Voar é um desejo que começa em criança!

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Embraer

Primeira segunda-feira do ano!!
Para animar, selecionamos conteúdo do Lito, editor do excelente Aviões e Músicas.
Boa semana!!

A Embraer está sempre antenada. Espertinha!

Aeroporto de Santa Helena

O negócio é o seguinte:

Tem uma ilha no meio do oceano atlântico que se chama Santa Helena, olhem aí no maps (podem dar zoom out até aparecer algum continente)
 

Santa Helena está a mais de 2.000 quilômetros de qualquer outro pedaço de terra interessante e só pode ser alcançada por navio e isso demora cinco dias saindo da Cidade do Cabo por exemplo. Portanto Santa helena é considerada um dos lugares mais remotos do planeta (será que filmaram Lost lá?)

Como se resolve essa solidão? Oras, basta construir um aeroporto não é? Só que Santa Helena, que é um território britânico, tenta fazer isso desde 1943 e somente conseguiu dar início às obras em 2010 depois de assegurar um fundo de £202 milhões! Se você acha que a sua prefeitura demora pra tapar aquele buraco no asfalto da sua rua, imagine construir uma pista inteira no meio do oceano. O máximo tamanho de pista que conseguiram vai permitir que um Boeing 737-800 ou um Airbus A320 pousem lá.

Em Setembro de 2015, o primeiro avião de testes pousou, um Beechcraft King Air, que estava fazendo aferição nos equipamentos de rádio navegação do aeroporto. Em Abril de 2016 um Boeing 737-800 pousou para verificar a capacidade de rota, handling e manobras no pequeno pátio (só duas aeronaves podem operar ao mesmo tempo). O aeroporto ia inaugurar em Junho de 2016, mas aí se descobriu um problema: os ventos na região propiciam um fator meteorológico nada legal para a aviação – o windshear.

Windshear é assim definido pela wiki:

Windshear,também denominado wind shear, cortante do vento, gradiente de vento, tesoura de vento ou cisalhamento do vento, é um fenômeno meteorológico que pode ser definido como uma rápida variação de corrente no vento, ou seja, uma rápida variação na direção e/ou na velocidade do vento ao longo de uma dada distância.

Resumindo: Os aviões hoje em dia possuem um computador que detecta windshear de longe e a primeira coisa que o piloto faz é arremeter. Só que arremeter várias vezes esperando o fenômeno passar estando um pouco longe de tudo não é legal não é mesmo?

E onde entra a Embraer nessa história?
Aqui e agora. O aeroporto foi construído pensando-se no A320 e 737-800, mas que operariam no limite de sua capacidade de peso. Então porque não pegar o Embraer E-190 e demonstrar que ele pode ter performance superior para esse lugar remoto (por ser mais leve) e ainda fazer os testes requeridos de Windshear na cabeceira 20?


Pois foi isso que a Embraer Commercial Aviation fez entre os dias 30 de Novembro e 2 de Dezembro de 2016. O voo partiu de Recife com 11 tripulantes e pousou suavemente na pista 02. Como planejado, o E-190 completou uma série de pousos, decolagens e circuitos em Santa Helena, gerando dados e relatórios imprescindíveis para o início de um voo regular para a Ilha, e a administração do aeroporto já afirmou que o E-190 é uma das soluções potenciais para operar voos regulares para lá [*pisc*]

“O avião da Embraer completou vários pousos e decolagens da pista 20 – juntamente com vários ‘touch and goes’ (toque e arremetida). Foram feitas aproximações em vários ângulos e condições de vento, além de subidas em diversos ângulos diferentes com o controle de tráfego aéreo assistindo ativamente os testes e fornecendo dados meteorológicos para a aeronave. Durante os testes, até pouso com turbulência na pista 20 foi experimentado”

É isso aí Embraer, quem tem produto bom pra concorrer não tem medo de ir a campo e mostrar. Quem sabe faz ao vivo!

Olha que belezinha essa arremetida de teste – olhem o ângulo!


Texto: Lito