Voar é um desejo que começa em criança!

domingo, 3 de abril de 2016

Especial de Domingo

A participação brasileira na FIDAE - Feira Internacional de Aeronáutica e Espaço - 2016, realizada no Chile, evidencia a nossa capacidade e criatividade, qualidades essenciais para superarmos - em todas as áreas - estes tempos difíceis que o Brasil atravessa.
Boa leitura.
Bom domingo!

FIDAE 2016: Pavilhão Brasil é destaque na feira
O Pavilhão Brasil (F), coordenado pela ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) e APEX-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e com o apoio do Ministério da Defesa, juntamente com o CECOMPI (Brazilian Aerospace Cluster), foi um dos grandes destaques da Feira Internacional de Aeronáutica e Espaço (FIDAE) 2016.

Composto por cerca de 60 empresas nacionais, o local recebeu a visita de representantes das Forças Armadas do Brasil e do Chile, além de empresários, autoridades nacionais e internacionais. Para o vice-presidente executivo da ABIMDE, Carlos Afonso Pierantoni Gambôa, os primeiros dias do evento superaram as expectativas com os empresários realizando importantes contatos comerciais e com o setor fortalecendo sua presença no exterior.

Vale destacar que o Pavilhão Brasil recebeu a importante visita da presidente do Chile, Michelle Bachelet, da secretária do SEPROD (Secretaria de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa), Perpétua Almeida, do diretor do Departamento de Promoção Comercial da SEPROD, vice-almirante Antônio Carlos Soares Guerreiro e do chefe do Departamento de Ciência e tecnologia do Exército Brasileiro, general-de-exército Juarez Aparecido de Paula Cunha. O Pavilhão Brasil também recebeu a delegação dos Emirados Árabes.

“A vinda de um grande número de empresas do setor projeta o país no mercado mundial, mostrando a qualidade de nossos produtos e nossas soluções. Além disso, reforça os laços de parceria e integração entre as diversas nações presentes no evento”, avaliou Pierantoni.

A FIDAE é um dos principais destinos para aqueles que desejam investir em negócios de Defesa e Segurança. Com mais de 35 anos de existência, o evento reúne expositores e parceiros em potencial, vindos dos cinco continentes. Estreitar o contato com tais empresas e representantes governamentais é o grande objetivo dos empresários brasileiros. Para se ter ideia das ações brasileiras no setor, as 60 empresas que integram o Projeto Setorial ABIMDE – APEX (o qual facilita a exposição de produtos e serviços da BID no exterior) exportaram juntas cerca de US$ 4 bilhões em 2014, o que representa 90% das exportações brasileiras do setor de Defesa e Segurança. Deste montante, US$ 2,4 bi se referem a produtos de alta tecnologia.

“Levar as empresas para feiras como a FIDAE, no Chile, é uma excelente oportunidade. A ABIMDE, com apoio da APEX-Brasil, incentivou as empresas a participarem do Pavilhão Brasil expondo os produtos desenvolvidos com alta tecnologia. Estamos na feira, juntamente com empresas do CECOMPI, mostrando o que existe de melhor no País. Os produtos e serviços têm a garantia do Ministério da Defesa também presente ao evento”, afirmou Carlos Afonso Pierantoni Gambôa. Segundo ele, a FIDAE é considerada como o primeiro passo para as exportações de produtos e serviços relacionados à defesa e segurança, e o mercado da América do Sul como o primeiro passo para que as empresas nacionais expandam sua atuação para além das fronteiras brasileiras, com a formação de parcerias alicerçadas na UNASUL.

Dentre as áreas potenciais para negócios estão: radares, armas não letais, aeronaves de treinamento, sistemas de simulação, proteção cibernética, mísseis, aviação militar, embarcações de patrulha e veículos blindados, entre outros.

“A ABIMDE busca promover os estudos e ações que nos permitirão enxergar com exatidão quais medidas podem ser propostas ao governo para aumentar a competitividade e exportações de produtos brasileiros. Já estamos construindo o caminho. No Pavilhão Brasil na FIDAE 2016, junto a nossa hospitalidade apresentamos a nossa capacidade e criatividade”, concluiu Pierantoni.

Fonte: Tecnologia & Defesa