Voar é um desejo que começa em criança!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Carreiras na Aviação

Astronauta Marcos Pontes motiva gestores
“Crítica é o modo de defesa emocional daqueles que não têm nem coragem, nem competência, para realizar alguma coisa", diz o astronauta Marcos Pontes em entrevista ao portal Economia SC, quando se preparava para palestra de motivação para administradores na Expogestão, evento realizado em Joinville(SC). Formado em engenharia aeronáutica e com experiência como piloto de provas da Força Aérea Brasileira (FAB), Marcos Pontes ingressou em 1998 na Nasa, a agência espacial norte-americana. É o primeiro astronauta brasileiro e foi à Estação Espacial Internacional, a bordo de uma nave Soyuz, há 11 anos, no dia 29 de março de 2006, na Operação Centenário, quando se comemorava 100 anos do voo do 14-Bis por Alberto Santos Dumont.

O que levou o menino de família simples de Bauru a sonhar com a vida de um astronauta, já que o sonho de voar estava realizado como piloto da Força Aérea Brasileira?
Marcos Pontes – No início, o objetivo era ser piloto, mas eu já tinha “um olhar para o espaço”. Meu irmão colecionava fotos do programa Apollo, e aquilo era definitivamente interessante. Após conseguir realizá-lo e já ´graduado´ na profissão, como piloto de caça e de testes de aeronaves, a ideia era voar mais alto e mais rápido. Com o sonho do espaço em mente, eu já tinha construído meu currículo baseado no currículo dos astronautas americanos. Com a entrada do Brasil no programa da ISS através da NASA, surgiu a oportunidade do concurso público feito pela Agência Espacial Brasileira (AEB) em 1998. A NASA exigiu que ela viesse ao Brasil para escolher um astronauta para o grupo de astronautas da NASA para manutenção da ISS. Eu me inscrevi e fui selecionado pela NASA. Os detalhes de toda essa história estão no meu livro “Missão Cumprida. A História Completa da Primeira Missão Espacial Brasileira.” (www.conexaoespacial.com.br).

Como recebeu as críticas por não parar de sonhar e correr atrás dos seus sonhos? Qual foi a decisão mais difícil?
Assim como quando alguém te oferece ou dá alguma coisa, um presente, por exemplo, é sempre sua a escolha de receber ou não o que lhe é dado. Portanto, não havia decisão a tomar. Era simplesmente seguir com os meus planos. Críticas construtivas são sempre bem vindas como ferramenta de aprimoramento na direção dos seus sonhos. Críticas ou opiniões negativas são simplesmente ignoradas. Aliás, crítica é o modo de defesa emocional daqueles que não têm nem coragem, nem competência, para realizar alguma coisa. Na verdade, quem precisa receber críticas construtivas e auxilio são exatamente os “críticos negativos”. No meu livro “É Possível! Como Transformar Seus Sonhos em Realidade”, abordo o tema com detalhes.