Voar é um desejo que começa em criança!

domingo, 3 de julho de 2016

Especial de Domingo

Uma possível solução para ligação entre cidades não servidas por aviação regular - e que necessitam do modal de transporte aéreo - é o estabelecimento de rotas operadas por aeronaves de pequeno porte. Esta hipótese - tendo como exemplo uma linha entre São Paulo e Ubatuba - será apresentada na 19ª Conferência Internacional de Sistemas Inteligentes de Transporte (19th International IEEE Conference on Intelligent Transportation Systems), de 1 a 4 de novembro de 2016, no Rio de Janeiro, pelos pesquisadores Roberto Tadeu de Araujo e Marcio Ney da Silva Duarte, do Instituto de Controle do Espaço Aéreo. Na última semana, eles apresentaram considerações preliminares do trabalho na reunião Café Voador, promovida mensalmente pelo NINJA – Núcleo Infantojuvenil de Aviação e Aeroclube de Ubatuba.
Boa leitura!
Bom domingo! 

Hipótese de transporte aéreo inter-regional:
Ubatuba, um estudo de caso
Uma possível solução para a problemática do transporte inter-regional entre o litoral norte paulista, mais o município de Paraty (RJ), e a cidade de São Paulo (SP), é a hipótese de voos de baixo custo realizados por aviões de pequeno porte, a partir do Aeroporto Gastão Madeira, localizado em Ubatuba (SP). O adensamento populacional das áreas urbanizadas provocam impactos importantes no meio ambiente urbano, além do natural. Visando repará-los ou atenuá-los desenvolveu-se o conceito de “Cidade Inteligente”. A implantação da atividade de um Sistema de Transporte Inteligente eficiente deve ser consolidado com medidas e projetos que proporcionem conforto e funcionalidade nos modelos de transporte já existentes. Assim, uma hipótese de solução para questões de mobilidade e acessibilidade para uma determinada cidade ou região é a adoção do transporte aéreo inter-regional. Artigo com esta temática será apresentado na 19ª Conferência Internacional de Sistemas Inteligentes de Transporte (19th International IEEE Conference on Intelligent Transportation Systems), em novembro de 2016, no Rio de Janeiro, pelos pesquisadores Roberto Tadeu de Araujo e Marcio Ney da Silva Duarte, do Instituto de Controle do Espaço Aéreo.

Considerando o fluxo turístico na área formada pelo litoral norte paulista - formado pelos municípios de Ilhabela, São Sebastião, Caraguatatuba e Ubatuba - e mais Paraty (RJ), somando perto de 550 quilômetros de costa, propõe-se um estudo de caso para despertar discussão acerca da possibilidade de se estabelecer uma linha aérea ligando o aeroporto de Ubatuba com o de Congonhas, na capital São Paulo.

De acordo com as aerovias disponíveis para ligação entre os dois aeroportos, a distância de voo seria próxima de 180 quilômetros. O curto tempo de voo e o custo da passagem aérea compensariam eventuais dificuldades de acesso por via terrestre, haja vista o excesso de tráfego e frequentes congestionamentos nas estradas de acesso, principalmente em feriados prolongados ou alta temporada de férias.

O aeroporto Gastão Madeira, em Ubatuba, possui pista de 940 metros de comprimento e localiza-se nas coordenadas (23°26’29”S / 045°04’34”W). É administrado pelo Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (DAESP) e poderá ser operado pela iniciativa privada, por meio de processo de concessão em andamento. Tem como facilidades atuais: serviço de abastecimento, dois hangares, um pequeno terminal de passageiros e estacionamento. No ano de 2015 teve 3446 operações de pouso e decolagem e movimento de 3260 passageiros. Tendo em vista as dimensões da pista de pouso de Ubatuba, a expectativa do número de passageiros e o custo operacional, propõe-se, como exemplo, a operação com a aeronave Cessna 208 Caravan ou similar.

Esta aeronave é largamente empregada em voos de baixo custo em outras partes do globo. Desta forma, o acesso por via aérea seria para os cinco municípios da área de estudo que, juntos, representam um PIB – Produto Interno Bruto de 16 bilhões de reais, de acordo com dados de 2013 do IBGE (Ubatuba R$ 1,5 bilhão; São Sebastião R$ 5,7 bilhões; Ilhabela R$ 3,3 bilhões; Caraguatatuba R$ 2,4 bilhões; Paraty 3,1 bilhões). No mesmo ano, segundo o IBGE, o PIB do município de Florianópolis (SC), que é servido pelas principais empresas aéreas, foi de R$ 14 bilhões. O Caravan é um monomotor turboélice de asa alta, com capacidade para transportar nove ou dez passageiros. Voa a 320 Km/h e consome cerca de 200 litros de querosene de aviação por hora, o que pode representar consumo médio de 0,07 litro/passageiro/Km voado.