Voar é um desejo que começa em criança!

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Especial de Domingo

Nos 90 anos do voo do Jahú, o NINJA - Núcleo Infantojuvenil de Aviação - apoia ações para manter viva a memória deste feito extraordinário. Assim, reproduzimos matéria publicada no jornal Comércio do Jahu que traz entrevista com Cesar Rodrigues da Costa, autor do livro “Vou ali. Já volto: o voo transatlântico do avião Jahú” que será lançado em Ubatuba-SP no próximo dia 18 de fevereiro, às 19h, na Sala Gastão Madeira. A reportagem é de Natalia Gatto Pracucho.
Boa leitura.
Bom domingo!

Jornalista lança livro sobre o voo do Jahú

Cesar Rodrigues da Costa é autor da obra “Vou ali. Já volto: o voo transatlântico do avião Jahú”

A primeira travessia em voo do Atlântico Sul por uma tripulação genuinamente brasileira foi há 90 anos, em 28 de abril de 1927. O feito foi realizado com a aeronave Jahú, tendo a bordo o comandante jauense João Ribeiro de Barros, o copiloto João Negrão, o navegador Newton Braga e o mecânico Vasco Cinquini. Esta travessia é o tema do livro “Vou ali. Já volto: o voo transatlântico do avião Jahú”, de autoria do jornalista e piloto civil Cesar Rodrigues da Costa, 59 anos.

A obra, didática e voltada para entusiastas de aviação e de história, será lançada dia 18 de fevereiro, às 19h, na sede do Núcleo Infantojuvenil de Aviação (Ninja), em Ubatuba, no litoral paulista. Já é possível adquirir exemplares do livro antes mesmo do lançamento.

Os pedidos podem ser feitos por e-mail:
trafego.aereo.brasil@gmail.com
Com 72 páginas, a obra custa R$ 22 (frete incluso).

Cesar nunca esteve em Jaú, embora tenha se interessado pelo Município por causa da história do avião. É possível que o livro seja lançado em Jaú, oportunidade em que o piloto conhecerá a cidade.

O escritor também é autor de “Rumo Verdadeiro: a História da Simulação de Tráfego Aéreo no Brasil” (2010), “Torres de Controle do Brasil” (2013) e “A Aviação em Lorena: Traços Históricos” (2014).

Comércio do Jahu - Por que decidiu escrever sobre a travessia de João Ribeiro de Barros?

Cesar Rodrigues da Costa - Porque os 90 anos do voo do avião Jahú é um dos temas a serem abordados, durante 2017, nas atividades do Núcleo Infantojuvenil de Aviação (Ninja), apoiado pelo Instituto Salerno-Chieus. Ao ser discutido o assunto preliminarmente, entre os voluntários do núcleo, notou-se uma diversidade de fontes de informação.


Foi aí que nasceu a ideia de reunir as várias citações e facilitar o acesso aos fatos, como mais uma contribuição à preservação da história da espetacular jornada do comandante João Ribeiro de Barros e seus bravos tripulantes do avião Jahú.

Comércio - O que é o Ninja?

Cesar - O Núcleo Infantojuvenil de Aviação (Ninja) é um projeto social em Ubatuba (SP), mantido por voluntários, cujo objetivo é divulgar, gratuitamente, cultura aeronáutica para crianças e jovens, reunindo estudantes de escolas públicas e particulares, despertando vocações, revelando talentos.


A ideia é que aulas de aviação, atividades lúdicas, práticas e teóricas sejam complemento à instrução formal da grade escolar.

Comércio Como será desenvolvido o tema “90 anos do voo do avião Jahú”?

Cesar - O tema ensejará entre os alunos do Ninja, além da apresentação e discussão do livro, concurso de desenhos, palestras, exposição da coleção de objetos sobre a travessia - preparada pelo pesquisador Alexandre Ricardo - e publicações de matérias e entrevistas no blog do núcleo.

Comércio – Qual foi o tempo de pesquisa? Onde encontrou material sobre a travessia de João Ribeiro de Barros?

Cesar - A pesquisa acerca do voo do Jahú vem desde 2014, quando o Ninja promoveu a exposição “Jahú: Influência de uma Época”. A mostra é uma criação de Alexandre Ricardo Baptista, pesquisador e colecionador de itens culturais relativos ao avião e à travessia do Atlântico pelo comandante Ribeiro de Barros.

A partir daí, foram agregadas informações, até dezembro passado, as quais deram origem ao livro. O material sobre o assunto é basicamente composto do próprio avião Jahú, hangarado no, por ora inativo, Museu da TAM, em São Carlos (SP), de referências bibliográficas e do acervo do pesquisador e colecionador de itens sobre o Jahú, Alexandre Ricardo. 

Comércio – De que maneira a obra aborda a travessia?

Cesar - A narrativa da travessia é factual e segue uma linha cronológica. A linguagem é direta, concisa e tende à síntese, a fim de facilitar a apreensão das informações.

É um chamado para que o leitor se interesse pela história da aviação brasileira.

Comércio – Qual a explicação para o título?

Cesar - O jauense João Ribeiro de Barros, ao sair do Brasil em direção à Itália, para adquirir o Savoia-Marchetti S-55, o qual mais tarde seria chamado de Jahú, teria proferido a expressão que se tornou seu lema: “Vou ali. Já volto”, como destacava um jornal da época. O lema era ostentado nos dois botes que formavam a fuselagem do avião.

Com o tempo, as palavras foram apagadas e só foram recuperadas após a restauração do Jahú, já no Museu da TAM, graças ao alerta do pesquisador Alexandre Ricardo, para que os botes voltassem a ter o lema do comandante Ribeiro de Barros.

No lado direito do Jahú está escrito “Vou ali”; no esquerdo, “Já volto”.


Texto: Natalia Gatto Pracucho

Fotos: Blog do NINJA.