabalho foi apresentada no XV SITRAER (Simpósio de Transporte Aéreo), realizado em São Luiz (MA), na última semana de outubro de 2016. Os principais objetivos do SITRAER foram promover a integração entre os pesquisadores acadêmicos, a indústria e as partes interessadas do setor e ampliar o intercâmbio de informações sobre o tema Transporte Aéreo, Controle de Tráfego Aéreo e Infraestrutura Aeroportuária. A pesquisa denominada de “Análise da influência de nova circulação e de melhorias na infraestrutura na capacidade de pista do Aeroporto Internacional de Guarulhos” e assinada por Rafael de Araújo Almeida, Marcelo Carvalho Cabral de Vasconcellos e João Luiz de Castro Fortes recebeu premiação como segundo melhor trabalho apresentado no simpósio.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Transporte Aéreo

Minas amplia voos regionais de baixo custo
Mais voos foram estabelecidos no programa de ligação aérea entre cidades mineiras com passagens de baixo custo. As últimas rotas ativadas contemplam as cidades de Belo Horizonte, Passos, Araxá, Lavras, Manhuaçu e Pouso Alegre. Os novos voos fazem parte do Projeto de Integração Regional – Modal Aéreo (Pirma), desenvolvido e administrado pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig). O objetivo é promover o desenvolvimento econômico regionalizado, favorecer negócios e potencializar o turismo, aproveitando uma estrutura já existente. O estado tem 86 aeródromos públicos, muitos deles ociosos. O projeto começou em agosto de 2016, empregando aeronave do tipo Cessna 208 Caravan, monomotor turboélice para 9 passageiros. Criou ligação aérea direta entre Belo Horizonte (aeroporto da Pampulha) e 12 municípios do interior: São João del-Rei, Curvelo, Diamantina, Divinópolis, Juiz de Fora, Muriaé, Patos de Minas, Ponte Nova, Teófilo Otoni, Ubá, Varginha e Viçosa.

Passagens
As vendas das passagens ocorrem pela internet, por meio da página do projeto. Entre 17 de agosto e 21 de outubro, o projeto ofereceu 350 voos. Segundo a Codemig, os destinos com maior procura neste período foram Teófilo Otoni, Viçosa e São João del-Rei. Com a ampliação, agora são 17 cidades atendidas, além da capital mineira. Os usuários poderão agora fazer check-in online e escolher voos com escala. Se antes havia apenas viagens em que Belo Horizonte era a origem ou o destino, agora é possível usar o Pirma para se deslocar entre duas cidades do interior. Além disso, o cliente deverá criar uma conta de usuário, onde terá acesso ao seu histórico de compras e poderá solicitar com mais facilidade reembolsos, reemissões, remarcações e cancelamentos. O transporte é feito pela companhia Two Táxi Aéreo, empresa que venceu a licitação feita pelo estado.

Saiba mais: Blog do NINJA de 23/07/2016 

terça-feira, 8 de novembro de 2016

ARP

Agropecuária garante 25% do faturamento no negócio de drones
A agropecuária já é responsável por 25% do faturamento global da indústria de drones, tecnicamente denominados de Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP). O montante estimado é de US$ 127 bilhões, segundo o diretor da MundoGeo – empresa promotora da principal feira de drones do País, a DroneShow -, Emerson Zanon, com base em dados da consultoria PWC. Em um país com vocação agrícola como o Brasil, uma das principais fabricantes do equipamento, a XMobots, tem 80% de sua receita proveniente de vendas para o mercado agropecuário. “O setor de drones poderia estar deslanchando mais, não fosse a crise. Este ano vamos crescer menos ante anos anteriores, mas a receita com todos os setores deve aumentar de 55% a 60%”, disse a diretora comercial da empresa, Thatiana Miloso. O interesse crescente de produtores rurais pela tecnologia se explica pela influência positiva em dois fatores essenciais para a atividade: produtividade e custo.

Defensivos em montanha
A XMobots trabalha em um modelo de drone helicóptero, no formato da aeronave mas bem menor que ela, dotado de uma bateria com maior autonomia de voo e que permite carregar um reservatório de defensivo para aplicação do produto em áreas identificadas com falhas e pragas. Lavoura de café em áreas montanhosas, onde a aplicação de defensivos ainda é feita por funcionários, é um dos segmentos que poderão se beneficiar da novidade. A previsão é a de que o produto seja apresentado ao mercado no começo do ano que vem. A Embrapa trabalha em parceria com a Qualcomm, fabricante de processadores para smartphones, no desenvolvimento de uma placa que será embarcada no próprio drone para processar automaticamente as imagens capturadas pela aeronave. O primeiro protótipo do produto deve ficar pronto entre março e abril de 2017.

Fonte: Exame.com

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Carreiras na Aviação

A 1ª aviadora brasileira a pousar no Continente Antártico
A capitão aviadora da FAB Joyce de Souza Conceição, no dia 20 de outubro de 2016, tornou-se a primeira piloto do Brasil a pousar na Antártica. A militar piloto de Hércules C130 faz parte do quadro de tripulantes antártico do Esquadrão Gordo e anteriormente havia realizado outras missões, mas não com a tarefa de realizar a aterrissagem. "O pouso é uma evolução natural das missões e o sucesso dele é o resultado do bom trabalho e da total dedicação de cada militar envolvido", explica a Capitão. No dia 31 de outubro ela integrou a equipe de mais um voo saindo do Rio de Janeiro para apoiar o Programa Antártico Brasileiro (Proantar), levando pesquisadores e pessoal da Marinha do Brasil.

Operação especial
Segundo a piloto, a operação na Antártica requer o máximo de atenção e cuidado por parte de todos os membros da tripulação. "No momento da aproximação, o vento estava forte e a visibilidade era restrita, mas o alto grau de treinamento dos tripulantes permitiu que tudo fosse realizado em segurança, que é sempre o aspecto mais importante", relata. Somente tripulantes a partir do quarto ano de permanência no Esquadrão Gordo e que tenham mais de 800 horas de missões na aeronave são habilitados a operar na Antártica. A missão na qual ela realizou seu primeiro pouso na Antártica foi um intercâmbio com a Força Aérea Chilena, visando a troca de experiências sobre a utilização daquela pista. O vento de intensidade superior a 30 nós (55km/h), a pista coberta de neve e com apenas 1292 metros de comprimento, normalmente avistada apenas na altitude mínima de descida, devido ao baixo teto e visibilidade, são características comuns à região.

Base brasileira na Antártica
Desde 1983, ano de criação da Base Antártica Comandante Ferraz, no Polo Sul, o Esquadrão Gordo realiza, dez vezes ao ano, missões de apoio aerologístico aos militares e pesquisadores brasileiros do Proantar. O projeto é responsável pelo desenvolvimento de pesquisas para ampliar o conhecimento sobre os fenômenos naturais que ali ocorrem, bem como seu reflexo sobre o território brasileiro. "Sabemos da importância científica e geopolítica da manutenção de nossa estação de pesquisa no continente gelado. É uma grande responsabilidade e honra ser mais uma pessoa que faz parte dessa missão. Especialmente como parte do único esquadrão da FAB que ali opera há mais de 30 anos", comemora a Capitão Joyce.

Fonte: FAB

Saiba mais sobre a Cap Joyce:









Blog do NINJA de 26/05/2012, de 08/03/2016  e 05/08/2012.

domingo, 6 de novembro de 2016

Especial de Domingo

Ontem, sábado, 5 de novembro de 2016, o Núcleo Infantojuvenil de Aviação - NINJA - visitou o AeroDesign, no campus do DCTA – Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial em São José dos Campos-SP. Alunos dos níveis fundamental e médio de escolas públicas e particulares de Ubatuba-SP acompanharam o evento, promovido pela SAE Brasil, que reúne cerca de 1.300 universitários de engenharia do Brasil e do exterior. Confira as fotos e saiba mais sobre esta competição que contou - nesta 18ª edição - com 95 equipes brasileiras e estrangeiras.
Bom domingo!

NINJA no 18º SAE Brasil AeroDesign
Os NINJAs de Ubatuba-SP prestigiaram a 18º edição do AeroDesign, neste 5/11/2016. Alunos e coordenadores voluntários das escolas Aurelina, Deolindo, Dominique, Florentina e Tancredo viajaram em excursão patrocinada pelo Aeroclube de Ubatuba, Atmosfera, Instituto Salerno-Chieus e Tachão de Ubatuba.

Esta equipe ubatubense vem participando de oficinas de aeromodelismo na sede do NINJA, na Sala Gastão Madeira (Colégio Dominique). Saiba mais: Aeromodelismo NINJA. A excursão ao AeroDesign integra o planejamento desta atividade, mostrando aos nossos jovens etapas mais avançadas de construção.

Voluntários especialistas em aviação apresentaram os diversos níveis de avaliação dos competidores do AeroDesign, além dos detalhes da organização do evento.

As  equipes universitárias dispõem de bancadas de trabalho e precisam cumprir uma série de procedimentos antes e depois dos voos de suas aeronaves.

Há muitas etapas neste processo que prevê abastecimento, reposição de peças, medições, testes, conferências. A comercialização de peças no AeroDesign é feita pela mesma empresa que fornece os kits utilizados nas oficinas de aeromodelismo do NINJA.

As  tentativas de pouso e decolagem são o ponto alto do evento e as torcidas estimulam suas equipes. A integração entre os estudantes universitários de diferentes estados brasileiros - e também do exterior - é bastante intensa, com troca de informações técnicas e, claro, a consolidação de novas amizades. Um bom exemplo para os nossos NINJAs sobre as possibilidades do amanhã.

Cumprida a visita ao AeroDesign, os NINJAs seguiram para o MAB - Memorial Aeroespacial Brasileiro onde mais um voluntário fez uma explanação sobre a importância daquele espaço cultural. Muitas conquistas tecnológicas estão expostas, incluindo o pioneiro carro a álcool e a urna eletrônica, fomentados no DCTA. A trajetória de Casimiro Montenegro Filho, criador do ITA e do DCTA, também foi ressaltada para os estudantes, que puderam conferir um pouco de sua história na exposição permanente em sua homenagem.

Ao final, encerrando a excursão, o contato com as aeronaves expostas no pátio do MAB. Combinamos que os NINJAs convidarão mais amigos das diversas escolas de Ubatuba para integrar as oficinas de aeromodelismo em 2017. Assim - ano a ano - aumentaremos o time de crianças e jovens interessados na cultura aeronáutica, gerando novas possibilidades, despertando vocações, revelando talentos. 

Saiba mais: AeroDesign 2016